ÁFRI­CA (TAM­BÉM É) MI­NHA

Folha 8 - - DESTAQUE -

OPre­si­den­te an­go­la­no, nun­ca no­mi­nal­men­te elei­to e no po­der há 37 anos, pu­xou dos seus ga­lões e de­fen­deu que o diá­lo­go de­ve ser a via pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas po­lí­ti­cos que o con­ti­nen­te africano en­fren­ta, e não a pro­cu­ra de re­so­lu­ção no Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal (TPI). Dir-se-ia que, com a pers­pi­cá­cia de qu­em tra­ta a de­mo­cra­cia e o Es­ta­do de Di­rei­to abai­xo de cão, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos vê nas cos­tas dos ou­tros o que po­de­rá um dia des­tes pas­sar-se nas su­as. Ele sa­be que, nes­ta al­tu­ra, é con­si­de­ra­do um di­ta­dor… bom. No en­tan­to, tam­bém sa­be que quan­do – um dia des­tes – pas­sar a di­ta­dor… mau, po­de­rá ter de en­fren­tar coi­sas de­sa­gra­dá­veis. Coi­sas es­sas que, a ní­vel ex­ter­no, po­de­rão en­qua­drar-se no âm­bi­to do TPI e que, in­ter­na­men­te, po­dem en­qua­drar-se nos exem­plos de jus­ti­ça po­pu­lar que “jul­gou” Mu­am­mar Kadha­fi ou Ni­no Vi­ei­ra. Jo­sé Edu­ar­do dos Santos dis­cur­sa­va em Lu­an­da na VII reu­nião de al­to ní­vel do Me­ca­nis­mo Re­gi­o­nal de Su­per­vi­são do Acor­do-Qua­dro pa­ra a Paz, Se­gu­ran­ça e Co­o­pe­ra­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (Rd­con­go) e na Re­gião dos Gran­des Lagos. O che­fe de Es­ta­do an­go­la­no deu o exem­plo de An­go­la e da Áfri­ca do Sul, que “ape­sar das si­tu­a­ções dra­má­ti­cas que vi­ve­ram”, não pro­cu­ra­ram re­so­lu­ção no tri­bu­nal in­ter­na­ci­o­nal “pa­ra al­can­ça­rem a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal”. O exem­plo de An­go­la é, de fac­to, pa­ra­dig­má­ti­co. É pre­ci­so ter uma la­ta do ta­ma­nho de Áfri­ca pa­ra fa­lar de “re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal” no nos­so país. O que se pas­sou foi que o MPLA ga­nhou a guer­ra e, é cla­ro, a UNITA per­deu. Co­mo ven­ce­dor, o MPLA impôs as su­as con­di­ções e a UNITA acei­tou-as. Is­so não é “re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal”. É a sub­mis­são pu­ra e sim­ples do per­de­dor ao ven­ce­dor. “De­ve­mos man­ter as pontes de diá­lo­go cons­tru­ti­vo”, re­al­çou Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, sen­do que no ca­so do seu rei­no o que cha­ma de diá­lo­go é um me­ro mo­nó­lo­go. O seu re­gi­me de­ter­mi­na a sen­ten­ça e faz de­pois o jul­ga­men­to em con­for­mi­da­de. Ma­ta pri­mei­ro e in­ter­ro­ga de­pois. En­ten­de que, até pro­va em con­trá­rio, to­dos são… cul­pa­dos. So­bre a si­tu­a­ção na RD­Con­go, país co­lo­ni­za­do pe­lo re­gi­me an­go­la­no, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, que pre­si­de à Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Re­gião dos Gran­des Lagos, dis­se de­se­jar (o que é di­fe­ren­te de de­se­jar) que a cri­a­ção de um Go­ver­no de uni­da­de na­ci­o­nal e o pe­río­do de tran­si­ção que o país vi­zi­nho vai vi­ver até a re­a­li­za­ção de elei­ções em Abril de 2018, per­mi­ta pôr fim ao cli­ma de con­tes­ta­ção e de­ses­ta­bi­li- za­ção que tem rei­na­do nos úl­ti­mos tem­pos. Pa­ra os po­lí­ti­cos con­go­le­ses en­vol­vi­dos no con­fli­to, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos sa­li­en­tou que “é im­por­tan­te que sai­bam que só em paz e com es­ta­bi­li­da­de é pos­sí­vel le­var-se a cabo um pro­ces­so elei­to­ral sé­rio, ho­nes­to e cre­dí­vel, tan­to pa­ra o po­vo que vai vo­tar co­mo pa­ra a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal que vai tes­te­mu­nhar”. Es­ta te­se de Edu­ar­do dos Santos pro­va, ine­qui­vo­ca­men­te, a far­sa que se vi­ve em An­go­la. Se, co­mo afir­ma, “só em paz e com es­ta- bi­li­da­de é pos­sí­vel le­var-se a cabo um pro­ces­so elei­to­ral sé­rio, ho­nes­to e cre­dí­vel”, en­tão o nos­so país não es­tá em paz e nem tem es­ta­bi­li­da­de. É que, por cá, até hoje ne­nhum “pro­ces­so elei­to­ral foi sé­rio, ho­nes­to e cre­dí­vel”. “Pa­ra aque­les que que­rem chegar ao po­der é im­por­tan­te que sai­bam que o po­dem fa­zer de­mo­cra­ti­ca­men­te, res­pei­tan­do a lei e a von­ta­de so­be­ra­na dos elei­to­res e que va­le­rá a pe­na es­pe­rar mais al­guns me­ses pa­ra o fa­ze­rem em con­di­ções de se­gu­ran­ça e

