BES VE­ZES BESA IGUAL A ROUBO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Aquela que mui­tos con­si­de­ram, uma es­pe­ci­a­li­za­da qua­dri­lha de la­rá­pi­os, não pá­ra de sur­pre­en­der pe­los ten­tá­cu­los fi­nan­cei­ra­men­te dan­tes­cos. De au­di­ção em au­di­ção, na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, em Portugal, os ex-ho­mens for­tes do BES, sur­gi­ram com no­vas re­ve­la­ções, que nos le­vam a acre­di­tar, ter­mos an­da­do, du­ran­te mui­to tem­po en­ga­na­dos, me­lhor, co­pi­o­sa­men­te en­ga­na­dos, por uma es­pé­cie de cor­ja en­di­nhei­ra­da, que ma­ni­pu­la­va e ma­ni­pu­la com ma­es­tria da­dos fi­nan­cei­ros, para se be­ne­fi­ci­ar, de­frau­dan­do cli­en­tes e o sis­te­ma ban­cá­rio de vá­ri­os paí­ses. Vis­tos co­mo ilu­mi­na­dos fi­nan­cei­ros, tran­si­ta­vam com a má­xi­ma im­pu­ni­da­de e imu­ni­da­de pe­los cor­re­do­res do po­der de di­fe­ren­tes paí­ses. O gru­po cri­ou ao lon­go do per­cur­so a ilusão de ser uma mu­ra­lha só­li­da de be­tão fi­nan­cei­ro, mas, afi­nal, na­da mais eram que uma es­pé­cie de “san­ti­da­de” ma­fi­o­sa. Es­pe­ci­a­lis­tas na ex­plo­ra­ção da de­bi­li­da­de ban­cá­ria de al­guns paí­ses, cu­jos lí­de­res pre­ci­sa­vam de um “es­go­to le­gal” ca­paz de des­vi­ar di­nhei­ro pú­bli­co, para ali­men­tar con­tas ban­cá­ri­as pri­va­das de cor­rup­tos e cor­rup­to­res, tra­fe­ga­ram mi­lhões e mi­lhões de dó­la­res e eu­ros, en­tre Portugal, An­go­la, Ve­ne­zu­e­la, Gui­né Equa­to­ri­al, etc.. Em al­guns des­tes paí­ses ti­nham car­ta bran­ca dos res­pec­ti­vos lí­de­res, eles tam­bém, au­tên­ti­cos “des­vi­a­do­res ca­bri­tei­ros” do di­nhei­ro do erá­rio pú­bli­co dos res­pec­ti­vos Es­ta­dos. Em mui­to pou­co tem­po, o mun­do viu a rá­pi­da trans­for­ma­ção de pro­le­tá­ri­os em pro­pri­e­tá­ri­os. Vo­ra­zes e in­sen­sí­veis ao so­fri­men­to dos res­pec­ti­vos po­vos, es­can­ca­ram as por­tas dos co­fres ban­cá­ri­os e, num to­que de má­gi­ca, emer­gem “cor­rup­ta­men­te” co­mo mi­li­o­ná­ri­os, bi­li­o­ná­ri­os e afins… Em no­me do pai, do fi­lho e do es­pí­ri­to san­to, amém, são au­tên­ti­cos la­rá­pi­os, que não se coí­bem de men­tir des­ca­ra­da­men­te, quer co­mo fal­sos ven­de­do­res de ovos ou des­cen­den­tes de fa­mí­li­as ri­cas. In­ver­te­bra­da men­ti­ra. Os an­go­la­nos cu­ja hi­gi­e­ne men­tal ain­da es­tá pre­ser­va­da, fi­ca­ram es­tu- pe­fac­tos qu­an­do ou­vi­ram o ex-pre­si­den­te do BES An­go­la (BESA), Ál­va­ro So­bri­nho di­zer, em se­de do Par­la­men­to por­tu­guês, ser oriun­do de uma fa­mí­lia ri­ca, ra­zão jus­ti­fi­ca­ti­va da pro­ve­ni­ên­cia dos mi­lhões e mi­lhões de dó­la­res acu­mu­la­dos nos úl­ti­mos anos, que lhe per­mi­ti­ram ad­qui­rir, mi­li­o­na­ri­a­men­te, um con­jun­to de em­pre­sas, que vão da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, in­dus­tri­al a clu­bes de fu­te­bol. É pu­ra men­ti­ra a