MUDARÁ DE COR?

Folha 8 - - DESTAQUE -

da prá­ti­ca ha­bi­tu­al de re­no­var o man­da­to e que se­ja en­tão Por­tu­gal a as­su­mir a po­si­ção. A de­ci­são sur­giu em Mar­ço, durante o Con­se­lho de Mi­nis­tros da CPLP, em Lis­boa, de­pois de al­guns Es­ta­dos-mem­bros, em par­ti­cu­lar An­go­la, te­rem ale­ga­do um “acor­do de ca­va­lhei­ros” (do qu­al a mai­o­ria não tem memória) se­gun­do o qu­al o país que aco­lhe a se­de da or­ga­ni­za­ção — Por­tu­gal – não ocu­pa o car­go de se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo. De­ve­rá ser ain­da apro­va­da a en­tra­da de cin­co no­vos paí­ses co­mo ob­ser­va­do­res as­so­ci­a­dos: Re­pú­bli­ca Che­ca, Es­lo­vá­quia, Hungria, Cos­ta do Mar­fim e Uru­guai. A ci­mei­ra mar­ca­rá tam­bém o iní­cio da pre­si­dên­cia da CPLP pe­lo Bra­sil, su­ce­den­do a Ti­mor-les­te. Na ce­le­bra­ção dos 20 anos da or­ga­ni­za­ção, em Ju­lho pas­sa­do, o en­tão Pre­si­den­te in­te­ri­no do Bra­sil, Mi­chel Te­mer, su­bli­nhou o “com­pro­mis­so inequí­vo­co” e “de pri­mei­ra ho­ra” do seu país com a CPLP. Tra­di­ci­o­nal­men­te, as ci­mei­ras re­a­li­zam-se em Ju­lho — pa­ra as­si­na­lar a da­ta de fun­da­ção da CPLP, a 17 de Ju­lho de 1996 -, mas o Bra­sil re­me­teu a con­fe­rên­cia pa­ra No­vem­bro, da­da a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca in­ter­na, em ple­no pro­ces­so de des­ti­tui­ção da an­te­ri­or Pre­si­den­te bra­si­lei­ra, Dil­ma Rous­seff. “A CPLP de­ve ser não um blo­co eco­nó­mi­co mas um blo­co com in­ter­ven­ção eco­nó­mi­ca. É um blo­co es­sen­ci­al­men­te po­lí­ti­co e di­plo­má­ti­co mas com in­ter­ven­ção eco­nó­mi­ca”, dis­se em Dí­li, Ti­mor-Les­te, em Ju­lho de 2015, o em­bai­xa­dor Mu­ra­de Isa­ac Mu­rargy. Co­mo exem­plo das me­di­das que po­dem ser pos­tas em prá­ti­ca, Mu­ra­de Isa­ac Mu­rargy re­fe­riu a “cri­a­ção de um ban­co de in­ves­ti­men­to, uma agên­cia mul­ti­la­te­ral de in­ves­ti­men­tos, que pos­sa per­mi­tir um apoio as em­pre­sas”. “Cri­ar uma ins­ti­tui­ção des­sa na­tu­re­za ao ní­vel da CPLP em que to­dos os Es­ta­dos-mem­bros, os paí­ses, os ban­cos, se­jam ac­ci­o­nis­tas des­se ban­co, e on­de po­dem en­trar o Ban­co Asiá­ti­co de De­sen­vol­vi­men­to (BAD) ou ou­tros. Al­go que per­mi­ta co­la­bo­rar com as em­pre­sas que quei­ram in­ter­vir nas nos­sas áre­as”, des­ta­cou. No que to­ca à vi­são es­tra­té­gi­ca, Mu­ra­de Isa­ac Mu­rargy dis­se que de­ve ter “uma com­po­nen­te mais po­lí­ti­ca, mais eco­nó­mi­ca e em­pre­sa­ri­al”, pro­cu­ran­do ou­vir não ape­nas as opi­niões dos Es­ta­dos-mem­bros mas tam­bém a so­ci­e­da­de ci­vil, o mun­do em­pre­sa­ri­al e os aca­dé­mi­cos. “Uma vi­são abran­gen­te em que o ci­da­dão da CPLP se sin­ta tam­bém en­vol­vi­do no fu­tu­ro da CPLP”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.