A CARROÇA VAI CARREGADA E AGORA, MANEL?

Folha 8 - - DESTAQUE - PRO­CU­RA­DOR ORLANDO FIGUEIRA

Os fac­tos in­cri­mi­na­do­res, ver­da­dei­ros ou fal­sos, não pa­ram de cair, so­bre o en­vol­vi­men­to do ci­da­dão an­go­la­no, Manuel Vi­cen­te à épo­ca, pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol, em­pre­sa pe­tro­lí­fe­ra na­ci­o­nal, no co­me­ti­men­to de uma sé­rie de ilí­ci­tos. Co­mo é re­gra num Es­ta­do de Di­rei­to (que An­go­la não é de fac­to), man­tém-se a pre­sun­ção de ino­cên­cia até trân­si­to em jul­ga­do da sen­ten­ça. Des­ses ilí­ci­os cons­tam, se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Portugal, trá­fi­co de in­fluên­cia, su­bor­no, la­va­gem de di­nhei­ro, cor­rup­ção, en- tre ou­tros, pra­ti­ca­dos em ter­ri­tó­rio por­tu­guês. Os ilí­ci­tos ga­nham no­to­ri­e­da­de ju­rí­di­ca, so­ci­al e pú­bli­ca pe­la ou­sa­dia de te­rem su­bor­na­do e cor­rom­pi­do um al­to ma­gis­tra­do da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca de Portugal, vi­san­do – se­gun­do a acu­sa­ção - o apa­ga­men­to de pro­vas, nos pro­ces­sos em cur­so que en­vol­vem o tam­bém, vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, homem de ex­tre­ma con­fi­an­ça do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. Co­mo não há cri­mes per­fei­tos, de igual, não exis­tem cor­rup­ções sem ras­tos, co­mo é o ca­so, on­de as pro­vas, sal­ti­tam sem amor­te­cer, a cul­pa­bi­li­da­de do in­frac­tor, por mui­to que se­jam as es­ta­pa­fúr­di­as jus­ti­fi­ca­ções de va­gos co­mu­ni­ca­dos das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e do Jor­nal de An­go­la, por­ta-voz ofi­ci­o­so e não ra­ras ve­zes ofi­ci­al do re­gi­me. As evi­dên­ci­as, con­si­de­ra­das pe­la acu­sa­ção co­mo ma­té­ria de fac­to pro­ba­tó­ria, quan­tas ve­zes des­vi­a­das para can­to, es­tão aqui e agora, sem am­bi­gui­da­des, no meio do ter­re­no, para que to­dos, em sã cons­ci­ên­cia, re­co­nhe­çam não ha­ver, qual­quer fa­vo­re­ci­men­to do “árbitro”, em re­la­ção a um dos mais em­ble­má­ti­cos jo­ga­do­res da equi­pa da ca­sa. A ver­da­de, “fu­te­bo­lis­ti­ca­men­te” fa­lan­do, é a de um la­bo­ra­tó­rio de controlo an­ti­do­ping, por to- dos re­co­nhe­ci­do, ver a sua re­pu­ta­ção pos­ta em cau­sa sim­ples­men­te por de­nun­ci­ar um jo­ga­dor apa­nha­do ao in­ge­rir subs­tân­ci­as proi­bi­das. De na­da va­le evo­car des­co­nhe­ci­men­to na ad­mi­nis­tra­ção da dro­ga, qu­an­do as equipas têm cor­pos mé­di­cos para re­co­men­dar uma ri­go­ro­sa pre­pa­ra­ção atlé­ti­ca e não con­su­mo de subs­tân­ci­as que, para além de no­ci­vas, são proi­bi­das. No ca­so, con­cre­to co­mo ve­re­mos mais à frente, a fra­gi­li­da­de e pri­ma­ris­mo dos ar­gu­men­tos de vo­zes in­di­rec­tas, es­bar­ram não só nos for­tes in­dí­ci­os, co­mo tam­bém nos fac­tos já pro­va­dos, em se­de de ins­tru­ção pre­pa­ra­tó­ria.

