NO BIÉ, FANTASMA DE SAVIMBI AMEDRONTA JOÃO LOU­REN­ÇO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Oca­be­ça-de - -lis­ta do MPLA, João Lou­ren­ço, às elei­ções ge­rais an­go­la­nas pe­de o fo­co pa­ra a iden­ti­fi­ca­ção da ban­dei­ra do par­ti­do no bo­le­tim de vo­to, nos di­as que an­te­ce­dem o es­cru­tí­nio, co­mo for­ma se­gu­ra de ga­ran­tir a vi­tó­ria. Não se­ria me­lhor di­zer aos elei­to­res que es­te­jam des­can­sa­dos que, no ca­so de dú­vi­da, al­guém pre­en­che­rá o bo­le­tim de vo­to com o X no MPLA? João Lou­ren­ço des­lo­cou-se à pro­vín­cia do Bié pa­ra um ac­to po­lí­ti­co, no âm­bi­to da cam­pa­nha pa­ra as elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to e, pe­ran­te mi­lha­res de pes­so­as (são sem­pre mi­lha­res e mi­lha­res), o can­di­da­to do MPLA lem­brou que che­gou o mês de Agos­to e o plei­to elei­to­ral é já uma ques­tão de di­as. Lem­bran­ça opor­tu­na, es­tá bom de ver. Se­gun­do o tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do MPLA, ain­da há tem­po pa­ra se re­a­li­zar o que ain­da não foi fei­to ou dar-se con­ti­nui­da­de ao que já co­me­çou a ser fei­to, no­me­a­da­men­te a edu­ca­ção pa­ra o vo­to. “Es­ses 21 di­as não fa­ça­mos ou­tra coi­sa se­não en­si­nar os nos­sos ci­da­dãos a vo­tar bem, no qua­tro [po­si­ção no bo­le­tim de vo­to], no MPLA, na ban­dei­ra do MPLA”, dis­se João Lou­ren­ço, acres­cen­tan­do que a ma­nei­ra mais sim­ples é com a iden­ti­fi­ca­ção da ban­dei­ra. Cá pa­ra nós a ma­nei­ra mais fá­cil, co­mo acon­te­ceu nou­tras elei­ções, é dei­xar es­sa ta­re­fa a car­go dos fun­ci­o­ná­ri­os do par­ti­do. Eles não se en­ga­na­rão. E se, co­mo no pas­sa­do, apa­re­ce­rem mais vo­tos do que vo­tan­tes ins­cri­tos… a far­ra con­ti­nua. “A nos­sa ban­dei­ra é bas­tan­te co­nhe­ci­da, nin­guém po­de di­zer que não co­nhe­ce a nos­sa ban­dei­ra, num des­ses co­mí­ci­os, a brin­car, eu di­zia que a nos­sa ban­dei­ra é mais co­nhe­ci­da que a Co­ca-co­la”, dis­se, nu­ma alu­são à ban­dei­ra na­ci­o­nal an­go­la­na que é uma ré­pli­ca da ban­dei­ra do MPLA. “Por­tan­to, é a ban­dei­ra, os edu­ca­do­res pa­ra o vo­to de­vem agar­rar-se à ban­dei­ra, o can­di­da­to, por mui­to que se­ja co­nhe­ci­do, não po­de ser mais co­nhe­ci­do que a ban­dei­ra do MPLA, is­so é im­pos­sí­vel”, ad­mi­tiu, re­for­çan­do que com a lo­ca­li­za­ção da ban­dei­ra, o MPLA tem “a vi­tó­ria as­se­gu­ra­da”. Tem, sim se­nhor. Aliás, é pa­ra is­so que tra­ba­lha (is­to é co­mo quem diz) há 42 anos. No seu dis­cur­so de qua­se uma ho­ra, o can­di­da­to do MPLA re­fe­riu-se igual­men­te ao pas­sa­do his­tó­ri­co da pro­vín­cia do Bié, for­te­men­te atin­gi­da no pe­río­do de gu­er­ra ci­vil, con­si­de­ran­do que a mes­ma “de­ve­ria pas­sar pa­ra a his­tó­ria co­mo a ci­da­de do per­dão”. Per­dão que o re­gi­me de João Lou­ren­ço con­fun­de com sub­mis­são. Pa­ra João Lou­ren­ço, a