O ABISMO

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TO­NET kui­bao@hot­mail.com

Os ex­perts con­si­de­ram o abismo co­mo uma de­pres­são na­tu­ral, o re­le­vo de uma pai­sa­gem ou uma pro­fun­di­da­de ver­ti­cal, on­de es­ca­pan­do uma pe­dra, ela se per­de na lon­gi­tu­de in­fi­ni­ta da ca­vi­da­de. An­go­la já não es­tá à bei­ra do abismo, vi­ve ne­le, fa­ce à des­gar­ra­da con­du­ção dos seus des­ti­nos, por um re­gi­me ta­lha­do na ar­te de fa­zer mal à mai­o­ria dos ci­da­dãos, pa­ra se per­pe­tu­ar no po­der. Nes­ta tres­lou­ca­da ge­o­gra­fia es­ta­mos pe­ran­te uma cri­se sem pre­ce­den­tes, on­de até as al­bu­fei­ras das bar­ra­gens são jus­ti­fi­ca­ti­va da mo­nu­men­tal in­com­pe­tên­cia de quem não con­se­gue, re­gu­lar­men­te, for­ne­cer água e luz, nas zo­nas ur­ba­nas, por­que nas recôn­di­tas da An­go­la Pro­fun­da, só mes­mo a cin­ti­lan­te do pi­ri­lam­po, do can­de­ei­ro ou da le­nha, fa­zem com­pa­nhia. A es­cu­ri­dão pro­po­si­ta­da é pois o gran­de car­tão pos­tal, da má­fia dos ge­ra­do­res, que re­le­gam pa­ra se­gun­do pla­no um dos mai­o­res po­ten­ci­ais hi­dro­grá­fi­cos do mun­do, cu­jas bar­ra­gens, cor­rup­ta­men­te ava­li­a­das, des­con­se­guem cum­prir o ob­jec­to de bi­li­o­ná­ri­as em­prei­ta­das. Os an­go­la­nos, a mai­o­ria, sem ener­gia eléc­tri­ca, es­tá, tam­bém, ca­ren­te de ener­gia rei­vin­di­ca­ti­va, anes­te­si­a­dos por uma cam­pa­nha de pro­pa­gan­da que, pro­me­ten­do tu­do e na­da, lhes ofe­re­ce as bai­o­ne­tas, co­mo me­di­da de co­ac­ção. Daí não ha­ver ac­ções de con­tes­ta­ção, ca­pa­zes de al­te­rar o ac­tu­al qua­dro dan­tes­co. É pre­ci­so gri­tar. É pre­ci­so dar um bas­ta, a es­ta go­ver­na­ção in­com­pe­ten­te, em no­me de An­go­la e dos an- go­la­nos. Os an­go­la­nos po­dem de­ci­dir pe­la mu­dan­ça, já. Po­dem! Não é di­fí­cil, bas­ta que to­dos se unam, pa­ra cor­rer com os cor­rup­tos al­can­do­ra­dos no po­der, faz mais de 41 anos. Bas­ta de in­ge­nui­da­de po­pu­lar, pois é pre­ci­so va­lo­ri­zar o po­der de so­be­ra­nia, atra­vés do vo­to. É ne­ces­sá­rio es­que­cer a ve­lha la­dai­nha par­ti­do­cra­ta do re­gi­me, de não ha­ver al­ter­na­ti­va. Há al­ter­na­ti­vas. Ou­se­mos co­mo os ou­tros po­vos, dan­do o be­ne­fí­cio da dú­vi­da, pois, nin­guém, nes­te país, con­se­gui­rá a pro­e­za ne­ga­ti­vis­ta do Me­nos Pão Luz e Água (MPLA). O exem­plo es­tá à mão de se­me­ar, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca as­su­me-se co­mo um mo­nar­ca, in­di­fe­ren­te aos ape­los dos or­ga­nis­mos fi­nan­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais, pa­ra subs­ti­tuir (ti­rar) os fi­lhos de im­por­tan­tes ór­gãos pú­bli­cos: Fun­do So­be­ra­no e So­nan­gol, co­mo con­di­ção “si­ne qua non”, pa­ra o país vol­tar a re­ce­ber, re­gu­lar­men­te, dó­la­res, im­por­tan­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país. In­sen­sí­vel a ra­zo­a­bi­li­da­de e