PGR EN­VOL­VI­DO EM

Folha 8 - - DESTAQUE - POR RA­FA­EL MAR­QUES DE MO­RAIS

Opro­cu­ra­dor- ge­ral da Re­pú­bli­ca de An­go­la, ge­ne­ral João Ma­ria Mo­rei­ra de Sou­sa, é con­ces­si­o­ná­rio de uma par­ce­la de ter­re­no de três hec­ta­res pa­ra a cons­tru­ção de um con­do­mí­nio re­si­den­ci­al com vis­ta pa­ra o mar, no mu­ni­cí­pio do Por­to-Am­boim, pro­vín­cia do Kwan­za-sul. É cer­to que, pro­va­vel­men­te, a cri­se eco­nó­mi­ca vai pôr na ga­ve­ta os pla­nos imo­bi­liá­ri­os do PGR, mas is­so não in­va­li­da que se le­van­tem ques­tões fun­da­men­tais acer­ca da pro­bi­da­de do prin­ci­pal ma­gis­tra­do res­pon­sá­vel pe­lo ze­lo da le­ga­li­da­de no país. A 25 de Maio de 2011, con­for­me do­cu­men­tos em posse do Ma­ka An­go­la, o ge­ne­ral João Ma­ria Mo­rei­ra de Sou­sa as­si­nou, na qua­li­da­de de su­per­fi­ciá­rio, o con­tra­to de con­ces­são do di­rei­to de su­per­fí­cie do re­fe­ri­do ter­re­no, na lo­ca­li­da­de de Tan­go, sob o pro­ces­so nº 144-K/11: “Uma par­ce­la de ter­re­no ru­ral, com a área de 3HA (hec­ta­res), pa­ra a cons­tru­ção de um con­do­mí­nio, no lu­gar de­no­mi­na­do Tan­go, co­mu­na se­de, mu­ni­cí­pio do Por­to-am­boim (…).” O ter­re­no si­tua-se jun­to ao Ho­tel Di­a­mond, à en­tra­da da vi­la do Por­to-Am­boim. O pro­cu­ra­dor-ge­ral te­ve de pa­gar ape­nas 600 mil kwan­zas pe­lo ter­re­no, por­que es­te foi con­si­de­ra­do ru­ral, ain­da que se des­ti­nas­se a uso ur­ba­no. A 10 de Ou­tu­bro, o Ma­ka An­go­la en­vi­ou ao ge­ne­ral João Ma­ria de Sou­sa 13 per­gun­tas, pa­ra que ele se pro­nun­ci­as­se so­bre o ne­gó­cio do con­do­mí­nio que pre­ten­de cons­truir no Kwan­za-sul e so­bre a for­ma co­mo ob­te­ve di- rec­ta­men­te o ter­re­no, durante o exer­cí­cio do car­go de PGR. O ma­gis­tra­do ig­no­rou a cor­res­pon­dên­cia que re­ce­beu, e não res­pon­deu. O Ma­ka An­go­la pu­bli­ca ago­ra, no fi­nal des­te tex­to, as re­fe­ri­das ques­tões. A Cons­ti­tui­ção atri­bui à PGR a re­pre­sen­ta­ção do Es­ta­do no exer­cí­cio da ac­ção pe­nal, da de­fe­sa dos di­rei­tos pes­so­ais e da de­fe­sa da le­ga­li­da­de. A mes­ma Cons­ti­tui­ção re­fe­re que o car­go de PGR é in­com­pa­tí­vel com o exer­cí­cio de ou­tras ac­ti­vi­da­des. Se­gun­do o ana­lis­ta ju­rí­di­co do Ma­ka An­go­la, Rui Ver­de, o que es­tá em cau­sa é a vi­o­la­ção do “prin­cí­pio da de­di­ca­ção ex­clu­si­va” es­ta­be­le­ci­do pe­la Cons­ti­tui­ção. Es­se prin­cí­pio im­pe­de que os ma­gis­tra­dos ju­di­ci­ais e do Mi­nis­té­rio pú­bli­co exer­çam ou­tras fun­ções pú­bli­cas ou pri­va­das, ex­cep­to as de do­cên­cia e de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca de na­tu­re­za ju­rí­di­ca. “A lei é mui­to cla­ra: qual­quer ac­ti­vi­da­de de na­tu­re­za pri­va­da es­tá ve­da­da ao PGR. Ape­nas se au­to­ri­za o en­si­no e a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, des­de que não afec­tem o ser­vi­ço, o que aliás nem se­rá con­ce­bí­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.