OB­SER­VA­DO­RES TE­RÃO UM ÁRDUO E PENOSO TRA­BA­LHO

Folha 8 - - DESTAQUE -

ACo­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) cre­den­ci­ou já mil ob­ser­va­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, pa­ra as elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to, en­tre os quais o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res de An­go­la. O iti­ne­rá­rio tu­rís­ti­co e gas­tro­nó­mi­co es­tá a ser ul­ti­ma­do pe­lo MPLA. Ge­or­ges Chi­ko­ti foi cre­den­ci­a­do no dia 09.08, co­mo co­or­de­na­dor da co­mis­são de acom­pa­nha­men­to dos ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais. Não es­tá mal. Um mi­nis­tro a acom­pa­nhar os (su­pos­tos) ob­ser­va­do­res de mo­do a que, por exem­plo, ne­nhum de­les se­ja apa­nha­do no meio do ca­pim pe­los car­ní­vo­ros kis­son­des. O go­ver­nan­te an­go­la­no re­al­çou a for­ma or­ga­ni­za­da co­mo es­tá a de- cor­rer o pro­ces­so de cre­den­ci­a­ção, sa­li­en­tan­do que a co­mis­são que co­or­de­na vai acom­pa­nhar e cri­ar con­di­ções pa­ra que os ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais se­jam de­vi­da­men­te aco­mo­da­dos e re­a­li­zem o seu tra­ba­lho de ob­ser­va­ção. Is­so in­clui­rá cer­ta­men­te ro­tei­ros tu­rís­ti­cos e gas­tro­nó­mi­cos de al­to ga­ba­ri­to. “Acho que o pro­ces­so es­tá de­vi­da­men­te bem pre­pa­ra­do, bem or­ga­ni­za­do, acho que ago­ra res­tam a re­a­li­za­ção das pró­pri­as elei­ções, mas pen­so eu que em ter­mos da sua pró­pria or­ga­ni­za­ção a Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral fez o seu tra­ba­lho”, dis­se o mi­nis­tro. E fez bem, se­nhor mi­nis­tro. E fez mui­to bem, ou não fos­se uma su­cur­sal do re­gi­me. Por sua vez a por­ta-voz da CNE, Jú­lia Fer­rei­ra, con­si­de­rou po­si­ti­vo o pro­ces­so, ini­ci­a­do no dia 06.08, de cre­den­ci­a­men­to dos ob­ser­va­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, a de­cor­rer nes­te mo­men­to. Jú­lia Fer­rei­ra dis­se que não es­tão cre­den­ci­a­dos mais ob­ser­va­do­res na­ci­o­nais por de­bi­li­da­des in­ter­nas de al­gu­mas or­ga­ni­za­ções. “De to­do o mo­do te­mos es­ta­do a cri­ar fa­ci­li­da­des, te­mos es­ta­do a tra­ba­lhar até aos fins-de-se­ma­na no sen­ti­do de pos­si­bi­li­tar que, num tem­po con­si­de­ra­do ra­zoá­vel, nós con­si­ga­mos fi­na­li­zar es­se pro­ces­so, por­que de­pois pre­ten­de­mos tam­bém fa­zer a for­ma­ção, a ca­pa­ci­ta­ção dos ob­ser­va­do­res e qu­e­re­mos to­das es­sas ta­re­fas que a CNE pla­ni­fi­cou se­jam fei­tas em tem­po útil”, dis­se. Da­va jei­to ser em tem­po útil. Is­so da­va! Mas se não pu­de tam­bém não ha­ve­rá pro­ble­mas se as ta­re­fas de ca­pa­ci­ta­ção dos ob­ser­va­do­res ter­mi­na­rem já

