AOS FIS­CAIS DOS PAR­TI­DOS PO­LÍ­TI­COS

PROÍ­BE FOR­NE­CI­MEN­TO DE DA­DOS DO RE­GIS­TO ELEI­TO­RAL

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE PEDROWSKI TECA

Omi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa, emi­tiu a 8 de Se­tem­bro des­te ano, a Cir­cu­lar n.º 3210.00.01, que proí­be os bri­ga­dis­tas de for­ne­cer da­dos do Re­gis­to Elei­to­ral aos fis­cais dos par­ti­dos po­lí­ti­cos. As­sim sen­do, Bor­ni­to de Sou­sa vi­o­la o ar­ti­go 60.º da Lei do Re­gis­to Elei­to­ral, que con­fe­re aos fis­cais o di­rei­to de “ob­ter in­for­ma­ções so­bre os ac­tos de re­gis­to pre­sen­ci­al e so­bre o seu pro­gres­so”. A acu­sa­ção foi fei­ta no 26.10, pe­lo pre­si­den­te da UNITA, Isaías Samakuva, que re­a­li­zou um ba­lan­ço, que ca­rac­te­ri­zou co­mo “al­ta­men­te ne­ga­ti­vo”, so­bre os 60 di­as des­de o iní­cio do pro­ces­so de Re­gis­to Elei­to­ral.“nos pri­mei­ros di­as, com ba­se nes­se di­rei­to, os fis­cais so­li­ci­ta­vam e as bri­ga­das for­ne­ci­am o nú­me­ro de re­gis­tos efec­tu­a­dos em ca­da dia”, dis­se Samakuva em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, on­de fez uma ava­li­a­ção do de­sem­pe­nho dos ór­gãos en­vol­vi­dos na or­ga­ni­za­ção, exe­cu­ção, fis­ca­li­za­ção e su­per­vi­são do re­gis­to pre­sen­ci­al. O lí­der da UNITA ex­pli­cou que a fis­ca­li­za­ção dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, tal co­mo es­tá con­ce­bi­da, é mais uma ob­ser­va­ção for­mal e es­tá li­mi­ta­da aos ac­tos de re­co­lha de da­dos. A fis­ca­li­za­ção dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, dis­se Isaías Samakuva, “não im­pe­de os ac­tos de re­co­lha co­er­ci­va de car­tões de elei­tor, nem a obs­tru­ção do di­rei­to de re­gis­to, nem ou­tros ilí­ci­tos do re­gis­to elei­to­ral, pra­ti­ca­dos fo­ra dos lo­cais de re­gis­to e pre­vis­tos no ar­ti­go 39.º da Lei n.º 8/15”. Samakuva afir­mou que de igual mo­do, a fis­ca­li­za­ção não abran­ge o tra­ta­men­to da in­for­ma­ção re­co­lhi­da pe­lo Exe­cu­ti­vo nem in­ci­de so­bre os pro­gra­mas in­for­má­ti­cos que o Exe­cu­ti­vo uti­li­za na pro­du­ção das ba­ses de da­dos. “Por­tan­to, os par­ti­dos po­lí­ti­cos não têm po­de­res de ve­ri­fi­ca­ção ou de au­di­to­ria dos fi­chei­ros que o exe­cu­ti­vo pro­duz nem po­de­res de pre­ve­nir ou de­tec­tar cri­mes elei­to­rais com os da­dos que re­co­lhe”, dis­se. Se­gun­do o Se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os As­sun­tos Ins­ti­tu­ci­o­nais do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Adão de Al­mei­da, no dia 22 de Ou­tu­bro, o MAT in­cre­men­tou mai­or di­nâ­mi­ca no pro­ces­so do Re­gis­to Elei­to­ral, que co­me­çou com mil ope­ra­do­res no pri­mei­ro mo­men­to, mas que pos­te­ri­or­men­te as­cen­deu 4500 ope­ra­do­res, atin­gin­do a ple­ni­tu­de da ca­pa­ci­da­de pre­co­ni­za­da. “A ní­vel na­ci­o­nal, os in­di­ca­do­res con­ti­nu­am po­si­ti­vos, es­ta­mos nu­ma di­men­são de mo­bi­li­za­ção cres­cen­te, te­mos o ple­no da nos­sa ca­pa­ci­da­de cri­a­da, 4500 ope­ra­do­res dis­po­ní­veis em todo país, ní­veis de pro­du­ti­vi­da­de cres­cen­tes e te­mos ago­ra até 20 de De­zem­bro apro­xi­ma­da­men­te 60 di­as de tra­ba­lho