Des­ses ilí­ci­os cons­tam, se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Portugal, trá­fi­co de in­fluên­cia, su­bor­no, la­va­gem de di­nhei­ro, cor­rup­ção, en­tre ou­tros, pra­ti­ca­dos em ter­ri­tó­rio por­tu­guês

Os tra­ta­dos e acor­dos in­ter­na­ci­o­nais re­gu­lar­men­te apro­va­dos ou ra­ti­fi­ca­dos vi­go­ram na or­dem ju­rí­di­ca an­go­la­na após a sua pu­bli­ca­ção ofi­ci­al e en­tra­da em vi­gor na or­dem ju­rí­di­ca internacional e en­quan­to vin­cu­la­rem in­ter­na­ci­o­nal­men­te o Es­ta­do an­go­la­no”

As­sim sen­do, com­pe­te a Manuel Vi­cen­te e a mais nin­guém, vir a ter­rei­ro di­zer de sua jus­ti­ça, o que fez e não fez, para ser gra­du­a­da a ili­ci­tu­de, con­si­de­ra­da co­mo cri­me pe­la lei por­tu­gue­sa, internacional e tam­bém re­co­nhe­ci­da pe­la Cons­ti­tui­ção an­go­la­na, na al.ª h) do art.º 12.º “re­pú­dio e com­ba­te ao ter­ro­ris­mo, nar­co­trá­fi­co, ra­cis­mo, COR­RUP­ÇÃO e trá­fi­co de se­res e ór­gãos hu­ma­nos”, para mais adi­an­te ser es­cu­da­do no n.º 2 do art.º13.º “Os tra­ta­dos e acor­dos in­ter­na­ci­o­nais re­gu­lar­men­te apro­va­dos ou ra­ti­fi­ca­dos vi­go­ram na or­dem ju­rí­di­ca an­go­la­na após a sua pu­bli­ca­ção ofi­ci­al e en­tra­da em vi­gor na or­dem ju­rí­di­ca internacional e en­quan­to vin­cu­la­rem in­ter­na­ci­o­nal­men­te o Es­ta­do an­go­la­no”. É den­tro des­tes prin­cí­pi­os que as au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais por­tu­gue­sas en­de­re­ça­ram car­tas ro­ga­tó­ri­as (car­ta

di­ri­gi­da pe­las au­to­ri­da­des de um país às de ou­tro, a fim de que nes­te se exe­cu­tem cer­tos ac­tos ju­di­ci­ais”) para Manuel Vi­cen­te ser ou­vi­do, pe­la PGR an­go­la­na. Manuel Vi­cen­te de­cli­nou a opor­tu­ni­da­de so­be­ra­na de se de­fen­der, pre­fe­rin­do a fu­ga dos ar­ro­gan­tes, en­dos­san­do o ac­to a uma per­se­gui­ção do Es­ta­do por­tu­guês a um ci­da­dão an­go­la­no, qu­an­do é por de­mais con­sa­bi­do ha­ver, em Portugal, uma cla­ra se­pa­ra­ção de po­de­res, não po­den­do o Exe­cu­ti­vo in­ter­fe­rir na in­de­pen­dên­cia do po­der ju­di­ci­al. Co­mo em An­go­la es­sa se­pa­ra­ção só exis­te no pa­pel, os pseu­do-de­mo­cra­tas de pa­co­ti­lha, na­da mais fa­zem se­não zur­zir, qu­an­do con­fron­ta­dos com pro­vas ir­re­fu­tá­veis. O F8 ten­do em sua pos­se o pro­ces­so acu­sa­tó­rio. Da­do o seu in­ques­ti­o­ná­vel interesse pú­bli­co e do pú­bli­co que me­re­ce co­nhe­cer a ver­da­de, vai le­vá-lo até ao lei­tor, para que ca­da um ti­re as de­vi­das ila­ções, so- bre tão in­tri­ca­do dos­si­er. Com­ple­men­tar­men­te re­cor­de-se que Portugal e An­go­la são paí­ses mem- bros da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP). Den­tro des­se con­tex­to, em No­vem­bro de 2005, du­ran­te a X Con­fe­rên­cia de Mi­nis­tros da Jus­ti­ça dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa, foi cri­a­da a Re­de de Co­o­pe­ra­ção Ju­rí­di­ca e Ju­di­ciá­ria Internacional dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa. As re­des de co­o­pe­ra­ção ju­rí­di­ca internacional têm co­mo ob­jec­ti­vo fa­ci­li­tar e ace­le­rar a co­o­pe­ra­ção en­tre os Es­ta­dos que as in­te­gram, pro­ver in­for­ma­ções ju­rí­di­cas e prá­ti­cas para as au­to­ri­da­des na­ci­o­nais e au­xi­liá-las na for­mu­la­ção de so­li­ci­ta­ções de au­xí­lio. Es­sas re­des são co­mu­men­te cri­a­das no âm­bi­to de or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais, pa­ra­le­la­men­te ou em con­sequên­cia de acor­dos mul­ti­la­te­rais de au­xí­lio ju­rí­di­co mú­tuo. As re­des são for­ma­das por pon­tos de con­tac­to na­ci­o­nais, de­sig­na­dos pe­las au­to­ri­da­des cen­trais res­pon­sá­veis pe­la co­o­pe­ra­ção ju­rí­di­ca, pe­lo Po­der Ju­di­ciá­rio, pe­los Mi­nis­té­ri­os Pú­bli­cos e por ou­tras au­to­ri­da­des en­vol­vi­das

