PAU­LO CATARRO SEMEOU E A RECOMPENSA AÍ ES­TÁ

Folha 8 - - DESTAQUE -

Para sua ma­jes­ta­de o rei de An­go­la, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, “jor­na­lis­ta” bom, e que quer con­ti­nu­ar vi­vo, é aque­le que não viu na­da, na­da ou­viu e que faz tu­do para agra­dar ao re­gi­me de qu­em, aliás, re­ce­be be­nes­ses. O mais re­cen­te pa­ra­dig­ma des­ta te­se chama-se Pau­lo Catarro. Pau­lo Catarro dei­xou a RTP ao fim de 27 anos ao ser­vi­ço da es­ta­ção pú­bli­ca por­tu­gue­sa. A sua de­ci­são, dis­se, foi “mui­to pon­de­ra­da”. Foi cor­res­pon­den­te da RTP em An­go­la des­de 2009. Pou­co tem­po de­pois con­ver­teu-se pro­fis­si­o­nal­men­te ao MPLA, foi-lhe re­ti­ra­da a co­lu­na ver­te­bral e ates­ta­da a con­ta ban­cá­ria. Ho­je é as­ses­sor da mai­or em­pre­sa do re­gi­me, a So­nan­gol. Re­cor­do o que es­cre­vi em 25 de Se­tem­bro de 2011. Nes­se dia afir­mei que o cor­res­pon­den­te da te­le­vi­são pú­bli­ca por­tu­gue­sa (RTP) em An­go­la, Pau­lo Catarro, não co­lo­cou no ar as ima­gens mais ex­pres­si­vas (do pon­to de vis­ta jor­na­lís­ti­co) da ma­ni­fes­ta­ção de ho­je na ca­pi­tal do rei­no de Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. Tra­tou-se de um le­gí­ti­mo di­rei­to edi­to­ri­al? Com cer­te­za que sim. Pe­na é que es­se di­rei­to te­nha si­do exer­ci­do de­pois de um – pre­su­mo que ame­no – diá­lo­go com Gon­çal­ves Inha­ji­ka, as­ses­sor de Edu­ar­do dos Santos. Em­bo­ra pos­sa tra­tar-se, pa­ra­fra­se­an­do um ve­lho ami­go por­tu­guês de Edu­ar­do dos Santos, de seu no­me Jo­sé Só­cra­tes, de uma cam­pa­nha ne­gra con­tra Pau­lo Catarro, o cor­res­pon­den­te da RTP tem a re­pu­ta­ção de ser sim­pá­ti­co com a cau­sa do re­gi­me an­go­la­no. Re­lem­bro. Is­to foi o que es­cre­vi em Se­tem­bro de 2011. Con­ta-se em Lu­an­da (con­ti­nuo a re­cor­dar es­se es­cri­to de 2011) que Pau­lo Catarro foi um dos agre­di­dos na ma­ni­fes­ta­ção do dia 3 Se­tem­bro, em­bo­ra na re­por­ta­gem en­tão en­vi­a­da na­da te­nha di­to so­bre is­so. Di­as de­pois cir­cu­la­ram em Lu­an­da ru­mo­res nun­ca des­men­ti­dos in­si­nu­an­do que te­ria re­ce­bi­do al­gu­ma recompensa por par­te das au­to­ri­da­des an­go­la­nas. O úl­ti­mo ca­pí­tu­lo foi agora es­cri­to. Pau­lo Catarro, en­quan­to su­pos­to jor­na­lis­ta, nun­ca foi sé­rio e as su­as ten­ta­ti­vas para pa­re­cer sé­rio fo­ram sem­pre efé­me­ras. Seja co­mo for, e é sem­pre co­mo o re­gi­me quer, o MPLA con­ti­nua a es­co­lher bem, mui­to bem, qu­em quer em An­go­la. Es­tá no po­der des­de 1975 e, por is­so, con­fun­de país com par­ti­do, par­ti­do com Es­ta­do, Es­ta­do com a fa­mí­lia Edu­ar­do dos Santos. Qu­em no dia 7 de Mar­ço de 2011, a pro­pó­si­to da (não) ma­ni­fes­ta­ção con­tra o re­gi­me de Jo­sé Edu­ar­do dos Santos (o tal pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que, ape­sar de nun­ca ter si­do no­mi­nal­men­te elei­to, es­tá no po­der há 38 anos) viu o no­ti­ciá­rio da RTP e da SIC fi­cou a sa­ber o que é pro­pa­gan­da e o que se apro­xi­ma do Jor­na­lis­mo. A te­le­vi­são ofi­ci­al do re­gi­me por­tu­guês (seja ele so­ci­a­lis­ta, so­ci­al-de­mo­cra­ta ou de­mo­cra­ta-cris­tão) fez, e mui­to bem, um exer­cí­cio de pu­ra pro­pa­gan­da e de ba­ju­la­ção ao re­gi­me an­go­la­no. Já a SIC an­dou mui­to per­to do que é o Jor­na­lis­mo sé­rio e ob­jec­ti­vo. “A RTP, que é sump­tu­o­sa­men­te sus­ten­ta­da pe­lo di­nhei­ro dos con­tri­buin­tes por­tu­gue­ses, de­ve­rá ter igua­la­do o tra­ba­lho da sua con­gé­ne­re an­go­la­na, sen­do de pre­ver que o seu “jor­na­lis­ta” re­si­den­te, Pau­lo Catarro, ve­nha a ser con­de­co­ra­do pe­lo re­gi­me de Edu­ar­do dos Santos”, es­cre­vi nes­se lon­gín­quo 25 de Se­tem­bro de 2011. Não foi ain­da con­de­co­ra­do (sê-lo-á, com cer­te­za, em bre­ve), mas te­ve a cho­ru­da recompensa ao en­trar para es­sa má­qui­na de fa­zer, e rou­bar, di­nhei­ro do Po­vo e que dá pe­lo no­me de So­nan­gol. O re­gi­me an­go­la­no, com a co­ber­tu­ra de mui­tos paí­ses da co­mu­ni­da­de internacional, in­cluin­do Portugal, dá-se ao lu­xo de im­pe­dir a en­tra­da de jor­na­lis­tas que não lhe ga­ran­tam fi­de­li­da­de, bem co­mo de es­co­lher os que – den­tro da fi­de­li­da­de – mais ca­ni­nos são. Pau­lo Catarro, es­tá agora pro­va­do o que es­cre­ve­mos em 2011, é um be­lo exemplar des­ses cães de fi­la. A RTP es­te­ve, es­tá e es­ta­rá, aliás, a se­guir a sua tra­di­ção. Re­cor­do-me que Luís Cas­tro, ou­tro jor­na­lis­ta da te­le­vi­são pú­bli­ca por­tu­gue­sa, es­te­ve em Se­tem­bro de 2008 co­mo en­vi­a­do es­pe­ci­al em Lu­an­da, e de lá fa­lou co­mo se An­go­la fos­se ape­nas o que o re­gi­me quer que se jul­gue que é. Nes­sa al­tu­ra, tal co­mo de­pois Pau­lo Catarro, des­co­briu – o que só revela um atu­ra­do tra­ba­lho jor­na­lís­ti­co – que, en­tre ou­tras pé­ro­las, “Há mui­to para con­tar”, que “An­go­la es­tá em obras”, que os “Mai­o­res ban­cos por­tu­gue­ses es­tão em An­go­la e têm lucros sig­ni­fi­ca­ti­vos”, que “Mi­lha­res de por­tu­gue­ses pro­cu­ram opor­tu­ni­da­des em An­go­la” e que “Es­tas são as pri­mei­ras elei­ções em 16 anos”. Cer­ta­men­te por de­fi­ci­ên­cia mi­nha, nun­ca vi Luís Cas­tro ou Pau­lo Catarro di­zer ao mun­do que mais de 68% da po­pu­la­ção an­go­la­na vi­ve em po­bre­za ex­tre­ma e que a ta­xa es­ti­ma­da de anal­fa­be­tis­mo é de 58%. Cer­ta­men­te por de­fi­ci­ên- cia mi­nha, nun­ca os vi di­zer ao mun­do que mais de 90% da ri­que­za na­ci­o­nal pri­va­da foi sub­traí­da do erá­rio pú­bli­co e es­tá con­cen­tra­da em me­nos de 0,5% da po­pu­la­ção. Cer­ta­men­te por de­fi­ci­ên­cia mi­nha, nun­ca os vi di­zer ao mun­do que a de­pen­dên­cia só­cio-eco­nó­mi­ca a fa­vo­res, pri­vi­lé­gi­os e bens, é o mé­to­do uti­li­za­do pe­lo MPLA para amor­da­çar os an­go­la­nos. Cer­ta­men­te por de­fi­ci­ên­cia mi­nha, nun­ca os vi di­zer ao mun­do que o si­lên­cio de mui­tos, ou omis­são, se de­ve à co­ac­ção e às ame­a­ças do par­ti­do que es­tá no po­der des­de 1975. Cer­ta­men­te por de­fi­ci­ên­cia mi­nha, nun­ca os vi di­zer ao mun­do que An­go­la é um dos paí­ses maus cor­rup­tos do mun­do e que tem a mai­or ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til do mun­do. Cer­ta­men­te por de­fi­ci­ên­cia mi­nha, nun­ca os vi di­zer ao mun­do na­da de subs­tan­ci­al­men­te di­fe­ren­te do que o apre­sen­ta­do pe­lo Jor­nal de An­go­la, pe­la TPA ou pe­la RNA. “Es­tá por­tan­to na al­tu­ra de, co­mo cer­ta­men­te fa­rá o re­gi­me an­go­la­no, Portugal tam­bém con­de­co­rar es­tes pro­fis­si­o­nais pe­los al­tos ser­vi­ços pres­ta­dos aos re­gi­mes ir­mãos de An­go­la e de Portugal”, di­zia eu a ter­mi­nar es­se ar­ti­go es­cri­to em Se­tem­bro de 2011. An­go­la já fez 50% do que se es­pe­ra­va. Deu-lhe um ta­cho na So­nan­gol pe­los al­tos ser­vi­ços pres­ta­dos ao MPLA. Só fi­ca a fal­tar a con­de­co­ra­ção. Se ain­da es­ti­ves­se Miguel Rel­vas no go­ver­no e Pau­lo Catarro já te­ria si­do con­de­co­ra­do por Portugal. Mas os ser­vi­ços pres­ta­dos à cau­sa pe­lo ex-cor­res­pon­den­te da RTP se­rão, creio, re­com­pen­sa­dos em bre­ve.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.