AN­GO­LA? NEM (SEQUER) PEN­SAR!

Folha 8 - - DESTAQUE -

Op­re­si­den­te exe­cu­ti­vo da Sonae, Pau­lo Aze­ve­do, ad­mi­tiu uma expansão da par­ce­ria com a Satya, à qual o gru­po se as­so­ci­ou para en­trar no re­ta­lho ali­men­tar em Mo­çam­bi­que, mas as­se­gu­rou que An­go­la fi­ca­rá de fo­ra do acor­do. “Es­ta­mos a de­sen­vol­ver uma par­ce­ria im­por­tan­te, mas ain­da são só du­as lo­jas, é um in­ves­ti­men­to ain­da pe­que­no”, afir­mou Pau­lo Aze­ve­do du­ran­te a apre­sen­ta­ção das con­tas de 2016 da Sonae, que de­cor­reu na Maia (Portugal). Em­bo­ra re­me­ten­do de­sen­vol­vi­men­tos para “mais tar­de em 2017”, o lí­der da Sonae re­ve­lou que os par­cei­ros es­tão “a pro­cu­rar no­vas lo­ca­li­za­ções para cres­cer” em Áfri­ca e, sem que­rer avan­çar even­tu­ais no­vos mer­ca­dos, dei­xou des­de logo cla­ro que An­go­la - on­de foi mal su­ce­di­da uma pri­mei­ra ten­ta­ti­va de en­tra­da no re­ta­lho ali­men­tar, com a em­pre­sá­ria an­go­la­na Isa­bel dos Santos - fi­ca­ria de fo­ra. “Ain­da não sei qual é que é o âm­bi­to [de uma even­tu­al expansão da par­ce­ria com o gru­po Satya, do mi­li­o­ná­rio Moha­med Ibrahim, anun­ci­a­da em Se­tem­bro de 2016], mas An­go­la es­tá ex­cluí­da des­se âm­bi­to”, afir­mou. Re­la­ti­va­men­te aos re­sul­ta­dos de 2016 da Sonae, os res­pon­sá­veis exe­cu­ti­vos da Sonae afir­ma­ram-se “mui­to sa­tis­fei­tos”, com o au­men­to de 7,2% do vo­lu­me de ne­gó­ci­os (para 5.376 mi­lhões de eu­ros) a sig­ni­fi­car que o gru­po “ven­deu por dia mais um mi­lhão de eu­ros” do que em 2015, e ten­do o EBITDA (re­sul­ta­dos an­tes de im­pos­tos, ju­ros, amor­ti­za­ções e de­pre­ci­a­ções) ul­tra­pas­sa­do “pe­la pri­mei­ra vez os mil mi­lhões de eu­ros”.

ali­men­tou a es­pe­ran­ça (já té­nue) de que Isa­bel dos Santos ex­pli­cas­se o que se pas­sa­va. Es­pe­rou sen­ta­do. A equi­pa de Pau­lo Aze­ve­do ve­ri­fi­cou que que rai­nha santa Isa­bel (dos Santos) – do­na de An­go­la (e de par­te de Portugal) em par­ce­ria com o seu pai – apu­nha­lou a Sonae pe­las cos­tas ao con­tra­tar es­ses dois qua­dros de to­po da área de re­ta­lho que tra­ba­lha­vam nes­ta par­ce­ria, Miguel Osó­rio e João Se­a­ra. Isa­bel dos Santos nun­ca se pre­o­cu­pou com is­so. É para o la­do que dor­me me­lhor. Apren­deu is­so no ber­ço. Com os mi­lhões que tem, a que jun­ta os mi­lhões que pre­ci­sar, não dá pon­to sem nó. Che­gou a fa­lar-se que o Continente es­ta­ria de por­tas aber­tas no nosso país no Ve­rão de 2015. A Sonae apos­tou for­te. Cons­ti­tuiu uma equi­pa para acom­pa­nhar a aber­tu­ra dos hi­per­mer­ca­dos mas, é cla­ro, pri­mei­ro foi ne­ces­sá­rio en­go­lir uns tan­tos sa­pos, o que fez es­go­tar os stocks de “al­ka selt­zer” das pró­pri­as lo­jas. De­pois se­gui­ram-se do­ses in­dus­tri­ais de hós­ti­as para