OS FAC­TOS DA QUINZENA

Folha 8 - - OPINIÃO\ - MARCOLINO MOCO

1º Fac­to: V con­fe­rên­cia de Ad­vo­ga­dos no Lu­ban­go (2223/09/16) Um tan­to qu­an­to por cri­té­rio sub­jec­ti­vo, a re­a­li­za­ção da V Con­fe­rên­cia de Ad­vo­ga­dos, na mi­nha qua­li­da­de de mem­bro da clas­se, foi o fac­to do­mi­nan­te da quinzena. Ain­da mais qu­an­do re­a­li­za­da na fres­ca ca­pi­tal da Hui­la, a ci­da­de do Lu­ban­go, com to­dos os seus pi­to­res­cos íco­nes; des­de hu­ma­nos, gus­ta­ti­vos e na­tu­rais. Di­fe­ren­te­men­te da IV Con­fe­rên­cia de Ad­vo­ga­dos, que te­ve lu­gar no Hu­am­bo, em 2013, em que in­ter­vim, em pai­néis re­la­ci­o­na­dos com as nor­mas e vi­o­la­ções fla­gran­tes dos di­rei­tos fun­da­men­tais, au­sen­te por pe­río­dos pro­lon­ga­dos do país e cu­ri­o­so em aper­ce­ber-me da evo­lu­ção das coi­sas, no pen­sa­men­to dos pre­le­to­res e dos co­le­gas de pro­fis­são ao lon­go des­ses anos, li­mi­tei-me, des­ta vez, a ti­rar apon­ta­men­tos. Num pri­mei­ro apon­ta­men­to, ano­tei que na es­tru­tu­ra do pri­mei­ro painel, jus­ta­men­te a que tra­ta­va da ma­té­ria dos di­rei­tos fun­da­men­tais, área que mui­to me to­ca co­mo es­pe­ci­a­li­da­de pro­fis­si­o­nal e co­mo in­ter­ven­tor cí­vi­co-po­lí­ti­co que sou, ha­via al­go de po­si­ti­vo, a sa­ber, a pro­mo­ção de um de­ba­te con­tra­di­tó­rio. Ne­le pon­ti­fi­ca­vam, de for­ma po­si­ti­va, de um la­do, Luís Mo­ta Liz (ML), Pro­cu­ra­dor-ge­ral Ad­jun­to da Re­pú­bli­ca, co­mo de­fen­sor do “sis­te­ma”, in­sis­tin­do na ne­ces­si­da­de de “per­do­ar” o que con­si­de­ra ape­nas in­su­fi­ci­ên­ci­as, e, do ou­tro la­do, os do­cen­te uni­ver­si­tá­rio Fer­nan­do Ma­ce­do (FM) e o jor­na­lis­ta Re­gi­nal­do Silva (RS), in­con­for­ma­dos, de for­ma ge­ral, com as in­com­pa­ti­bi­li­da­des rei­te­ra­das das prá­ti­cas de agen­tes pú­bli­co-po­lí­ti­cos em re­la­ção aos dis­po­si­ti­vos de um pro­cla­ma­do Es­ta­do de­mo­crá­ti­co e de di­rei­to. Tu­do pa­re­cia ir ao en­con­tro de uma apa­ren­te mai­or ce­dên­cia do re­gi­me que por tan­tas ve­zes nem per­deu tem­po com sub­ti­le­zas, no sen­ti­do de con­tro­lar e di­tar as su­as “or­dens su­pe­ri­o­res” na área da Jus­ti­ça e do Di­rei­to. Ce­dên­cia que, aliás, se vai no­tan­do tam­bém na área do con­tra­di­tó­rio, na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, co­mo ali mes­mo o su­bli­nhou o sé­ni­or e ex­pe­ri­men­ta­do jor­na­lis­ta RG. Di­ria que a boa or­ga­ni­za­ção da Con­fe­rên­cia per­mi­tiu uma ex­ce­len­te dis­cus­são so­bre as ma­té­ri­as agen­da­das, abor­dan­do, con­tu­do, mui­to mais os as­pec­tos teó­ri­cos dos que os prá­ti­cos, que exis­tem em abun­dân­cia e em cur­so. Bas­ta lem­brar os ca­sos es­can­da­lo­sos do pro­ces­so 15+2 e as cor­ren­tes de­mo­li­ções de ca­sas de po­pu­la­ções de for­ma abu­si­va e so­bre­tu­do de­su­ma­na, com a par­ti­ci­pa­ção su­pe­ri­or­men­te ori­en­ta­da do