ACU­SA O DE TER­RO­RIS­MO NO HU­AM­BO

Folha 8 - - POLÍTICA -

OGa­lo Ne­gro no Hu­am­bo acu­sou, mais uma vez, o re­gi­me MPLA/ Edu­ar­do dos Santos de con­ti­nu­ar na sen­da da po­lí­ti­ca de in­to­le­rân­cia, ma­te­ri­a­li­za­da pe­los “es­qua­drões da mor­te”, es­pe­ci­a­li­za­dos na eli­mi­na­ção fí­si­ca dos mem­bros da opo­si­ção, bem co­mo a des­trui­ção ma­te­ri­al dos seus bens, ac­tos con­trá­ri­os a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal e a con­so­li­da­ção da to­le­rân­cia e paz so­ci­al, tão apre­go­a­dos, tam­bém, nos dis­cur­sos ofi­ci­ais . Is­so por “um gru­po de 12 in­di­ví­du­os de­vi­da­men­te iden­ti­fi­ca­dos e en­qua­dra­dos na Or­ga­ni­za­ção de De­fe­sa Ci­vil (ODC), no Sec­tor de Ku­ke­ta, Mu­ni­cí­pio do Lon­duim­ba­li des­truí­ram por vol­ta das 09ho­ras do dia 20 de Ou­tu­bro de 2016, a Se­de Sec­to­ri­al da UNITA e 10 (dez) ha­bi­ta­ções de mem­bros da UNITA re­si­den­tes na lo­ca­li­da­de”. Es­te tre­cho da de­nún­cia con­fi­gu­ra a exis­tên­cia de mais uma for­ça mi­li­tar ile­gal do MPLA, ar­ma­da, pe­lo re­gi­me, que age a mar­gem da lei e com a mâ­xi­ma im­pu­ni­da­de. “Is­so é um sé­rio gol­pe a pseu­do de­mo­cra­cia que te­mos e o par­ti­do no po­der apre­sen­ta co­mo bandeira, por­quan­to, afi­nal, hoje, por hoje, o MPLA é o úni­co par­ti­do que tem o con­tro­lo de três exér­ci­tos, sen­do que um é do par­ti­do, a ODC e a em­pre­sa de se­gu­ran­ça pri­va­da So­cor­ro, ou­tro a UGP e USP, am­bos ex­clu­si­vos do ci­da­dão Edu­ar­do dos Santos e as FAA apre­sen­ta­do co­mo sen­do re­pu­bli­ca­no, mas que é todo con­tro­la­do pe­lo MPLA”, dis­se ao F8, o ju­ris­ta Ma­nu­el Ndem­bo Pa­kis­se. Pa­ra Agos­ti­nho Chi­caya, ho­mem for­te da UNITA no Pla­nal­to Cen­tral “a ac­ção dos mi­li­tan­tes ra­di­cais do Re­gi­me foi fei­ta no mes­mo dia em que a Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Lon­duim­ba­li res­pon­deu à no­ta do Se­cre­ta­ri­a­do do Co­mi­té Mu­ni­ci­pal da UNITA no Lon­duim­ba­li, de 17 de Ou­tu­bro de 2016, que in­for­ma­va a re­a­li­za­ção de um ac­to po­lí­ti­co no Sec­tor da Ku­ke­ta pe­la JU­RA”. Aqui che­ga­dos te­mos de os Kwa­chas te­rem da­do la­ti­tu­de a cons­ti­tui­ção, no­me­a­da­men­te o art.º 47.º (Di­rei­to de reu­nião e ma­ni­fes­ta­ção), que não ca­re­ce de au­to­ri­za­ção da par­te dos ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção. Os pro­mo­to­res ape­nas têm de dar a co­nhe­cer as au­to­ri­da­des pa­ra que es­tas ga­ran­tam as ne­ces­sá­ri­as con­di­ções de se­gu­ran­ça. In­fe­liz­men­te, mui­ta gen­te vi­o­la­do­ra ou anal­fa­be­ta, as­su­me fun­ções re­le­van­tes nos or­ga­nis­mos do Es­ta­do e sub­ver­te a lei, co­mo se pode ver na de­nún­cia, qu­an­to ao com­por­ta­men­to da ad­mi­nis­tra­do­ra lo­cal. “A Ad­mi­nis­tra­do­ra Mu­ni­ci­pal do Lon­duim­ba­li de­mi­tiu-se da sua res­pon­sa­bi­li­da­de de ze­lar pe­los in­te­res­ses de to­dos mem­bros da co­mu­ni­da­de di­zen­do que “qu­an­to à ac­ti­vi­da­de do dia 23 de Ou­tu­bro de 2016, de acor­do com a son­da­gem da opi­nião pú­bli­ca, não se acon­se­lha a sua re­a­li­za­ção” (As­si­na Dra. Be­li­na Cu­ai­e­la Sa­mes­se­le). Es­te des­pa­cho é uma au­tên­ti­ca ce­re­ja por ci­ma do bo­lo: a ad­mi­nis­tra­ção tem re­cur­sos, pa­ra em tempo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.