AS (SUPOSTAS) PRE­O­CU­PA­ÇÕES DE BISPOS (DI­TOS) CA­TÓ­LI­COS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Os bispos ca­tó­li­cos an­go­la­nos de­fen­de­ram, em Lu­an­da, que os pro­ce­di­men­tos e re­gras do re­gis­to elei­to­ral, em cur­so em An­go­la, de­vem in­cu­tir, em to­dos, “con­fi­an­ça pa­ra que não se par­ta pa­ra as elei­ções com sus­pei­ções”. En­tão há es­se ris­co? Pois. A fa­zer fé nas elei­ções an­te­ri­o­res e nos in­dí­ci­os das que es­tão mar­ca­das pa­ra 2017, no­me­a­da­men­te com a CNE ati­ra­da pa­ra can­to e o Go­ver­no a pôr e dis­por, a con­fi­an­ça num pro­ces­so trans­pa­ren­te já pa­re­ce mais uma mi­ra­gem. A po­si­ção dos bispos foi ex­pres­sa pe­lo pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal de An­go­la e São To­mé (CEAST), Fi­lo­me­no Vieira Di­as, no en­cer­ra­men­to da IIª as­sem­bleia or­di­ná­ria da or­ga­ni­za­ção re­li­gi­o­sa, que de­cor­reu du­ran­te uma se­ma­na na ca­pi­tal an­go­la­na. No co­mu­ni­ca­do fi­nal, os bispos su­bli­nha­ram a ne­ces­si­da­de de to­dos os ci­da­dãos se mo­bi­li­za­rem pa­ra o re­gis­to elei­to­ral, co­mo for­ma de con­so­li­dar a cons­ci­ên­cia cí­vi­ca e par­ti­ci­pa­ti­va nos assuntos que têm a ver com o bem co­mum. So­bre as sus­pei­ções le­van­ta­das pe­los par­ti­dos da opo­si­ção qu­an­to à re­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, ta­re­fa que de­fen­dem ca­ber à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, os bispos ape­lam pa­ra que se res­pei­te as nor­mas e re­gras que são con­sen­su­ais e acei­tes por to­dos. “O ape­lo que fa­ze­mos é que na re­so­lu­ção des­tes mo­dos di­fe­ren­tes de per­ce­ber e de ver qual é o or­ga­nis­mo que de fac­to re­sol­ve as coi­sas é que em to­dos pos­sa-se fi­nal­men­te di­zer es­ta­mos di­an­te de um pro­ces­so on­de as nor­mas e as re­gras são aque­las que são con­sen­su­ais, acei­tes por to­dos e que dão a ga­ran­tia de que o pro­ces­so se­rá um pro­ces­so trans­pa­ren­te e por is­so con­vin­cen­te, que vai re­flec­tir aqui­lo que vai ser a de­ci­são e a es­co­lha dos ci­da­dãos nas ur­nas”, dis­se Fi­lo­me­no Vieira Di­as, que é tam­bém ar­ce­bis­po de Lu­an­da. É que, sa­bem os bispos mas não di­zem, à mu­lher de Cé­sar não bas­ta ser sé­ria, tam­bém de­ve pa­re­cer sé­ria. Ora, nes­te ca­so, o Go­ver­no não é sé­rio e nem es­tá pre­o­cu­pa­do em pa­re­cer ser sé­rio. Pa­ra o MPLA, os fins (ma­nu­ten­ção do po­der) jus­ti­fi­cam o uso de to­dos os mei­os. Os bispos ma­ni­fes­ta­ram tam­bém pre­o­cu­pa­ção com a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que An­go­la en­fren­ta, por con­ti­nu­ar a afec­tar o po­der de com­pra das fa­mí­li­as, “agra­van­do ain­da mais a po­bre­za, o de­sem­pre­go e cau­san­do al­gum de­ses­pe­ro en­tre a po­pu­la­ção”. Os bispos tam­bém sa­bem que An­go­la um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun- do, é um dos paí­ses com pi­o­res prá­ti­cas de­mo­crá­ti­cas, é um país com enor­mes as­si­me­tri­as so­ci­ais e é o país com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til do mun­do. Sa­bem mas… A pre­o­cu­pa­ção vai de igual mo­do pa­ra o pro­ble­ma da des­flo­res­ta­ção “vas­ta, si­mul­tâ­nea e ge­ne­ra­li­za­da” por to­do o país, com o aba­te in­dus­tri­al de ár­vo­res e ou­tras prá­ti­cas que con­si­de­ra­ram hos­tis à bi­o­di­ver­si­da­de, co­mo der­ra­mes de pe­tró­leo, qu­ei­ma­das, pro­du­ção de­sen­fre­a­da de car­vão e ca­ça in­dis­cri­mi­na­da. De fac­to, a des­flo­res­ta­ção é al­go mui­to mais re­le­van­te do que An­go­la ser o país com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til do mun­do. Não é D. Fi­lo­me-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.