exér­ci­to, ape­nas abor­da­dos “en pas­sant”, qu­an­do de­ve­ri­am me­re­cer uma aten­ção es­pe­ci­al, pa­ra per­mi­tir a au­di­ção da jus­ti­fi­ca­ção dos re­pre­sen­tan­tes da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca. Se hou­ve uma ob­ser­va­ção per­ti­nen­te, nes­te sen­ti­do, foi a do pre­lec­tor FM, ao cha­mar aten­ção que os ope­ra­do­res do Di­rei­to, es­pe­ci­al­men­te os ad­vo­ga­dos, não de­ve­ri­am con­ti­nu­ar a per­der a opor­tu­ni­da­de his­tó­ri­ca de pres­ta­rem a sua con­tri­bui­ção ac­ti­va pa­ra a cons­tru­ção de um ver­da­dei­ro Es­ta­do De­mo­crá­ti­co e de Di­rei­to. Es­cas­so o es­pa­ço e o tem­po, meus apon­ta­men­tos na Con­fe­rên­cia de­vem vo­ar pa­ra o quar­to e úl­ti­mo painel, on­de os ad­vo­ga­dos pre­sen­tes fo­ram pre­sen­te­a­dos com uma in­te­res­san­te pa­no­râ­mi­ca, tam­bém do ti­po con­tra­di­tó­rio, so­bre o ac­tu­al pen­sa­men­to an­go­la­no, em re­la­ção à ne­ces­si­da­de pre­men­te da “di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia”. Mi­nha no­ta: um re­cen­te tex­to meu, aqui, in­ti­tu­la­do “Do mo­no­pó­lio pe­tro­lí­fe­ro ao mo­no­pó­lio na di­ver­si­fi­ca­ção” foi per­fei­ta­men­te cor­ro­bo­ra­do. Par­ti­cu­lar­men­te, Jo­sé Severino, di­ri­gen­te as­so­ci­a­ti­vo no ra­mo em­pre­sa­ri­al que ac­tu­a­va co­mo pre­lec­tor, fa­lou da pe­ri­go­sa ape­tên­cia pe­los la­ti­fún­di­os (que, di­zia ele, cons­ti­tuí­ram o úl­ti­mo bu­ra­co em que co­lo­ni­a­lis­mo se en­ter­rou) em vez de se pri­o­ri­zar a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar do ti­po tra­di­ci­o­nal. Sem se­rem ci­ta­dos no­mes, fa­lou-se do pu­nha­do de en­di­nhei­ra­dos que in­ves­tem lá fo­ra, aos ma­go­tes, qu­an­do de­vi­am, ao me­nos, tra­zer pa­ra cá es­se di­nhei­ro, pa­ra aqui ser in­ves­ti­do, sem mais ques­ti­o­na­men­tos, pa­ra fa­zer cres­cer a eco­no­mia e o em­pre­go con­se­quen­te, en­tre os jo­vens; que o per­dem tam­bém pe­ran­te a “in­va­são” chi­ne­sa, que com as su­as re­co­nhe­ci­das van­ta­gens ti­nha de ser pro­fun­da­men­te ra­ci­o­na­li­za­da. Não fal­tou a alu­são à cons­tru­ção de es­tra­das des­car­tá­veis e obras gran­di­o­sas en­tre­gues, de ban­de­ja, a de­ter­mi­na­da gen­te (de fa­mí­lia, acres­cen­to eu) sem con­cur­sos pú­bli­cos, sem na­da. De tan­tas ir­re­gu­la­ri­da­des lem­bra­das, fi­quei a pen­sar no que se­ria An­go­la se se com­pa­ras­se o nos­so sis­te­ma ju­di­ci­al, es­te que blin­da lin­da­men­te os do Exe­cu­ti­vo, ao sis­te­ma ju­di­ci­al bra­si­lei­ro ou por­tu­guês, es­tes mes­mo que di­zem não que­re­rem me­ter-se na “nos­sa so­be­ra­nia”, mes­mo qu­an­do se sus­pei­ta de di­nhei­ros que por lá di­zem es­ta­rem a ser la­va­dos! 2º Fac­to: Co­mo de­fen­der as per­ver­si­da­des do Exe­cu­ti­vo nos mei­os pú­bli­cos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al Se o nos­so ju­di­ci­al só ser­ve pa­ra blin­dar o Exe­cu­ti­vo, se­gue-se