pro- vín­cia do Bié e a sua ca­pi­tal, Kui­to, são a “ci­da­de do per­dão, da to­le­rân­cia”, por te­rem sa­bi­do “per­do­ar, se­rem to­le­ran­tes ao pon­to de te­rem con­tri­buí­do bas­tan­te pa­ra que a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal en­tre os an­go­la­nos vin­gas­se”. Re­con­ci­li­a­ção? Es­sa só con­ta­ram pa­ra João Lou­ren­ço que, co­mo mi­nis­tro da De­fe­sa, deu o exem­plo de­que o mais im­por­tan­te pa­ra o re­gi­me é a ra­zão da for­ça e não a for­ça da ra­zão. Re­con­ci­li­a­ção pe­la for­ça é co­mo acon­te­cia du­ran­te o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, em que os che­fes do pos­to apre­sen­ta­vam à so­ci­e­da­de os “vo­lun­tá­ri­os de­vi­da­men­te amar­ra­dos”. João Lou­ren­ço pe­diu o vo­to do po­vo do Bié, pa­ra aca­bar com a fo­me, po­bre­za e a mi­sé­ria, que ain­da gras­sa por al­gu­mas re­giões do país, re­ac­ti­van­do a agri­cul­tu­ra e a in­dús­tria, pro­mo­ven­do mi­lha­res de em­pre­gos pa­ra a ju­ven­tu­de. Is­to é, o MPLA pro­me­te fa­zer ago­ra o que o MPLA não fez du­ran­te 42 anos. Sem ci­tar no­mes, dei­xan­do a iden­ti­fi­ca­ção pa­ra os mi­li­tan­tes, o ca­be­ça-de-lis­ta do MPLA re­cor­dou que o país já te­ve num pas­sa­do re­cen­te um po­ten­ci­al de in­dús­tri­as, no en­tan­to, des­truí­das em tem­po de gu­er­ra. Gu­er­ra em que, co­mo to­dos sa­be­mos, só as ba­las, as bom­bas, as mi­nas da UNITA ma­ta­vam o Po­vo. As do MPLA, in­te­li­gen­tes, pa­ra­vam e per­gun­ta­vam: és Po­vo? Se era… elas des­vi­a­vam. “Va­mos re­por as in­dús­tri­as, não só pa­ra que vol­te­mos a pro­du­zir os bens in­dus­tri­ais, mas so­bre­tu­do pa­ra re­sol­ver­mos um pro­ble­ma, que é o em­pre­go. Aque­les que des­truí­ram a in­dús­tria e, con­se­quen­te­men­te, des­truí­ram os pos­tos de tra­ba­lho que a in­dús­tria ofe­re­cia são os mes­mos que ho­je vêm di­zer que a ju­ven­tu­de não tem em­pre­go”, acu­sou. Ora aí es­tá. A cul­pa só po­de ser da­que­les que des­truí­ram tu­do e ma­ta­ram qua­se to­dos. A UNITA, é cla­ro. Aliás, um dia des­tes ain­da se pro­va­rá que os mas­sa­cres do 27 de Maio de 1977 fo­ram le­va­dos a ca­bo pe­la UNITA sob co­man­do de Jo­nas Savimbi. Mas atra­sa­do es­tá o dos­si­er em que o MPLA tra­ba­lha pa­ra pro­var que Savimbi tam­bém foi res­pon­sá­vel pe­lo ho­lo­caus­to na­zi. “Ho­je com mai­or des­ca­ra­men­to vêm di­zer que a ju­ven­tu­de não tem em­pre­go. Va­mos cri­ar mi­lha­res de pos­tos de tra­ba­lho pa­ra a nos­sa ju­ven­tu­de. Os que des­truí­ram os pos­tos de tra­ba­lho vão ser pe­na­li­za­dos e du­ra­men­te pe­na­li­za­dos (…) va­mos cas­ti­gá-los no vo­to, é a me­lhor for­ma de os cas­ti­gar”, fri­sou o can­di­da­to que, pe­los vis­tos, na­da tem a ver com o pas­sa­do do MPLA pois, as­se­gu­ram-nos fon­tes do re­gi­me, só on­tem (ou te­rá si­do ho­je?) che­gou a An­go­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.