NANDÓ

Folha 8 - - POLÍTICA -

Opre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Fernando da Pi­e­da­de Di­as dos Santos, afir­mou, em Genebra, Suí­ça, que cons­ti­tui pa­ra An­go­la gran­de pre­o­cu­pa­ção os re­la­tos de ca­sos de in­ti­mi­da­ção e re­pre­sá­li­as con­tra os de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos. Tu­do le­va a crer que o re­gi­me de sua ma­jes­ta­de o rei de An­go­la, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, pre­ten­de ser ga­lar­do­a­do ain­da es­te ano com o pré­mio mun­di­al, ou pe­lo me­nos eu­ro­peu, da me­lhor ane­do­ta ma­ca­bra. Com que en­tão, An­go­la pre­o­cu­pa-se com os ca­sos de in­ti­mi­da­ção e re­pre­sá­li­as con­tra os de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos? Pas­sa­da a gar­ga­lha ini­ci­al, em­bo­ra te­nha atin­gi­do o to­po dos de­ci­béis hu­ma­nos, é ca­so pa­ra con­cluir que, even­tu­al­men­te, Nandó tem ra­zão. Is­to por­que, em An­go­la, os de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos não de­vem, se­gun­do o re­gi­me, so­frer re­pre­sá­li­as. De­vem, is­so sim, con­tri­buir pa­ra a ca­deia ali­men­tar dos ja­ca­rés do Ben­go. É is­so, não é Sr. Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal… do MPLA? Fernando da Pi­e­da­de Di­as dos Santos fez es­ta afir­ma­ção quan­do in­ter­vi­nha na 135ª As­sem­bleia-ge­ral da União In­ter-par­la­men­to (UIP), de­fen­den­do que ca­be aos par­la­men­ta­res es­ta­be­le­cer uma cla­ra dis­tin­ção (se ti­ve­rem dú­vi­das bas­ta con­sul­tar o ma­nu­al do MPLA) en­tre de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos e ac­ti­vis­tas po­lí­ti­cos que, na sua mai­o­ria, são de­ten­to­res de uma agen­da e in­te­res­ses pró­pri­os e bem de­fi­ni­dos. É ver­da­de. Ver­da­dei­ros de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos no rei­no de Jo­sé Edu­ar­do dos Santos são ape­nas e só os que têm car­tão do MPLA e que, pa­ra is­so, es­te­jam man­da­ta­dos pe­lo rei. To­dos os ou­tros, se­jam eles qu­em fo­rem, fa­zem-no por in­te­res­ses obs­cu­ros e in­con­fes­sos. Aliás, co­mo se sa­be, são es­ses ou­tros os res­pon­sá­veis por An­go­la ser um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do e, ain­da, por ser o país do mun­do com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til. Fernando da Pi­e­da­de Di­as dos Santos su­bli­nha, de acor­do com as su­pe­ri­o­res ori­en­ta­ções de sua ma­jes­ta­de, a ne­ces­si­da­de da in- ver­são des­te qua­dro som­brio que, na sua opi­nião, po­de­rá pas­sar por uma mu­dan­ça das dis­po­si­ções le­gais, de mo­do a tor­ná-las com­pa­tí­veis com as nor­mas de di­rei­tos hu­ma­nos apli­cá­veis, bem co­mo atra­vés da fis­ca­li­za­ção ex­ten­si­va das re­gras e dos re­gu­la­men­tos de di­rei­tos hu­ma­nos. A pro­pa­gan­da agradece. Nandó não dá ponto sem nó. Con­vém, aliás, dar a en­ten­der nos areó­pa­gos in­ter­na­ci­o­nais que An­go­la é aqui­lo que não é: uma de­mo­cra­cia e um Es­ta­do de Di­rei­to. Qu­em não acre­di­tar bas­ta di­zer. O re­gi­me

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.