pro­ve­ni­ên­cia ser fa­mi­li­ar, dis­se ao F8, uma fon­te que bem co­nhe­ce a fa­mí­lia. “Fa­ço par­te de uma fa­mí­lia an­go­la­na com pos­ses. Os meus pais com­pra­ram-me uma ca­sa em Cascais e um car­ro e vim para Portugal es­tu­dar”, jus­ti­fi­cou, acres­cen­tan­do: “Eu te­nho os in­ves­ti­men­tos que eu te­nho, mas não é o âm­bi­to des­ta co­mis­são. Qu­an­do es­ta co­mis­são co­lo­car es­tas per­gun­tas a to­das as pes­so­as que aqui vêm, que até po­dem ter mais do que eu, po­de­rei res­pon­der”. Es­qui­si­ta jus­ti­fi­ca­ti­va, pois se ini­ci­ou de­ve­ria fun­da­men­tar, para não dei­xar sus­pei­ções, por­quan­to os anos de tra­ba­lho não se­ri­am bas­tan­tes para aqui­si­ção do seu ac­tu­al pa­tri­mó­nio. “En­tre 2002 a 2012 tra­ba­lhei co­mo pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va do BESA e vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BESA. Saí da ESAF em fi­nais de 2001 para co­me­çar com a ope­ra­ção [do BESA] que co­me­çou em 2002 , dis­se Ál­va­ro So­bri­nho. A sua fa­mí­lia, na re­a­li­da­de ti­nha pe­que­nos ne­gó­ci­os de so­bre­vi­vên­cia, co­mo a mai­o­ria dos au­tóc­to­nes an­go­la­nos, cu­ja re­cei­ta men­sal e anu­al, não dá para com­prar a pron­to um apar­ta­men­to em Avei­ras de Ci­ma, na gran­de Lis­boa. Nun­ca te­ve uma fá­bri­ca in­dus­tri­al, uma mi­na de di­a­man­tes, um po­ço de pe­tró­leo, uma em­pre­sa de ca­mi­o­na­gem, uma ca­deia ho­te­lei­ra, na­da sal­vo o mais vi­sí­vel ser uma dis­co­te­ca. A os­ten­ta­ção de ri­que­za de­ri­va do “ca­bri­tis­mo” ban­cá­rio ins­pi­ra­do na ló­gi­ca do re­gi­me de “rou­bar ser um de­ver re­vo­lu­ci­o­ná­rio”, daí ser uma po­lí­ti­ca ins­ti­tu­ci­o­nal, com ba­se nes­tes “ca­bos de guer­ra” ban­cá­ri­os, trans- for­mar os di­ri­gen­tes do re­gi­me em mi­li­o­ná­ri­os, co­mo ba­se em or­dens su­pe­ri­o­res, bai­xa­das em pa­pe­li­nhos. Em fun­ção das fa­ci­li­da­des com que era ori­en­ta­do para “tran­si­tar” mi­lhões de dó­la­res, mui­tas ve­zes, diz-se, com chan­ce­la pre­si­den­ci­al, para con­tas par­ti­cu­la­res de ser­vi­do­res pú­bli­cos, in­cluin­do mi­li­ta­res ge­ne­rais, na­da obs­ta­va a que pu­des­se uti­li­zar a má­xi­ma de “la­drão que rou­ba la­drão tem cem anos de per­dão”. Não é por me­ro aca­so e is­so, não dis­se por ser, na sua opi­nião, se­gre­do ban­cá­rio, que dois dos po­ten­ci­ais só­ci­os do BESA, fo­ram Manuel Hél­der Vi­ei­ra Di­as Jú­ni­or Ko­pe­li­pa e Le­o­pol­di­no Fra­go­so do Nas­ci­men­to, res­pec­ti­va­men­te che­fe da Ca­sa de Se­gu­ran­ça do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e as­ses­sor do che­fe da Ca­sa de Se­gu­ran­ça, os ge­ne­rais no ac­ti­vo mais ri­cos do mun­do, sem nun­ca te­rem in­ven­ta­do uma ba­la ou ar­ma. Co­mo mor­re de in­ve­ja o rus­so Ka­lashi­ni­kov, in­ven­tor da ar­ma mais fa­mo­sa do mun­do a AKM.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.