De­ve­mos man­ter as pontes de diá­lo­go cons­tru­ti­vo”, re­al­çou Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, sen­do que no ca­so do seu rei­no o que cha­ma de diá­lo­go é um me­ro mo­nó­lo­go

tran­qui­li­da­de do que en­ve­re­da­rem por ca­mi­nhos in­cer­tos de vi­o­lên­cia, que se sa­be sem­pre co­mo e por que ra­zão co­me­çam, mas nun­ca quan­do ter­mi­nam”, su­bli­nhou o vi­ta­lí­cio mo­nar­ca an­go­la­no. De­mo­cra­ti­ca­men­te? Res­pei­tan­do a lei e a von­ta­de so­be­ra­na dos elei­to­res? On­de é que sua ma­jes­ta­de o rei en­con­tra exem­plos dis­so no seu rei­no? Jo­sé Edu­ar­do dos Santos de­ve­ria, no mí­ni­mo, abs­ter-se de nos pas­sar cons­tan­tes ates­ta­dos de me­no­ri­da­de in­te­lec­tu­al e de cres­cen­te ma­tum­bez. Já pa­ra os que as­pi­ram go­ver­nar, o che­fe de rei­no an­go­la­no re­fe­riu que “é im­por­tan­te que sai­bam que é sem­pre me­lhor e mais fá­cil fa­zê-lo em paz e com or­dem, do que as­su­mir o po­der nas con­di­ções de um país de­vas­ta­do”. Pois é. Ve­ja-se o ca­so de An­go­la. Paz e or­dem im­pos­ta pe­la for­ça di­ta­to­ri­al do re­gi­me e por um exér­ci­to dos mais po­de­ro­sos do con­ti­nen­te, am­bos ama­men­ta­dos so­le­ne­men­te pe­la cor­rup­ção. “Na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, o Go­ver­no, a opo­si­ção e a so­ci­e­da­de ci­vil não po­dem per­der de vis­ta o fac­to de que to­dos de­vem con­ju­gar es­for­ços na lu­ta con­tra as for­ças ne­ga­ti­vas e a ame­a­ça da ex­pan­são do ter­ro­ris­mo”, ape­lou Edu­ar­do dos Santos. Po­de­ria ter acres­cen­ta­do que, co­mo em An­go­la, “as for­ças ne­ga­ti­vas” e a “ame­a­ça da ex­pan­são do ter­ro­ris­mo” de­vem-se a to­dos aque­les que não são do… MPLA. O re­cen­te ataque ter­ro­ris­ta que so­freu o Qué­nia foi con­de­na­do “com ve­e­mên­cia” pe­lo pre­si­den­te de An­go­la, ape­lan­do a to­dos o reforço da vi­gi­lân­cia. “Os exem­plos a que hoje as­sis­ti­mos no mun­do, par­ti­cu­lar­men­te no Mé­dio Ori­en­te e em Áfri­ca, são mais elu­ci­da­ti­vos pa­ra qual­quer po­lí­ti­co cons­ci­en­te e ho­nes­to e qual­quer re­tó­ri­ca a es­se res­pei­to. É tam­bém por es­sa