o com­ple­men­to na co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Já no fim des­ta mi­nha quinzena de fac­tos, sur­pre­en­do-me, mais uma vez, com a agres­si­vi­da­de com se en­tre­vis­tam mem­bros da opo­si­ção ao ac­tu­al go­ver­no, em que os en­tre­vis­ta­do­res apa­re­cem co­mo por­ta­do­res de per­gun­tas en­co­men­da­das. É o que pu­de ob­ser­var na úl­ti­ma gran­de en­tre­vis­ta da TPA a Abel Chi­vu­ku­vu­ku, pre­si­den­te da co­li­ga­ção/par­ti­do CA­SAS-CE, que só com mui­to ta­len­to lá con­se­guiu, mais uma vez, fa­zer pas­sar al­gu­mas idei­as da­qui­lo pen­sa im­por­tan­te pa­ra ser fei­to no país. Não fal­ta­ram in­di­ca­ções cla­ras so­bre a ne­ces­si­da­de de Abel de­ver ter cui­da­do com as pa­la­vras, qu­an­do se re­fe­rir a Jo­sé Eduardo dos San­tos, co­mo se não tra­ta-se de seu ad­ver­sá­rio po­lí­ti­co. A li­ção a ti­rar des­se ti­po de ac­tu­a­ção de jor­na­lis­tas e co­men­ta­do­res fãs do Exe­cu­ti­vo, por von­ta­de pró­pria ou por in­du­ção “su­pe­ri­or” é que, os re­pre­sen­tan­tes da opo­si­ção, que an­tes não eram cha­ma­dos pa­ra o con­tra­di­tó­rio, aca­ba­rão, no no­vo for­ma­to, por aju­dar ado­çar o ros­to de um Exe­cu­ti­vo que, afi­nal, con­ti­nua au­to­ri­tá­rio e dis­cri­mi­na­tó­rio. 3º Fac­to: O úl­ti­mo Fo­rum TPA Con­fir­ma­ção do que aca­ba de ser di­to nos co­men­tá­ri­os ao fac­to an­te­ri­or. Aqui o co­men­ta­dor Be­lar­mi­no Van-Du­nem, ge­men­do em voz al­ta pe­las do­res do re­gi­me po­lí­ti­co an­go­la­no e de re­gi­mes cir­cun­vi­zi­nhos, não te­ve pei­as em de­fen­der, a pro­pó­si­to das res­pon­sa­bi­li­da­des de Ka­bi­la, no con­fli­to pré-elei­to­ral na vi­zi­nha RDC, que há ra­zões pa­ra que as­sim se­ja, por­que es­ta­mos em Áfri­ca. Por mais que um ex­pe­ri­men­ta­do his­to­ri­a­dor, presente no de­ba­te, se es­for­ças­se por de­mons­trar al­go que é ób­vio, que qua­se to­dos es­tes con­fli­tos de­ri­vam da in­ca­pa­ci­da­de de lí­de­res afri­ca­nos, agar­ra­dos ao po­der e pe­la ri­que­za, in­ca­pa­zes de dar um mí­ni­mo pas­so pa­ra com­pro­mis­sos à al­tu­ra da nos­sa di­ver­si­da­de ét­ni­co-re­gi­o­nal e cul­tu­ral, pa­ra Be­lar­mi­no, o ca­mi­nho a se­guir é pre­ser­var o sta­tu quo. Não acon­te­ça que che­fes, ho­je, vão ama­nhã pas­sar a fo­me ou fi­car sem ca­sa, ou pi­or, ir pa­rar pa­ra o TPI, pa­ra on­de po­dem ser re­me­ti­dos co­mo en­co­men­das. Mes­mo em Ca­bo Ver­de, ca­so far­ta­men­te re­fe­ri­do co­mo sen­do de su­ces­so, no des­pren­di­men­to em re­la­ção ao po­der ou na pro­ver­bi­al re­si­li­ên­cia de um mo­de­lo afri­ca­no de de­mo­cra­cia, no Se­ne­gal, o pro­fes­sor Be­lar­mi­no foi des­co­brir si­nais de pe­ri­go, qu­an­do se fa­zem ce­dên­ci­as, no seu mo­de­lo teó­ri­co em que não se con­ce­bem ins­ti­tui­ções in­de­pen­den­tes de quem de­tém po­der. Co­mo quem diz: com o po­der não se brin­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.