ao de­fi­nhar do país per­ten­cen­te a mai­o­ria dos an­go­la­nos, que es­tão a ser pre­ju­di­ca­dos, Edu­ar­do dos San­tos man­tém um ca­pri­cho pro­tec­ci­o­nis­ta a fa­vor dos fi­lhos... co­mo se An­go­la fos­se pro­pri­e­da­de pri­va­da. É le­gí­ti­mo que um pai quei­ra o me­lhor pa­ra os seus, mas é ile­gí­ti­mo exa­cer­bar com­pe­tên­ci­as, em pre­juí­zo da mai­o­ria, que so­fre e mor­re nos hos­pi­tais por fal­ta de im­por­ta­ção de me­di­ca­men­tos e mi­lha­res de me­ni­nos im­pe­di­dos de es­tu­dar por fal­ta de es­co­las ou ain­da aque­les que se sui­ci­dam por de­sem­pre­ga­dos, não aguen­ta­rem o la­men­to fa­mi­li­ar, de­vi­do a fo­me, que se alo­jou no lar. O abismo mo­ra, quan­do se afas­ta a mo­ral e a éti­ca da po­lí­ti­ca e a opo­si­ção se tor­na cúm­pli­ce com o seu si­lên­cio e apa­tia. E co­mo nin­guém fa­la, nin- guém sai à rua, eles con­ti­nu­am a pro­cis­são, mes­mo em sen­ti­do con­trá­rio à Cons­ti­tui­ção, ci­en­tes que dos prin­ci­pais ac­to­res po­lí­ti­cos, não ha­ve­rá uma ban­dei­ra rei­vin­di­ca­ti­va per­ma­nen­te, nas ru­as, nas san­za­las, co­mu­nas, mu­ni­cí­pi­os, pro­vín­ci­as, en­fim, no país, igual a dos va­lo­ro­sos jo­vens dos 15+2, mo­ven­do um pro­ces­so, ba­se­a­do no art.º 127.º (Res­pon­sa­bi­li­da­de cri­mi­nal), fa­ce aos ca­sos “(...) de su­bor­no, trai­ção à Pá­tria e prá­ti­cas de cri­mes de­fi­ni­dos pe­la pre­sen­te Cons­ti­tui­ção co­mo im­pres­cri­tí­veis e in­sus­cep­tí­veis de am­nis­tia”, ten­do co­mo fac­tos pro­ba­tó­ri­os, por exem­plo, os mon­tan­tes fi­nan­cei­ros do Es­ta­do, trans­fe­ri­dos ile­gal­men­te, pa­ra uma em­pre­sa ine­xis­ten­te co­mo a Cai­o­por­to SA, de um ami­go e só­cio do fi­lho, que re­ce­beu mais de 500 mi­lhões de dó­la­res, sem exe­cu­ção de ne­nhu­ma em­prei­ta­da; os des­vi­os e má apli­ca­ção dos fun­dos fi­nan­cei­ros, mais de 5 mil mi­lhões (bi­liões) de dó­la­res, por par­te do fi­lho, Ze­nú dos San­tos do Fun­do So­be­ra­no; a con­ces­são sem con­tra­par­ti­das, pa­ra o Es­ta­do dos ca­nais pú­bli­cos de Te­le­vi­são: Ca­nal 2 e TPA In­ter­na­ci­o­nal, aos fi­lhos, Welwit­cha dos San­tos e Co­re­on Dú ou ain­da o mon­tan­te pú­bli­co de mais de 20 mi­lhões de dó­la­res, que es­te­ve na ori­gem da UNITEL, ou­tros tan­tos, na cri­a­ção do BIC, cer­ca de 50 mi­lhões, ac­ci­o­nis­ta no BFA, mais de 58 mi­lhões de dó­la­res, pa­ra além do con­tro­lo da So­nan­gol, por par­te da fi­lha pri­mo­gé­ni­ta Isa­bel dos San­tos. Co­mo se po­de ve­ri­fi­car a opo­si­ção tem um gran­de acer­vo rei­vin­di­ca­ti­vo, mas, in­fe­liz­men­te, não mu­ge, nem tu­ge... Ora, não po­de­mos con­ti­nu­ar re­féns de po­lí­ti­cos co­mo­dis­tas, te­mos, en­quan­to ci­da­dãos de ga­nhar cons­ci­ên­cia, so­bre a ur­gen­te ne­ces­si­da­de de se ti­rar o país do abismo po­lí­ti­co em que es­tá mer­gu­lha­do se que­re­mos sal­var a Mãe An­go­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.