As re­des de co­o­pe­ra­ção ju­rí­di­ca internacional têm co­mo ob­jec­ti­vo fa­ci­li­tar e ace­le­rar a co­o­pe­ra­ção en­tre os Es­ta­dos que as in­te­gram, pro­ver in­for­ma­ções ju­rí­di­cas e prá­ti­cas para as au­to­ri­da­des na­ci­o­nais e au­xi­liá-las na for­mu­la­ção de so­li­ci­ta­ções de au­xí­lio

na co­o­pe­ra­ção ju­rí­di­ca internacional. Os pon­tos de con­tac­to, além de co­or­de­nar a ac­tu­a­ção na­ci­o­nal em te­mas re­la­ci­o­na­dos com a co­o­pe­ra­ção ju­rí­di­ca, tam­bém de­vem in­ter­me­di­ar o pro­ces­so da co­o­pe­ra­ção. Me­re­cem des­ta­que os acor­dos para a par­ti­ci­pa­ção de au­to­ri­da­des do Es­ta­do re­que­ren­te em di­li­gên­ci­as, as con­sul­tas in­for­mais so­bre a le­gis­la­ção do Es­ta­do re­que­ri­do, pe­di­dos ur­gen­tes de com­ple­men­ta­ção de in­for­ma­ções cons­tan­tes em pe­di­dos de au­xí­lio ou de re­mar­ca­ção de au­di­ên­ci­as e o exa­me pre­li­mi­nar de pe­di­dos de au­xí­lio. O sis­te­ma ju­rí­di­co de An­go­la é o de Ci­vil Law, ba­se­a­do no sis­te­ma por­tu­guês. A es­tru­tu­ra ju­rí­di­ca é com­pos­ta por tri­bu­nais ju­di­ci­ais de pri­mei­ra ins­tân­cia, sen­do o Tri­bu­nal Su­pre­mo a úl­ti­ma ins­tân­cia. No ca­so em apre­ço, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Portugal acu­sou o pro­cu­ra­dor Orlando Figueira, o ex-pre­si­den­te da So­nan­gol Manuel Vi­cen­te, o ad­vo­ga­do Pau­lo Blan­co e o ar­gui­do Ar­min­do Pi­res no

Manuel Vi­cen­te de­cli­nou a opor­tu­ni­da­de so­be­ra­na de se de­fen­der, pre­fe­rin­do a fu­ga dos ar­ro­gan­tes, en­dos­san­do o ac­to a uma per­se­gui­ção do Es­ta­do por­tu­guês a um ci­da­dão an­go­la­no

