“AC­ÇÃO DI­REC­TA (EN­TEN­DA-SE, PA­CÍ­FI­CA) PA­RE­CE EXI­GIR-SE”

Folha 8 - - POLÍTICA -

An­tes de mais os meus agra­de­ci­men­tos à CA­SA-CE e ao seu pre­si­den­te, Abel Chi­vu­ku­vu­ku, por mais es­ta opor­tu­ni­da­de que me dão ao me ofe­re­ce­rem uma pla­ta­for­ma de ex­po­si­ção do meu pen­sa­men­to, no mo­men­to em que to­das as vo­zes re­le­van­tes de­vi­am ser ou­vi­das in­con­di­ci­o­nal­men­te, quan­do pe­lo con­trá­rio, mui­tos de nós te­mos as vo­zes ve­ta­das ou de­tur­pa­das, nos prin­ci­pais mei­os de co­mu­ni­ca­ção. Co­mo sem­pre o fa­ço, nes­ta fa­se da mi­nha vi­da de in­ter­ven­ção cí­vi­ca e, por­que não, tam­bém po­lí­ti­ca, a mi­nha ex­po­si­ção é fei­ta em no­me in­di­vi­du­al, sem ali­nha­men­tos po­lí­ti­co-par­ti­dá­ri­os, o que co­mo se de­via in­te­ri­o­ri­zar, ca­be per­fei­ta­men­te den­tro da nos­sa or­dem de Es­ta­do de­mo­crá­ti­co e de di­rei­to. Ape­nas me ba­seio na mi­nha von­ta­de de po­der con­tri­buir com o meu sa­ber, ad­qui­ri­do em vá­ri­os ân­gu­los da vi­da vi­vi­da, da pes­qui­sa aca­dé­mi­ca, no do­mí­nio das ci­ên­ci­as hu­ma­nas, es­pe­ci­al­men­te do Di­rei­to e da Ci­ên­cia Po­lí­ti­ca, da His­tó­ria, da An­tro­po­lo­gia e tam­bém da So­ci­o­lo­gia e Fi­lo­so­fia po­lí­ti­cas, en­tre ou­tras. Há qu­em ache is­so re­dun­dan­te, nu­ma al­tu­ra em que ac­ção di­rec­ta (en­ten­da-se, pa­cí­fi­ca) pa­re­ce exi­gir-se. Sem­pre que es­tri­ta­men­te ne­ces­sá­rio, não me fur­ta­rei nes­se cam­po. Mas a mi­nha pri­o­ri­da­de é es­te es­pa­ço, a sa­ber, da re­fle­xão que de tan­to aban­do­na­da em An­go­la e em Áfri­ca, em ge­ral, im­pli­ca que va­mos sen­do su­ces­si­va­men­te ar­ras­ta­dos por on­das de emo­ções co­man­da­das por idei­as dos “ou­tros”, sob a ba­tu­ta do opor­tu­nis­mo de al­guns po­lí­ti­cos e seus adu­la­do­res. PRO­CES­SO ELEI­TO­RAL AN­GO­LA­NO 1-In­tro­du­ção: 2-Pro­ble­mas no pro­ces­so elei­to­ral no sen­ti­do téc­ni­co ju­rí­di­co e con­sequên­ci­as 3-Pro­ble­mas no sen­ti­do am­plo e pro­pos­tas de su­pe­ra­ção 4-Bre­ve aná­li­se crí­ti­ca do dis­cur­so da Na­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, pro­fe­ri­do re­cen­te­men­te. I - IN­TRO­DU­ÇÃO O que mais pa­re­ce pre­o­cu­par a ge­ne­ra­li­da­de dos po­lí­ti­cos, ju­ris­tas ou não ju­ris­tas, é o as­pec­to téc­ni­co ju­rí­di­co da le­gis­la­ção que te­mos, so­bre­tu­do o pacote elei­to­ral que aca­ba de ser apro­va­do pe­la mai­o­ria da As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Ao mes­mo tempo, o que, com al­gu­ma ra­zão, au­men­ta as pre­o­cu­pa­ções de to­da opo­si­ção po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria sé­ria e da so­ci­e­da­de ci­vil in­te­res­sa­da na