ti­rar o pe­ca­do de ne­go­ci­ar com um dos re­gi­mes mais cor­rup­tos do mun­do. Na­da re­sul­tou. A es­tra­té­gia de Isa­bel dos Santos foi se­gui­da com to­do o ri­gor. O di­nhei­ro com­pra tu­do. E en­tão qu­an­do o di­nhei­ro não cus­tou a ga­nhar ou é rou­ba­do… O pro­jec­to que mar­ca­ria a en­tra­da do mai­or em­pre­ga­dor pri­va­do por­tu­guês no ter­ri­tó­rio an­go­la­no se­ria fru­to de uma par­ce­ria es­ta­be­le­ci­da en­tre o gru­po e, co­mo não po­de­ria dei­xar de ser e cor­res­pon­de à Lei da Pro­bi­da­de do nosso país, a em­pre­sá­ria e não se sa­be quan­tas ve­zes mi­li­o­ná­ria Isa­bel dos Santos. A Sonae não po­dia ale­gar ig­no­rân­cia. Me­lhor do que nin­guém, Pau­lo Aze­ve­do sa­bia que qu­em sai aos seus não de­ge­ne­ra. Jo­sé Edu­ar­do dos Santos é, para além de che­fe do Go­ver­no, o pre­si­den­te de An­go­la des­de 1979, sem nun­ca ter si­do no­mi­nal­men­te elei­to, bem co­mo do MPLA (par­ti­do que es­tá no po­der des­de a in­de­pen­dên­cia). Hi­per­mer­ca­dos, su­per- mer­ca­dos, lo­jas de con­ve­ni­ên­cia, lo­jas de pro­xi­mi­da­de, res­tau­ra­ção, para-far­má­ci­as, li­vra­ri­as, ves­tuá­rio, des­por­to, elec­tró­ni­ca, cen­tros co­mer­ci­ais, ad­mi­nis­tra­ção de imó­veis, in­ves­ti­men­tos fi­nan­cei­ros, te­le­co­mu­ni­ca­ções, soft­ware e sis­te­mas de in­for­ma­ção e me­dia são as áre­as do im­pé­rio fun­da­do por Bel­mi­ro de Aze­ve­do, a Sonae. Mas co­mo tu­do na vi­da, Bel­mi­ro de Aze­ve­do é mui­to di­fe­ren­te do seu su­ces­sor di­nás­ti­co, o fi­lho Pau­lo Aze­ve­do. O pai, que nem ao do­min­go des­can­sa­va, di­zia a mes­ma coi­sa em qual­quer dia de se­ma­na. Ho­je a es­tra­té­gia é di­fe­ren­te. O fi­lho diz às se­gun­das, quar­tas e sex­tas uma coi­sa, às ter­ças quin­tas e sá­ba­dos ou­tra coi­sa. E ao do­min­go vai à mis­sa. O acor­do com a Con­dis – de­ti­da mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, co­mo tam­bém não po­de­ria dei­xar de ser e sem­pre res­pei­tan­do o es­pí­ri­to e a le­tra da tal Lei da pro­bi­da­de, por Isa­bel dos Santos – acon­te­ceu ain­da em 2011, sen­do que o pro­jec­to pre­via a aber­tu­ra de uma re­de de hi­per­mer­ca­dos Continente nosso país. João Se­a­ra era o homem for­te do gru­po para es­te pro­jec­to, sen­do que de­ve­ria ocu­par o car­go de di­rec­tor exe­cu­ti­vo. A em­pre­sa nun­ca adi­an­tou gran­des por­me­no­res, di­zen­do ape­nas que “não es­ta­va de­fi­ni­da ne­nhu­ma da­ta em con­cre­to, mas tan­to a Sonae co­mo a Con­dis es­tão a en­vi­dar to­dos os es­for­ços para pro­ce­der à aber­tu­ra da pri­mei­ra uni­da­de o mais bre­ve pos­sí­vel”. Nes­te tí­pi­co zi­gue­za­gue­ar che­gou-se a uma pre­vi­são que pa­re­cia ter fun­da­men­to: Ve­rão de 2015. Che­gou até a fa­lar-se de equipas man­da­ta­das para co­me­çar a de­fi­nir as ga­mas de