“WE ARE THE CHAMPIONS” (RE­PO­SI­ÇÃO)

Folha 8 - - QUENTE -

UO re­la­tó­rio anu­al da or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) re­gis­tou no ano pas­sa­do pe­la “enié­si­ma” vez um fac­to que em na­da abo­na de bom pa­ra o pres­tí­gio, já de si a cair aos pe­da­ços, da ca­tas­tró­fi­ca (em to­dos os sen­ti­dos) go­ver­na­ção do “Zé­cu­ti­vo”: em 2015, idem em !&, a ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til mais ele­va­da do mun­do é apa­ná­gio do nos­so país, amar­fa­nha­do e pi­sa­do por um re­gi­me des­po­ti­ca­men­te au­to­crá­ti­co. Em An­go­la mor­rem qual­quer coi­sa co­mo 159,6 cri­an­ças por ca­da 1000 na­dos-vi­vos e, no que diz res­pei­to às mães, es­sas, so­frem do mes­mo mal. Nes­ta sen­da, vai de si que não po­de­mos agra­de­cer ao “Zé­cu­ti­vo” es­ta des­gra­ça, que co­lo­ca An­go­la no pe­núl­ti­mo lu­gar do ran­king de mor­ta­li­da­de des­te ti­po, ape­nas com a Ser­ra Le­oa atrás de nós, país no qual se­gun­do a OMS, de acor­do com as mes­mas pro­por­ções, mor­rem ain­da mais mulheres do que em An. Quan­to à es­pe­ran­ça de vi­da, não obs­tan­te os hur­ras de vai­da­de que a de­cla­ra­vam su­pe­ri­or a mais de 60 anos, a ver­da­de é que es­sa es­pe­ran­ça, de acor­do com o mes­mo re­la­tó­rio da OMS, não vai além de 52,4 anos, à fren­te de um úni­co país, a pau­pér­ri­ma Li­bé­ria, com 50,1 anos de ida­de. Obri­ga­do Ze­dú.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.