con­so­li­da­ção do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co e de que es­ta­mos a cons­truir, é que, sob o pre­tex­to de adap­ta­ção do or­de­na­men­to ju­rí­di­co ac­tu­al à Cons­ti­tui­ção de 2010, leis es­sen­ci­ais pa­ra apro­fun­dar a so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca, es­tão a ser subs­ti­tuí­das por ou­tras, mais res­tri­ti­vas, no do­mí­nio da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e do as­so­ci­a­ti­vis­mo, o que, apa­ren­te­men­te, co­me­ça já a cri­ar pro­ble­mas, por exem­plo, às or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais não afec­tas ao po­der (si­tu­a­ção con­tra­pro­du­cen­te), que se apre­sen­ta­vam po­si­ti­va­men­te ac­ti­vas. Sin­to que, par­ti­cu­lar­men­te, en­tre ju­ris­tas, sou uma voz a cla­mar no de­ser­to, no sen­ti­do de que não é nas leis que es­tá o pro­ble­ma. Di­go-o com to­da a se­gu­ran­ça, por­que é uma con­vic­ção que re­sul­ta das mi­nhas in­ves­ti­ga­ções so­bre a pe­ri­pé­cia da efi­cá­cia das nor­mas ju­rí­di­cas, no con­ti­nen­te africano, es­pe­ci­al­men­te, na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, des­co­lo­ni­za­da em si­tu­a­ção de gran­de tur­bu­lên­cia, cu­jas es­tru­tu­ras es­ta­du­ais fo­ram to­ma­das por eli­tes ape­nas in­te­res­sa­das em subs­ti­tuir o “co­lo­no”, no do­mí­nio do po­der e da ri­que­za. Há, efec­ti­va­men­te, um pro­ble­ma téc­ni­co-ju­rí­di­co com es­sas leis, que se­ria fa­cil­men­te re­sol­vi­do. Na ver­da­de, no nú­cleo fun­da­men­tal as su­as nor­mas es­tão, des­de lo­go, fe­ri­das de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de, co­mo é fa­cil­men­te de­mons­trá­vel no exer­cí­cio que se se­gui­rá adi­an­te. As­sim, se fos­se es­se o pro­ble­ma, me­ra­men­te te­o­ré­ti­co-for­mal, dog­má­ti­co-dou­tri­ná­rio e ju­ris­pru­den­ci­al no sen­ti­do com­pa­ra­do e até in­ter­no (se ti­ver­mos em conta os pri­mei­ros anos da im­plan­ta­ção da de­mo­cra­cia mul­ti­par­ti­dá­ria) não es­ta­ría­mos aqui com qual­quer dor de ca­be­ça. Se­ria o re­cur­so aos tri­bu­nais a re­sol­ver, fa­cil­men­te, o pro­ble­ma. Por is­so, o pro­ble­ma do Pro­ces­so Elei­to­ral An­go­la­no não de­ve ser en­ca­ra­do ape­nas co­mo sen­do ju­rí­di­co, no sen­ti­do es­tri­to, mas num sen­ti­do mui­to mais am­plo, que pas­sa por con­si­de­ra­ções his­tó­ri­cas e so­bre­tu­do de ati­tu­de dos agen­tes po­lí­ti­cos no país, on­de, na­tu­ral­men­te, os ju­ris­tas de­ve­ri­am as­su­mir um pa­pel mais pa­trió­ti­co, ten­do em conta a fa­se da cons­tru­ção do es­ta­do de­mo­crá­ti­co e de di­rei­to em que nos en­con­tra­mos (ve­ja-se o pa­pel ac­ti­vo que jo­gam os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.