HISTÓRIAS DO PAS­SA­DO RECENTE

Folha 8 - - DESTAQUE -

Sob o tí­tu­lo “Di­vór­cio li­ti­gi­o­so, por mú­tuo acor­do ou (re)con­ci­li­a­ção?”, o Fo­lha 8 es­cre­via no dia 26 de Abril de 2015: “A pos­si­bi­li­da­de, que em gran­de par­te era uma re­a­li­da­de, da en­tra­da dos hi­per­mer­ca­dos Con­ti­nen­te em An­go­la pa­re­ce ter a cer­ti­dão de óbi­to as­si­na­da. A Sonae e a Con­dis vão di­vor­ci­ar-se. Por mú­tuo acor­do? Tal­vez não.” E foi mes­mo “não”. Isa­bel dos San­tos, bem ao es­ti­lo de­mo­crá­ti­co do seu pai, só acre­di­ta na re­con­ci­li­a­ção des­de que a ou­tra par­te fa­ça o que ela quer. Sim­ples. Pa­ra avan­çar com o pro­jec­to, uma có­pia fi­el do Con­ti­nen­te e que foi sur­ri­pi­a­da à Sonae, no­me­a­da­men­te atra­vés da con­tra­ta­ção de dois pe­sos­pe­sa­dos (Mi­guel Osó­rio e João Se­a­ra) da equi­pa de Pau­lo Aze­ve­do, Isa­bel dos San­tos cri­ou a em­pre­sa Con­ti­dis. Con­ti­dis? Exac­ta­men­te. A an­te­ri­or, a que fo­ra cons­ti­tuí­da em 2011 em par­ce­ria com a Sonae, cha­ma­va- se Con­dis. De há mui­to que a Sonae sa­bia que, a qual­quer mo­men­to, Isa­bel dos San­tos iria dar o gol­pe fa­tal à par­ce­ria. Acre­di­ta­va, con­tu­do, que o fa­ria de for­ma or­to­do­xa. Es­ta­va en­ga­na­da. Nos ne­gó­ci­os, a fi­lha do pre­si­den­te nun­ca no­mi­nal­men­te elei­to e no po­der há 38 anos, não olha a mei­os pa­ra atin­gir os (seus) fins. É ela nos ne­gó­ci­os e o pai na do­mí­nio do país. Até mes­mo quan­do viu dois dos seus qua­dros de to­po zar­par pa­ra Lu­an­da, Pau­lo Aze­ve­do ain­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.