CPLP

Folha 8 - - DESTAQUE -

Oe­le­fan­te bran­co que dá pe­lo pom­po­so no­me de CPLP (Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de “Lín­gua” Por­tu­gue­sa) de­ve­rá de­fi­nir, na pró­xi­ma se­ma­na, as es­tra­té­gi­as pa­ra o fu­tu­ro, nu­ma ci­mei­ra que ser­vi­rá tam­bém pa­ra ana­li­sar o cum­pri­men­to dos com­pro­mis­sos da Gui­né Equa­to­ri­al, que ade­riu há dois anos. De­ve­rá tam­bém mu­dar a cor do… ele­fan­te. A XI con­fe­rên­cia de che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CPLP de­cor­re nos di­as 31 de Ou­tu­bro e 1 de No­vem­bro em Bra­sí­lia, Bra­sil, país que as­su­me a pre­si­dên­cia da or­ga­ni­za­ção, su­ce­den­do a Ti­mor-Les­te.no ano em que a CPLP co­me­mo­ra 20 anos de (in)exis­tên­cia, o ponto prin­ci­pal da agen­da da ci­mei­ra é a apro­va­ção da no­va (co­mo se al­gu­ma vez ti­ves­se ti­do al­gu­ma) vi­são es­tra­té­gi­ca, que de­fi­ne as ori­en­ta­ções pa­ra a CPLP pa­ra a pró­xi­ma dé­ca­da.“o Con­se­lho de Mi­nis­tros rei­te­rou a im­por­tân­cia da No­va Vi­são Es­tra­té­gi­ca da CPLP na afir­ma­ção da or­ga­ni­za­ção na are­na in­ter­na­ci­o­nal, ao do­tar a co­mu­ni­da­de de uma po­si­ção co­mum que fa­vo­re­ça o alar­ga­men­to das su­as ac­ti­vi­da­des, a va­lo­ri­za­ção das su­as po­ten­ci­a­li­da­des e uma par­ti­ci­pa­ção, mais efec­ti­va, da CPLP no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to dos Es­ta­dos-mem­bros, pro­mo­ven­do e de­fen­den­do os prin­cí­pi­os e va­lo­res uni­ver­sais da de­mo­cra­cia e dos di­rei­tos hu­ma­nos no es­pa­ço da CPLP”, lê-se no co­mu­ni­ca­do fi­nal da reu­nião de che­fes da di­plo­ma­cia dos no­ve mem­bros, re­a­li­za­da em Mar­ço, que re­co­men­dou a apro­va­ção da no­va vi­são. Durante a reu­nião de che­fes de Es­ta­do, os paí­ses de­ve­rão ana­li­sar o cum­pri­men­to dos com­pro­mis­sos pe­lo di­ta­dor que é do­no da Gui­né Equa­to­ri­al, que en­trou pa­ra a CPLP há dois anos co­mo mem­bro de ple­no di­rei­to, em Dí­li, no­me­a­da­men­te a abo­li­ção da pe­na de mor­te e a in­tro­du­ção da lín­gua por­tu­gue­sa, de­cla­ra­da co­mo ter­cei­ra lín­gua ofi­ci­al do país, ao la­do do es­pa­nhol e do fran­cês. Ou­tra ques­tão que es­ta­va pen­den­te era a ra­ti­fi­ca­ção dos es­ta­tu­tos da co­mu­ni­da­de pe­las au­to­ri­da­des de Ma­la­bo. Na se­ma­na pas­sa­da, o re­pre­sen­tan­te da mis­são per­ma­nen­te da Gui­né Equa­to­ri­al jun­to da CPLP anun­ci­ou que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal ra­ti­fi­cou os es­ta­tu­tos. Os go­ver­nan­tes e che­fes de Es­ta­do po­de­rão, tam­bém, abor­dar a si­tu­a­ção da Gui­né-bis­sau, on­de foi al­can­ça­do um acor­do pa­ra no­me­ar um pri­mei­ro-mi- Co­mo é de es­pe­rar em qual­quer or­ga­ni­za­ção que exis­te pa­ra dar em­pre­go a ami­gos e fin­gir que faz, os che­fes da di­plo­ma­cia da CPLP ava­li­a­ram po­si­ti­va­men­te a ade­são da Gui­né Equa­to­ri­al, con­si­de­ran­do que tem ha­vi­do pro­gres­sos, in­clu­si­ve no com­ple­xo dos­si­er do en­si­no do por­tu­guês, ape­sar de pre­ten- nis­tro de con­sen­so, pa­ra su­pe­rar o im­pas­se po­lí­ti­co no país. Durante a ci­mei­ra de­ve­rá ser in­di­ca­da a pró­xi­ma se­cre­tá­ria-exe­cu­ti­va da or­ga­ni­za­ção, a são-to­men­se Ma­ria do Carmo Sil­vei­ra, que ini­ci­a­rá em 2017 um man­da­to de dois anos, após o qu­al ca­be­rá a Por­tu­gal in­di­car o no­me se­guin­te. A in­di­ca­ção do su­ces­sor do mo­çam­bi­ca­no Mu­ra­de Mu­rargy, que vai con­cluir o se­gun­do man­da­to de dois anos, sur­giu por pro­pos­ta de Por­tu­gal, que ce­deu a sua vez a São To­mé e Prín­ci­pe pa­ra evi­tar que os paí­ses afri­ca­nos não te­nham uma po­si­ção de res­pon­sa­bi­li­da­de (pre­si­dên­cia ou se­cre­ta­ri­a­do-exe­cu­ti­vo) en­tre 2017 e 2018. O acor­do pre­vê que, no fi­nal dos dois anos, São To­mé e Prín­ci­pe ab­di­que de­rem mais en­vol­vi­men­to da­que­le país na or­ga­ni­za­ção. O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res an­go­la­no, Ge­or­ges Chi­ko­ti, faz uma ava­li­a­ção po­si­ti­va da ade­são e la­men­ta que a Gui­né Equa­to­ri­al não te­nha par­ti­ci­pa­do mui­to ac­ti­va­men­te nas reu­niões mi­nis­te­ri­ais“É bom que a Gui­né Equa­to­ri­al ti­re pro­vei­to e pos­sa mos­trar o que a traz à or­ga­ni­za­ção”, dis­se, con­si­de­ran­do que “a ques­tão do en­si­no do por­tu­guês é mui­to mais im­por­tan­te” do que o de­ba­te so­bre trans­for­mar a mo­ra­tó­ria so­bre a pe­na de mor­te nu­ma le­gis­la­ção de­fi­ni­ti­va. Cla­ro, cla­ro. Mor­rer em por­tu­guês é sem­pre me­lhor do que mor­rer em cas­te­lha­no. A CPLP, so­bre­tu­do de­vi­do ao in­cre­men­to (ou se­rá ex­cre­men­to?) da­do pe­la Gui­né Equa­to­ri­al, tem es­ta­do na ri­bal­ta. Faz ago­ra 20 anos mas não pas­sou, ape­sar da ida­de, de um na­do-mor­to. Se­gun­do o sau­do­so Vas­co Gra­ça Mou­ra, na al­tu­ra pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Fun­da­ção Cen­tro Cul­tu­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.