VIN­GAN­ÇA DO MPLA SER­VE-SE… FRIA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Em Se­tem­bro de 2015, Ana Go­mes acu­sou a UE de per­mi­tir o si­len­ci­a­men­to de “prá­ti­cas cor­rup­tas gri­tan­tes em An­go­la”, trans­for­man­do nu­ma “pa­ró­dia” os prin­cí­pi­os da ONU so­bre o res­pei­to pe­los Di­rei­tos Hu­ma­nos. A po­si­ção cons­ta do re­la­tó­rio que Ana Go­mes pro­du­ziu so­bre a vi­si­ta a Lu­an­da, en­tre 26 de Ju­lho e 2 de Agos­to des­se ano, en­vi­a­do ao Par­la­men­to Eu­ro­peu com a so­li­ci­ta­ção de “uma re­so­lu­ção de ur­gên­cia so­bre a si­tu­a­ção de Di­rei­tos Hu­ma­nos em An­go­la”. Es­sa vi­si­ta da eu­ro­de­pu­ta­da, que en­vol­veu reu­niões com ele­men­tos do Go­ver­no an­go­la­no, po­lí­ti­cos, jor­na­lis­tas e ele­men­tos da so­ci­e­da­de ci­vil, foi re­a­li­za­da a con­vi­te da As­so­ci­a­ção Jus­ti­ça, Paz e De­mo­cra­cia, com Ana Go­mes a apre­sen­tar nes­se re­la­tó­rio vá­ri­as re­co­men­da­ções às ins­tân­ci­as eu­ro­pei­as, tam­bém ten­do em con­ta o apoio co­mu­ni­tá­rio a pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to em An­go­la. En­tre as re­co- men­da­ções, e na qua­li­da­de de mem­bro do Par­la­men­to Eu­ro­peu e da sub­co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos da União Eu­ro­peia, Ana Go­mes ape­la­va à UE pa­ra que não pros­si­ga com uma po­lí­ti­ca de “si­len­ci­a­men­to de prá­ti­cas cor­rup­tas gri­tan­tes em An­go­la, o que faz uma pa­ró­dia dos prin­cí­pi­os das Na­ções Uni­das so­bre di­rei­tos hu­ma­nos e res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al em­pre­sa­ri­al, o pro­ces­so de Kim­ber­ley [ex­plo­ra­ção de di­a­man­tes] e re­gu­la­ção an­ti-la­va­gem de di­nhei­ro”. Du­ran­te a vi­si­ta a Lu­an­da, na al­tu­ra du­ra­men­te cri­ti­ca­da pe­las es­tru­tu­ras e di­ri­gen­tes do MPLA, par­ti­do no po­der des­de 1975 e di­ri­gi­do por Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca nun­ca no­mi­nal­men­te elei­to e há 368 anos no po­der, com Ana Go­mes a ser acu­sa­da de “in­ge­rên­cia” nos as­sun­tos na­ci­o­nais, a eu­ro­de­pu­ta­da afir­ma ter “con­fir­ma­do a rá­pi­da de­te­ri­o­ra­ção da si­tu­a­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos” e da li­ber­da­de de ex­pres­são no país. No re­la­tó­rio, a eu­ro­de­pu­ta­da por­tu­gue­sa re­fe­ria-se por vá­ri­as ve­zes à si­tu­a­ção dos 15 jo­vens ac­ti­vis­tas en­tão de­ti­dos em Lu­an­da, ofi­ci­al­men­te sus­pei­tos de pre­pa­ra­rem um gol­pe de Es­ta­do, e à do ac­ti­vis­ta Jo­sé Mar­cos Ma­vun­go. “Além de dis­cre­tas di­li­gên­ci­as di­plo­má­ti­cas so­bre ca­sos in­di­vi­du­ais, é cru­ci­al que a UE se­ja vis­ta co­mo es­tan­do aten­ta aos Di­rei­tos Hu­ma­nos, no­me­a­da­men­te so­bre a de­ten­ção dos pre­sos po­lí­ti­cos e a cre­di­bi­li­da­de de seus jul­ga­men­tos, que pre­ci­sam de ser ob­ser­va­dos”, re­fe­ria Ana Go­mes no re­la­tó­rio em que era ain­da re­cla­ma­do o apu­ra­men­to da ver­da­de – atra­vés da “pres­são” eu­ro­peia – so­bre os con­fron­tos mor­tais en­tre a po­lí­cia e se­gui­do­res da sei­ta “A luz do mun­do” (ca­so Ka­lu­pe­te­ka), em Abril de 2015, na pro­vín­cia do Hu­am­bo. Ana Go­mes con­cluía que a la­va­gem de di­nhei­ro é uma “for­ma ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da” de os di­ri­gen­tes do re­gi­me an­go­la­no trans­fe­ri­rem o pro­du­to da “pi­lha­gem do Es­ta­do” pa­ra a “se­gu­ran­ça do sis­te­ma fi­nan­cei­ro e imo­bi­liá­rio eu­ro­peu”, e “mui­tas ve­zes com a cum­pli­ci­da­de ac­ti­va” das em­pre­sas, ins­ti­tui­ções, ad­vo­ga­dos e go­ver­nos oci­den­tais, no­me­a­da­men­te da Eu­ro­pa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.