IN­TER­NA­CI­O­NAL SÓ­CI­OS-À-LIS­TA

Folha 8 - - DESTAQUE -

O MPLA per­ten­ce à In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta. O por­tu­guês PS tam­bém. Ana Go­mes é uma eu­ro­de­pu­ta­da do PS que, con­tu­do, tem mos­tra­do que o rei Edu­ar­do dos San­tos e o seu re­gi­me vão nus. João So­a­res diz o mes­mo. A In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta, mau gra­do uma ou ou­tra voz dis­cor­dan­te, con­ti­nua na po­si­ção em que mais gos­ta de es­tar e que, aliás, pa­re­ce es­tar no seu ADN: de có­co­ras pe­ran­te as di­ta­du­ras ri­cas de Áfri­ca. E as­sim sen­do, não se can­sa de elo­gi­ar o MPLA, mes­mo sa­ben­do que o re­gi­me es­tá no to­po dos mais cor­rup­tos e vi­o­la­do­res dos di­rei­tos hu­ma­nos, en­tre ou­tras “qua­li­da­des”, atri­buin­do-lhe os mé­ri­tos de uma não só boa co­mo exem­plar go­ver­na­ção. Não fos­se o dra­ma do Po­vo e até se­ria uma ane­do­ta sim­pá­ti­ca. Não dei­xa, con­tu­do, de ser uma efi­ci­en­te ope­ra­ção de bran­que­a­men­to. A In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta foi fun­da­da em 1951. Es­tá se­di­a­da em Lon­dres, In­gla­ter­ra, con­gre­ga 168 par­ti­dos so­ci­al-de­mo­cra­tas, so­ci­a­lis­tas e tra­ba­lhis­tas, ex- mar­xis­tas- le­ni­nis­tas, au­to­crá­ti­cos, di­ta­to­ri­ais e si­mi­la­res des­de que es­te­jam no po­der e te­nham ri­que­zas subs­tan­ci­ais, pou­co im­por­tan­do que se­jam rou­ba­das ao Po­vo. Cer­ca de 60 dos seus fi­li­a­dos es­tão no Go­ver­no dos seus paí­ses. No re­gi­me po­lí­ti­co por­tu­guês, o MPLA co­lhe apoi­os na (qua­se) to­ta­li­da­de do es­pec­tro par­ti­dá­rio. Des­de o Par­ti­do Co­mu­nis­ta, de quem re­ce­beu o po­der aquan­do da in­de­pen­dên­cia, à ex-mai­o­ria go­ver­na­men­tal, so­ci­al-de­mo­cra­ta e de­mo­cra­ta cris­tã. Es­tá ain­da for­te­men­te ir­ma­na­do com o Par­ti­do So­ci­a­lis­ta, seu par­cei­ro na In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta, ba­ju­la­dor de pri­mei­ra li­nha e in­ver­te­bra­do há lon­gos anos. Só por me­ro des­co­nhe­ci­men­to dos elo­gi­os da In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta ao MPLA é que a or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal Cor­rup­ti­on Wat­ch con­de­na a de­ci­são da Suí­ça de não re­a­brir o ca­so “An­go­la­ga­te”, uma de­ci­são que põe em cau­sa a von­ta­de das au­to­ri­da­des suí­ças de aca­bar com o cri­me fi­nan­cei­ro. “Ob­vi­a­men­te, tan­to nós, Cor­rup­ti­on Wat­ch, no Reino Uni­do, co­mo a As­so­ci­a­ção Mãos Li­vres, em An­go­la, es­ta­mos ex­tre­ma­men­te de­sa­pon­ta­dos e sur­pre­sos pe­ran­te es­ta de­ci­são”, dis- se na al­tu­ra o seu di­rec­tor, An­drew Feins­tein. Re­cor­de-se que, em Abril de 2013, um re­la­tó­rio in­ti­tu­la­do “O acor­do cor­rup­to de dí­vi­da An­go­la-rús­sia” ser­viu de ba­se a uma de­nún­cia pe­nal, ago­ra des­car­ta­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co suí­ço, que con­si­de­ra que es­ta de­nún­cia [de ci­da­dãos an­go­la­nos e da Cor­rup­ti­on Wat­ch] não apre­sen­ta ne­nhum ele­men­to no­vo que jus­ti­fi­que uma re­a­ber­tu­ra do pro­ce­di­men­to”. A ra­zão é, con­tu­do, ou­tra. Tu­do se de­ve ao fac­to de o ca­so cri­ar uma sé­rie de di­fi­cul­da­des em re­la­ção a in­for­ma­ções adi­ci­o­nais so­bre cor­ren­tes de di­nhei­ro que po­dem es­tar li­ga­das à corrupção atra­vés de con­tas ban­cá­ri­as suí­ças. An­go­la é uma di­ta­du­ra? For­mal- men­te não, de fac­to sim. Mas o que é que is­so im­por­ta à In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta? A es­ta or­ga­ni­za­ção – co­mo à CPLP, à UA, à ONU – só in­te­res­sa sa­ber se tem pe­tró­leo. Se tem, e tem mui­to, coi­sas me­no­res co­mo os di­rei­tos hu­ma­nos, a de­mo­cra­cia, a li­ber­da­de, a ci­da­da­nia, a jus­ti­ça so­ci­al são mes­mo is­so – me­no­res. Co­mo diz o MPLA, se­ja pe­la bo­ca dos seus di­ri­gen­tes ou atra­vés dos si­pai­os es­pa­lha­dos pe­los areó­pa­gos de Lu­an­da e Lis­boa, nin­guém dá cré­di­to a par­ti­dos co­mo o por­tu­guês Blo­co de Es­quer­da que, en­tre ou­tras coi­sas, acu­sou o Go­ver­no de Pas­sos Co­e­lho de ad­mi­rar “ti­ra­nos” e de se re­me­ter a “si­lên­ci­os” em ma­té­ria de po­lí­ti­ca ex­ter­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.