in­ten­so, on­de va­mos que­rer fa­zer mais do que se fez até ago­ra”, dis­se. Adão de Al­mei­da dis­se tam­bém que es­tes nú­me- À Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral ( CNE) não foi atri­buí­da re­cur­sos pa­ra fis­ca­li­za­ção do pro­ces­so do Re­gis­to Elei­to­ral, que es­tá a ser re­a­li­za­do pe­lo Exe­cu­ti­vo atra­vés do seu mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio. A afir­ma­ção tam­bém foi fei­ta pe­lo pre­si­den­te da UNITA, que ca­rac­te­ri­zou a CNE, em com­pa­ra­ção com os fis­cais dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, co­mo a en­ti­da­de ros ele­vam a ca­pa­ci­da­de de mo­bi­li­da­de e de dis­per­são dos pos­tos, as­sim co­mo são mais cres­cen­tes os ní­veis de pro­du­ti­vi­da­de. su­per­vi­so­ra que “pode ter po­de­res de fis­ca­li­za­ção mais am­plos so­bre o pro­ces­so todo de re­gis­to”. “Mas sa­ben­do dis­so, o Exe­cu­ti­vo não atri­buiu re­cur­sos pa­ra a CNE fa­zer o seu tra­ba­lho. Ao in­vés de di­zer is­so aos ci­da­dãos, ou­vi­mos o Se­nhor Pre­si­den­te da CNE (An­dré da Silva Ne­to) vir a pú­bli­co cri­ti­car os par­ti­dos po­lí­ti­cos por não es­ta­rem pre­sen­tes nos pos­tos de re­co­lha de da- dos, es­que­cen­do-se que a fis­ca­li­za­ção pe­los par­ti­dos po­lí­ti­cos não é uma obri­ga­ção, é uma fa­cul­da­de. Es­que­ceu-se ain­da o se­nhor Pre­si­den­te da CNE que a en­ti­da­de su­per­vi­si­o­na­da pe­la CNE é o Exe­cu­ti­vo, que é a en­ti­da­de re­gis­ta­do­ra, e não os par­ti­dos po­lí­ti­cos”, dis­se Samakuva. A UNITA de­fen­de que o pre­si­den­te da CNE “sa­be mui­to bem que a fis­ca­li­za­ção dos ac­tos de re­co­lha de da­dos é uma go­ta qua­se in­sig­ni­fi­can­te no pro­ces­so de con­tro­lo do pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral. Sa­be ou de­via sa­ber que as gran­des in­frac­ções à lei do re­gis­to elei­to­ral são co­me­ti­das por agen­tes do par­ti­do-es­ta­do, fo­ra dos lo­cais de re­gis­to, e, por is­so, es­ca­pam à fis­ca­li­za­ção for­mal dos par­ti­dos po­lí­ti­cos. Mas não es­ca­pa ao con­tro­lo e à vi­gi­lân­cia do po­vo elei­tor”. Samakuva es­cla­re­ceu que a Lei man­da a CNE, en­quan­to su­per­vi­so­ra do re­gis­to elei­to­ral, co­nhe­cer e par­ti­ci­par as in­frac­ções ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. “Já se pas­sa­ram 60 di­as e já se ob­ser­va­ram de­ze­nas de in­frac­ções, mas, pe­lo que sa­be­mos, a CNE ain­da não fez ne­nhu­ma par­ti­ci­pa­ção ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”, acu­sou. O lí­der da UNITA exi­giu o ces­sar de ac­tos que cha­mou de “cri­mes elei­to­rais”, acu­san­do que são “con­ce­bi­dos, or­de­na­dos ou pra­ti­ca­dos com do­lo por ti­tu­la­res de car­gos pú­bli­cos e di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos, de­sig­na­da­men­te o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, o Mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e di­ri­gen­tes lo­cais do Es­ta­do e do Par­ti­do MPLA”. “Os cri­mes, to­dos eles do­cu­men­ta­dos, es­tão pre­vis­tos e são pu­ní­veis nos ter­mos do ar­ti­go 39.º da Lei do Re­gis­to Elei­to­ral Ofi­ci­o­so (Lei n,º 8/15, de 15 de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.