MÍ­DIA DO RE­GI­ME ACUSADA DE DE­TUR­PAR CA­SO DE MOR­TES EM BEN­GUE­LA

Folha 8 - - POLÍTICA -

Al­guns ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, com re­al­ce pa­ra a Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la (TPA), es­tão a ser acu­sa­dos de es­ta­rem de­li­be­ra­da­men­te a de­tur­par os fac­tos e de ten­tar cri­ar um ce­ná­rio e es­ta­do de opi­nião pa­ra in­flu­en­ci­ar o an­da­men­to do inqué­ri­to em cur­so so­bre as mor­tes por as­fi­xia de qua­se uma de­ze­na de ci­da­dãos no es­pec­tá­cu­lo mu­si­cal re­a­li­za­do no cam­po do Clu­be Na­ci­o­nal de Ben­gue­la, nos di­as 15 e 16 de Ou­tu­bro des­te ano. A Po­lí­cia Na­ci­o­nal afir­mou que fo­ram oi­to os mor­tos no con­cer­to na pro­vín­cia de Ben­gue­la, con­tra­di­zen­do as­sim o pro­nun­ci­a­men­to da mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Carolina Cer­quei­ra, que fa­lou em no­ve ví­ti­mas mor­tais, exi­gin­do igual­men­te a res­pon­sa­bi­li­za­ção ci­vil e cri­mi­nal dos res­pon­sá­veis do es­pec­tá­cu­lo mu­si­cal. Se­gun­do al­guns ci­da­dãos, que as­sis­ti­ram ao es­pec­tá­cu­lo, as pes­so­as mor­re­ram as­fi­xi­a­das após no­ta­rem a au­sên­cia do Ku­du­ris­ta Na­gre­lha, que cau­sou co­mo­ções, che­gan­do os agen­tes po­li­ci­ais a usa­rem gás la­cri­mo­gé­nio con­tra os pre­sen­tes. Es­tan­do num es­pa­ço pe­que­no e com as por­tas se­mi-fe­cha­das, as pes­so­as fo­ram atro­pe­lan­do uns aos ou­tros, pro­cu­ran­do sair do re­cin­to. Em con­sequên­cia, qua­se uma de­ze­na de mor­re­ram e vá­ri­as fi­ca­ram fe­ri­das e fo­ram hos­pi­ta­li­za­das. No en­tan­to, a acu­sa­ção con­tra os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al foi fei­ta pe­lo ci­da­dão Jai­me V. Azu­lay, nas re­des so­ci­ais, na quin­ta-fei­ra, 20, acom­pa­nha­da com ima­gens da TPA, apre­sen­tan­do en­tre­vis­tas com o or­ga­ni­za­dor Ni­no Re­pu­bli­ca­no, da LS Pro­du­ções e o can­tor Big Ne­lo. “De­nun­cio pu­bli­ca­men­te a in­for­ma­ção que es­tá a ser vei­cu­la­da em al­guns ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al so­bre a tra­gé­dia de Ben­gue­la pe­los pro­mo­to­res do even­to, que qu­an­to a mim, de­vem res­pon­der pe­ran­te a jus­ti­ça. No­ta-se uma in­ten­ção de­li­be­ra­da e do­lo­sa de de­tur­par os fac­tos e de se ten­tar cri­ar um ce­ná­rio e es­ta­do de opi­nião pa­ra in­flu­en­ci­ar o an­da­men­to do inqué­ri­to em cur­so”, es­cre­veu Jai­me Azu­lay. O jo­vem ca­rac­te­ri­zou co­mo men­ti­ra a in­for­ma­ção de que “o pal­co da tra- gé­dia foi o es­tá­dio na­ci­o­nal de Om­ba­ka”. “Ago­ra di­zem que foi no es­tá­dio Na­ci­o­nal em Ben­gue­la. Men­ti­ra! Não exis­te! Acon­te­ceu no Es­tá­dio de S. Fi­li­pe de Ben­gue­la, pro­pri­e­da­de do Clu­be Na­ci­o­nal de Ben­gue­la. O tu­mul­to ve­ri­fi­cou-se no in­te­ri­or do cam­po de jo­gos e foi ali que ocor­reu o es­ma­ga­men­to e as­fi­xia das ví­ti­mas. Há in­dí­ci­os e tes­te­mu­nhas. In­ver­ter es­te fac­to é gra­vís­si­mo”, de­fen­deu. “Por­que não en­tre­vis­tam os so­bre­vi­ven­tes? Es­ta­rão a se­lec­ci­o­ná-los e a trei­ná-los? Por­que não en­tre­vis­tam os fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas? Es­ta­rão a se­lec­ci­o­ná-los e a trei­ná-los? A não ser que te­nham fei­to obras de am­pli­a­ção da lo­ta­ção do cam­po, na­que­la fa­tí­di­ca noi­te, o cam­po do Na­ci­o­nal de Ben­gue­la não tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 15 mil pes­so­as. Nem me­ta­de dis­so. Con­fi­a­mos na se­ri­e­da­de do inqué­ri­to e da in­ves­ti­ga­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co,” re­ma­tou. O mú­si­co An­sel­mo Ralph tam­bém se pro­nun­ci­ou so- bre o in­ci­den­te. “Foi uma fes­ta bo­ni­ta mas mar­ca­da com um acon­te­ci­men­to trá­gi­co. Só po­de­mos ima­gi­nar a dor das fa­mí­li­as en­lu­ta­das e la­men­ta­mos pe­lo ocor­ri­do. Eu, An­sel­mo Ralph e a fa­mí­lia Bom Som (pro­du­to­ra) en­de­re­ça­mos a es­tes fa­mi­li­a­res os nos­sos sin­ce­ros pê­sa­mes. A in­ten­ção de to­dos (pro­du­ção, ar­tis­tas) sem­pre foi de pre­sen­te­ar Ben­gue­la com uma gran­de fes­ta ines­que­cí­vel de for­ma po­si­ti­va e não ne­ga­ti­va co­mo ter­mi­nou”, dis­se. O con­cei­tu­a­do mú­si­ca de es­ti­lo R&B, ter­mi­nou a sua men­sa­gem di­zen­do: “La­men­ta­mos tu­do is­to Ben­gue­la, e pe­di­mos a Deus que con­so­le es­tas fa­mí­li­as. E pa­ra os que se en­con­tram ain­da hos­pi­ta­li­za­dos, rá­pi­das me­lho­ras”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.