âm­bi­to da Ope­ra­ção Fizz, re­la­ci­o­na­da com cor­rup­ção e bran­que­a­men­to de ca­pi­tais. A Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) de Portugal es­cla­re­ce que Orlando Figueira, que exer­ceu fun­ções co­mo ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Portugal en­tre Se­tem­bro de 1990 e Se­tem­bro de 2012, foi acu­sa­do de cor­rup­ção pas­si­va, bran­que­a­men­to (em co-au­to­ria com os ou­tros três ar­gui­dos), vi­o­la­ção de se­gre­do de jus­ti­ça e fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­to (em co-au­to­ria com os res­tan­tes ar­gui­dos). Manuel Vi­cen­te é acu­sa­do de cor­rup­ção ac­ti­va (em co-au­to­ria com os ar­gui­dos Pau­lo Blan­co e Ar­min­do Pi­res), de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais (em co-au­to­ria com os res­tan­tes ar­gui­dos) e fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­to (em co-au­to­ria com os res­tan­tes ar­gui­dos). En­tre os acu­sa­dos es­tão ain­da o ad­vo­ga­do Pau­lo Blan­co, que vai res­pon­der por cor­rup­ção ac­ti­va (em co-au­to­ria com os ar­gui­dos Manuel Vi­cen­te e Ar­min­do Per­pé­tuo Pi­res), bran­que­a­men­to de ca­pi­tais (em co-au­to­ria com os res­tan­tes ar­gui­dos), vi­o­la­ção de se­gre­do de jus­ti­ça e fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­to (tam­bém em co-au­to­ria com os res­tan­tes ar­gui­dos). O ar­gui­do Ar­min­do Pi­res, re­pre­sen­tan­te em Portugal de Manuel Vi­cen­te, foi acu­sa­do de cor­rup­ção ac­ti­va (em co-au­to­ria com os ar­gui­dos Pau­lo Blan­co e Manuel Vi­cen­te), bran­que­a­men­to de ca­pi­tais (em co-au­to­ria com os

res­tan­tes ar­gui­dos) e fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­to (em co-au­to­ria com os res­tan­tes ar­gui­dos). A Ope­ra­ção Fizz in­ves­ti­gou o re­ce­bi­men­to de con­tra­par­ti­das por par­te do ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, Orlando Figueira, sus­pei­to de fa­vo­re­cer in­te­res­ses de ter­cei­ros, em dois pro­ces­sos. À da­ta dos fac­tos, Orlando Figueira, que exer­ceu fun­ções no De­par­ta­men­to Cen­tral de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal (DCIAP) en­con­tra­va-se em li­cen­ça sem ven­ci­men­to de lon­ga du­ra­ção des­de Se­tem­bro de 2012. Se­gun­do a PGR, três ar­gui­dos es­tão acu­sa­dos de, em con­ju­ga­ção de es­for­ços, te­rem pa­go a Orlando Figueira, que, na al­tu­ra, tra­ba­lha­va no DCIAP, cer­ca de 760 mil eu­ros e de lhe te­rem da­do ou­tras van­ta­gens, de­sig­na­da­men­te, a co­lo­ca­ção pro­fis­si­o­nal nu­ma ins­ti­tui­ção ban­cá­ria. Em tro­ca, o ma­gis­tra­do ar­qui­vou dois pro­ces­sos, fa­vo­re­cen­do o pre­si­den­te da em­pre­sa an­go­la­na, Manuel Vi­cen­te. Na in­ves­ti­ga­ção fo­ram ar­res­ta­dos e apre­en­di­dos ao ex-pro­cu­ra­dor cer­ca de 512 mil eu­ros, que se en­con­tra­vam em con­tas ban­cá­ri­as por­tu­gue­sas, em co­fres e em con­tas ban­cá­ri­as se­de­a­das no Prin­ci­pa­do de An­dor­ra. Manuel Vi­cen­te foi no­ti­fi­ca­do do des­pa­cho de acu­sa­ção atra­vés de car­ta ro­ga­tó­ria di­ri­gi­da às au­to­ri­da­des an­go­la­nas para de­pois o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co se pro­nun­ci­ar so­bre me­di­das de co­ac­ção a

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.