JUS­TI­ÇA ES­TÁ (MAIS DO QUE) M

Folha 8 - - DESTAQUE -

AQue a jus­ti­ça em An­go­la, sal­va­guar­dan­do al­guns exem­plos me­ri­tó­ri­os mas re­si­du­ais, es­tá co­mo o pró­prio re­gi­me: mo­ri­bun­da. O Pro­ces­so 15+2 é um pa­ra­dig­ma es­cla­re­ce­dor que, co­mo ou­tros, nos re­me­te pa­ra aqui­lo que o país não é mas de­ve­ria ser: um Es­ta­do d Di­rei­to De­mo­crá­ti­co. Ve­ja­mos. Nos au­tos de re­cur­so re­gis­ta­dos sob o Pro­ces­so N.º 16997, em que são re­cor­ren­tes os ac­ti­vis­tas cí­vi­cos do de­no­mi­na­do “Pro­ces­so 15+2” na 2.ª Sec­ção da Câ­ma­ra Cri­mi­nal do Tri­bu­nal Su­pre­mo foi exa­ra­do, no dia 9 de Se­tem­bro de 2016, o se­guin­te des­pa­cho: “Os cri­mes pe­los quais os réus fo­ram acu­sa­dos e con­de­na­dos, es­tão abran­gi­dos pe­lo dis­pos­to no n.º 1 da Lei n.º 11/16 de 12 de Ju­lho (Lei da Am­nis­tia). As­sim, nos ter­mos do ar­ti­go 125.º, n.º 3 do C. Pe­nal, de­cla­ra-se ex­tin­to o pro­ce­di­men­to cri­mi­nal. En­con­tran­do-se os réus em li­ber­da­de pro­vi­só­ria, or­de­na-se o ar­qui­va­men­to dos au­tos e a res­ti­tui­ção aos mes­mos, de to­dos os bens e ob­jec­tos apre­en­di­dos nos au­tos.” Di­as de­pois, em 13 de Se­tem­bro de 2016, atra­vés da Si­nop­se N.º 689/CC/ TS/2016, fo­ram os mes­mos au­tos re­me­ti­dos pa­ra a 14.ª Sec­ção da Sa­la dos Cri­mes Co­muns do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da. A 14.ª Sec­ção da Sa­la dos Cri­mes Co­muns do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, por sua vez, ape­nas no­ti­fi­cou os man­da­tá­ri­os dos réus do des­pa­cho pro­fe­ri­do pe­lo Juiz Con­se­lhei­ro Re­la­tor do Tri­bu­nal Su­pre­mo e da res­pec­ti­va bai­xa dos au­tos, no dia 18 de Ou­tu­bro de 2016, mais de 1 (um) mês de­pois da re­cep- ção do des­pa­cho exa­ra­do! Ca­so iso­la­do? Não. Era bom que fos­se mas não é. Ve­ja­mos ou­tro exem­plo, no mes­mo âm­bi­to. O “ha­be­as cor­pus” in­ter­pos­to a 1 de Abril de 2016 pe­la De­fe­sa dos 17 ac­ti­vis­tas con­de­na­dos até oi­to anos e meio de pri­são, pe­din­do a li­ber­ta­ção até de­ci­são dos re­cur­sos, no dia 16 de Ju­nho ain­da não ti­nha “ba­ti­do à por­ta” do Tri­bu­nal Su­pre­mo pa­ra ser ana­li­sa­do. Na al­tu­ra cons­tou que te­ria ido de bi­ci­cle­ta, de­pois de 20 di­as à es­pe­ra da re­qui­si­ção res­pec­ti­va pa­ra… cir­cu­lar. Acon­te­ce que, pa­ra cú­mu­lo, a bi­ci­cle­ta te­rá ava­ri­a­do no ca­mi­nho. A si­tu­a­ção foi na al­tu­ra con­fir­ma­da pe­lo ad­vo­ga­do Luís Nas­ci­men­to, dan­do con­ta que as equi­pas de De­fe­sa con­cluí­ram ago­ra que dois me­ses e meio de­pois da en­tre­ga do re­cur­so, o mes­mo fi­cou “re­ti­do” na 14.ª Sec­ção do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da (pri­mei­ra ins­tân­cia), du­ran­te cer­ca de 20 di­as. “O juiz da cau­sa não en­tre­gou o do­cu­men­to, re­te­ve-o, sem ter com­pe­tên­cia pa­ra is­so e nem o pas­sou a quem era di­ri­gi­do [juiz-pre­si­den­te do Su­pre­mo]“, apon­tou Luís Nas­ci­men­to. Só de­pois des­sa da­ta, ex­pli­cou o mes­mo ad­vo­ga­do, o pro­ces­so foi en­vi­a­do, mas pa­ra o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal (TC), jun­ta­men­te com um re­cur­so de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de do acór­dão do mes­mo ca­so, e não pa­ra o Tri­bu­nal Su­pre­mo, a quem com­pe­tia de­ci­dir so­bre o “ha­be­as cor­pus” e cu­jo juiz-pre­si­den­te che­gou a or­de­nar à pri­mei­ra ins­tân­cia o seu en­vio. O ca­so, du­ra­men­te cri­ti­ca­do pe­la De­fe­sa, re­cor­dan­do a “ur­gên­cia” de de­ci­dir um “ha­be­as cor­pus” por os ac­ti­vis­tas já es­ta­rem a cum­prir pe­na de pri­são sem que os re­cur­sos te­nham si­do ana­li­sa­dos, mo­ti­vou até uma quei­xa pa­ra aque­le mes­mo Tri­bu­nal e pa­ra o Con­se­lho Su­pe­ri­or de Ma­gis­tra­tu­ra. É que es­te re­cur­so de “ha­be­as cor­pus” por “pri­são ile­gal” vi­sa­va usar a “ju­ris­pru­dên­cia exis­ten­te” so­bre o efei­to sus­pen­si­vo dos re­cur­sos – nes­te ca­so in­ter­pos­tos pa­ra as ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res – à con­de­na­ção, pa­ra que en­tre­tan­to fos­se man­ti­da a si­tu­a­ção car­ce­rá­ria de to­dos, par­ti­cu­lar­men­te das du­as jo­vens que es­ta­vam em li­ber­da­de e os res­tan­tes que es­ta­vam em pri­são do­mi­ci­liá­ria, a 28 de Mar­ço, qu­an­do foi co­nhe­ci­da (em­bo­ra há mui­to es­ti­ves­se de­ter­mi­na­da) a sen­ten­ça. “O juiz da cau­sa re­me­teu o pro­ces­so [pa­ra o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ana­li­sar um re­cur­so de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de], mas sem re­fe­rir que a pro­vi­dên­cia de ‘ha­be­as cor­pus’ es­ta­va lá. Is­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.