pro­du­tos que se­ri­am en­vi­a­dos para Lu­an­da e que se jun­ta­ri­am a ou­tros aqui pro­du­zi­dos. A pró­pria Con­dis ti­nha em mar­cha a cons­tru­ção de uma in­fra­es­tru­tu­ra que aco­lhe­ria as ins­ta­la­ções do hi­per­mer­ca­do. A en­tra­da da Sonae em An­go­la so­freu al­guns con­tra­tem­pos, ex­pli­can­do­se as­sim a re­lu­tân­cia do gru­po por­tu­guês em avan­çar com uma da­ta con­cre­ta. A in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da em­pre­sa para o nosso país es­te­ve em de­sen­vol­vi- men­to des­de 2012, ano em que a Sonae e a ANIP as­si­na­ram um contrato de in­ves­ti­men­to no va­lor de 100 mi­lhões de dó­la­res, com vis­ta à aber­tu­ra de cin­co hi­per­mer­ca­dos. To­dos os atra­sos po­de­ri­am ter a ver com o fac­to de, du­ran­te al­gum tem­po, a Sonae ter ti­do di­fi­cul­da­des em en­go­lir as re­gras da cor­rup­ção an­go­la­na. Fernando Ul­ri­ch, en­tão pre­si­den­te do BPI, ban­co pre­sen­te em An­go­la des­de 1996, po­de­rá ter ti­do um pa­pel im­por­tan­te ao ga­ran­tir a pés jun­tos que em An­go­la não há cor­rup­ção. Ao ouvi-lo di­zer que “o BPI nun­ca pa­gou na­da a nin­guém para ob­ter na­da em tro­ca co­mo nem nun­ca nin­guém nos pe­diu na­da para fa­zer o que quer que fos­se em tro­ca”, Pau­lo Aze­ve­do (Bel­mi­ro não foi nes­sa) sor­riu e man­dou avan­çar as su­as tro­pas. Em abo­no da te­se de Fernando Ul­ri­ch, re­cor­de-se que o pro­cu­ra­dor por­tu­guês que em tem­pos in­ves­ti­ga­va o ca­so “BES An­go­la” in­gres­sou no Ban­co Internacional de Cré­di­to (BIC), pre­si­di­do en­tão pe­lo ca­va­quis­ta Luís Mi­ra Ama­ral, uma ins­ti­tui­ção de ca­pi­tais lu­so-an­go­la­nos que, mais uma vez, é do­mi­na­da pe­la tal im­po­lu­ta ci­da­dã Isa­bel dos Santos, que é fi­lha do não me­nos im­po­lu­to ci­da­dão Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. Pau­lo Aze­ve­do re­e­di­tou a ve­lha te­o­ria de ra­pi­da­men­te e em for­ça para… An­go­la. Fa­lhou na ro­ta. É pe­na. Co­mo mui­tos an­go­la­nos (mui­tos mes­mo) vi­vem na mi­sé­ria e ra­ra­men­te sa­bem o que é uma re­fei­ção, es­ta­vam à es­pe­ra de fa­zer in­cur­sões ao Continente, ou me­lhor, aos cai­xo­tes do li­xo do Continente, e lá en­con­trar res­tos qua­se no­vos de co­mi­da. A Sonae as­su­miu que não era uma em­pre­sa fi­lan­tró­pi­ca e, por is­so, ne­go­ci­a­va com os do­nos do po­der e, no ca­so de An­go­la, do país. E, co­mo sem­pre, é mui­to mais fá­cil ne­go­ci­ar com di­ri­gen­tes vi­ta­lí­ci­os do que com os que re­sul­tam de uma vi­da de­mo­crá­ti­ca. Aliás, a fa­mí­lia Aze­ve­do gosta mui­to de viver em de­mo­cra­cia. Já se os ou­tros vi­vem em di­ta­du­ra, o pro­ble­ma é de­les. O que im­por­ta é ha­ver gen­te com mui­tos dó­la­res. E o re­gi­me tem fartura des­sa es­pé­cie.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.