ra­zão que te­mos ape­la­do sem­pre ao reforço do cum­pri­men­to ri­go­ro­sos do prin­cí­pio do não re­co­nhe­ci­men­to pe­la União Afri­ca­na dos po­de­res es­ta­be­le­ci­dos pe­la via ile­gal e atra­vés de mé­to­dos an­ti­cons­ti­tu­ci­o­nais”, des­ta­cou. Po­de­res es­ta­be­le­ci­dos pe­la via ile­gal e atra­vés de mé­to­dos an­ti­cons­ti­tu­ci­o­nais? Eis o fi­el re­tra­to de An­go­la. O MPLA es­tá no po­der des­de 1975 por­que le­ga­li­zou os mé­to­dos an­ti­cons­ti­tu­ci­o­nais des­de que, no­te-se, pra­ti­ca­dos pe­los seus acó­li­tos. Edu­ar­do dos Santos acres­cen­tou que “a ob­ser­vân­cia da lei e o es­tri­to res­pei­to pe­la or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal es­ta­be­le­ci­da são o me­lhor cri­té­rio da ver­da­de pa­ra di­ri­mir an­ta­go­nis­mos que se afi­gu­ram apa­ren­te­men­te ir­re­con­ci­liá­veis”, rei­te­ran­do a es­co­lha pe­lo diá­lo­go “que pre­ser­ve e sus­ci­te a sen­sa­tez, que con­du­za a po­si­ções ra­zoá­veis e a con­sen­so e afas­te o ex­tre­mis­mo”. Mais do mes­mo pa­ra ma­tum­bos ou­vi­rem. E co­mo es­ses ma­tum­bos afri­ca­nos não têm al­ter­na­ti­va, lá te­rão de se cur­var pe­ran­te o po­de­rio bé­li­co de Edu­ar­do dos Santos, bei­jan­do-lhe a mão e acei­tan­do es­tar no po­der pa­ra cum­prir tu­do o que o rei de An­go­la man­da. Até um dia, é cla­ro. Jo­sé Edu­ar­do dos Santos ma­ni­fes­tou a con­ti­nui­da­de do em­pe­nho de An­go­la nos es­for­ços pa­ra a ma­nu­ten­ção da paz e es­ta­bi­li­da­de na Áfri­ca cen­tral e na re­gião dos Gran­des Lagos, ga­ran­tin­do que se re­for­ce o cli­ma de boa vi­zi­nhan­ça e de co­o­pe­ra­ção en­tre os paí­ses des­sas sub-re­giões. Pa­ra is­so bas­ta que com­pre­en­dam que ele é o mais al­to re­pre­sen­tan­te de Deus na ter­ra. Es­ta reu­nião que Lu­an­da aco­lheu é uma co-or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das e União Afri­ca­na, pa­ra a aná­li­se na Rd­con­go e ou­tros paí­ses da re­gião, de­pois das reu­niões que fo­ram re­a­li­za­das em Adis Abe­ba, No­va Ior­que em anos an­te­ri­o­res.

MU­AM­MAR KADHA­FI

NI­NO VI­EI­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.