de­pois das elei­ções. Pa­ra o que eles vêm cá fa­zer es­ta­rá sem­pre bem. O pro­ces­so de cre­den­ci­a­men­to pre­vê só de ele­men­tos na­ci­o­nais até 3.000 pes­so­as, e já fo­ram cre­den­ci­a­dos ele­men­tos de igre­jas e al­tos fun­ci­o­ná­ri­os e dig­ni­tá­ri­os do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res na qua­li­da­de de ob­ser­va­do­res na­ci­o­nais. An­go­la vai re­a­li­zar elei­ções ge­rais a 23 de Agos­to des­te ano, com seis for­ma­ções po­lí­ti­cas con­cor­ren­tes – MPLA, UNITA, CA­SA-CE, PRS, FNLA e APN – con­tan­do com 9.317.294 elei­to­res em con­di­ções de vo­tar. Os que não es­ti­ve­rem em con­di­ções de vo­tar, tal co­mo em 2008 e 2012, po­de­rão mes­mo as­sim vo­tar des­de que se­ja no MPLA. A CNE cons­ti­tuiu 12.512 as­sem­blei­as de vo­to, que in­clu­em 25.873 me­sas de vo­to, al­gu­mas a se­rem ins­ta­la­das em es­co­las e em ten­das por to­do o país, com o es­cru­tí­nio cen­tra­li­za­do nas ca­pi­tais de pro- vín­cia e em Lu­an­da. Na lis­ta do MPLA, no po­der em An­go­la des­de 1975, en­tre­gue à CNE fi­gu­ram con­vi­tes a di­ri­gir a par­ti­dos co­mo PS, PSD, PCP e CDS-PP, de Por­tu­gal, mas tam­bém ao PT, do Bra­sil, ao par­ti­do co­mu­nis­ta chi­nês, ao PSOE, de Es­pa­nha, ao PAICV, de Ca­bo Ver­de, à FRELIMO, de Mo­çam­bi­que, à SWAPO, da Na­mí­bia, e à In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta (da qual faz par­te), en­tre ou­tras for­ças po­lí­ti­cas da Re­pú­bli­ca do Con­go, do Vi­et­na­me, do Zim­ba­bué e da Sué­cia. Pa­ra con­fir­mar que PSD, CDS-PP e PCP são im­po­lu­tas, ho­no­rá­veis e equi­dis­tan­tes or­ga­ni­za­ções, re­cor­de-se que es­tes par­ti­dos re­jei­ta­ram no dia 8 de Ja­nei­ro de 2016 um vo­to de con­de­na­ção apre­sen­ta­do pe­lo Blo­co de Es­quer­da so­bre a “re­pres­são em An­go­la” e com um ape­lo à li­ber­ta­ção dos ac­ti­vis­tas en­tão de­ti­dos. Nes­te ca­so o PS abs­te­ve-se. Es­te vo­to do Blo­co de Es- quer­da, po­rém, con­tou ain­da com o apoio de seis de­pu­ta­dos so­ci­a­lis­tas (Ale­xan­dre Quin­ta­ni­lha, Isa­bel Mo­rei­ra, Inês de Me­dei­ros, Isa­bel San­tos, Pe­dro Del­ga­do Al­ves e Wan­da Gui­ma­rães), além do re­pre­sen­tan­te do PAN (Pes­so­as Ani­mais e Na­tu­re­za). O PCP (ir­mão gé­meo do MPLA) de­mar­cou-se to­tal­men­te des­ta ini­ci­a­ti­va do Blo­co de Es­quer­da, apre­sen­tan­do uma de­cla­ra­ção de vo­to na qual se ad­ver­tiu que ou­tras for­ças po­lí­ti­cas “não po­de­rão con­tar” com os co­mu­nis­tas “pa­ra ope­ra­ções de de­ses­ta­bi­li­za­ção de An­go­la”. “Rei­te­ran­do a de­fe­sa e a ga­ran­tia das li­ber­da­des e di­rei­tos dos ci­da­dãos, ca­be às au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais an­go­la­nas o tra­ta­men­to de pro­ces­sos que re­cai­am no seu âm­bi­to, de acor­do com a or­dem ju­rí­di­co- cons­ti­tu­ci­o­nal, não de­ven­do a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca in­ter­fe­rir so­bre o de­sen­ro­lar dos mes­mos, pre­ju­di­can­do as re­la­ções de ami­za­de e co­o­pe­ra­ção en­tre o po­vo por­tu­guês e o po­vo an­go­la­no”, lê-se na de­cla­ra­ção de vo­to apre­sen­ta­da pe­la ban­ca­da or­to­do­xa, mar­xis­ta, le­ni­nis­ta, nor­te-co­re­a­na e bo­li­va­ri­a­na do PCP. Por ou­tro la­do, com a abs­ten­ção do PSD e do CDS-PP, a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca de Por­tu­gal apro­vou um vo­to apre­sen­ta­do pe­lo Blo­co de Es­quer­da con­de­na­ção pe­la mor­te de três ac­ti­vis­tas cur­das e fe­mi­nis­tas Sê­vê De­mir, Pa­ki­ze Nayir e Fat­ma Uyar na sequên­cia de uma ope­ra­ção mi­li­tar tur­ca. Pa­ra além de pôr de jo­e­lhos e de mão es­ten­di­da po­lí­ti­cos co­mo Jo­sé Só­cra­tes, Pas­sos Co­e­lho, Pau­lo Por­tas, Je­ró­ni­mo de Sousa e Ca­va­co Sil­va, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos jun­tou ago­ra ao seu sé­qui­to e de for­ma ofi­ci­al o pri­mei­ro-mi­nis­tro An­tó­nio Cos­ta e, ao que tu­do in­di­cia, o pró­prio Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa. Com to­do es­te su­por­te ba­ju­la­dor, Edu­ar­do dos San­tos pri­mei­ro e João Lou­ren­ço a se­guir en­chem o pei­to e a ga­ran­tem que os an­go­la­nos não vão dei­xar que “os men­ti­ro­sos, os de­ma­go­gos e os ca­lu­ni­a­do­res che­guem ao po­der”. “Aque­les que tei­mam em fo­men­tar agi­ta­ção, ins­ta­bi­li­da­de e ne­gar o que to­da a gen­te tem di­an­te dos olhos te­rão a de­vi­da res­pos­ta nas ur­nas”, avi­sou Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. E se não for nas ur­nas elei­to­rais se­rá nas ur­nas fu­ne­rá­ri­as. Mas, afi­nal, quem são os men­ti­ro­sos, de­ma­go­gos e ca­lu­ni­a­do­res? De uma for­ma ge­ral são to­dos aque­les que não ali­nham no MPLA. São, por is­so, to­dos aque­les que – en­tre uma pa­nó­plia de ra­zões – não que­rem que An­go­la se­ja um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, que te­nha o mai­or ín­di­ce mun­di­al de mor­ta­li­da­de in­fan­til, que te­nha 20 mi­lhões de po­bres.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.