SÓ O MPLA EXIS­TE

Folha 8 - - DESTAQUE -

AHu­man Rights Wat­ch con­si­de­ra (já se per­dem a con­ta às ve­zes que o fez) co­mo “de­ve­ras pre­o­cu­pan­te” a for­ma co­mo es­tá a ser ve­da­do à opo­si­ção em An­go­la o aces­so aos mei­os de co­mu­ni­ca­ção pú­bli­cos (leia-se do re­gi­me/mpla) do país, a pou­cos di­as das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to. “O aces­so aos mei­os es­ta­tais pú­bli­cos de in­for­ma­ção por par­te dos par­ti­dos po­lí­ti­cos an­go­la­nos é de­ve­ras pre­o­cu­pan­te”, dis­se Ze­nai­da Ma­cha­do, de­le­ga­da da Hu­man Rights Wat­ch em Jo­a­nes­bur­go, na Áfri­ca do Sul, res­pon­sá­vel na or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal pe­los as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos com os paí­ses de lín- gua por­tu­gue­sa na Áfri­ca Aus­tral. Es­te “pro­ble­ma” de “di­vi­são” do tem­po e es­pa­ço no­ti­ci­o­so dis­po­ní­veis de for­ma jus­ta en­tre os par­ti­dos po­lí­ti­cos, foi “ex­ten­si­va­men­te fa­la­do den­tro de An­go­la an­tes das elei­ções e es­tá a ser ain­da mais gra­ve” du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral em cur­so, acres­cen­tou a mes­ma res­pon­sá­vel. “A HRW es­te­ve, por exem­plo, a mo­ni­to­ri­zar a ac­ti­vi­da­de da im­pren­sa no dia do iní­cio da cam­pa­nha elei­to­ral e ve­ri­fi­cou que nes­se dia mais de 60% do tem­po foi da­do ao can­di­da­to do par­ti­do no po­der e ao par­ti­do no po­der”, o MPLA, ilus­trou Ze­nai­da Ma­cha­do. “O di­rei­to à in­for­ma­ção é um di­rei­to hu­ma­no. No ter­ri­tó­rio an­go­la­no, a mai­or par­te das pes­so­as de­pen­de dos ór­gãos es­ta­tais pa­ra ter aces­so à in­for­ma­ção e os an­go­la­nos pre­ci­sam de ter es­se aces­so an­tes das elei­ções de dia 23 de Agos­to”, re­for­çou a ac­ti­vis­ta. Ten­do em con­ta “as res­tri­ções à li­ber­da­de de im­pren­sa em An­go­la, em que in­fe­liz­men­te não exis­tem ou­tras al­ter­na­ti­vas à in­for­ma­ção fo­ra de Lu­an­da, as pes­so­as têm aces­so aos ór­gãos es­ta­tais”, re­for­çou ain­da. Ora, “é pre­ci­so que os ór­gãos es­ta­tais obe­de­çam à pró­pria lei an­go­la­na, que os obri­ga a co­brir a ac­ti­vi­da­de dos par­ti­dos po­lí­ti­cos da mes­ma for­ma”, con­cluiu Ze­nai­da Ma­cha­do. A HRW re­ce­beu, por ou­tro la­do, “re­la­tos preo- cu­pan­tes” de ata­ques con­tra fi­gu­ras po­lí­ti­cas du­ran­te o exer­cí­cio da cam­pa­nha elei­to­ral, cu­jas in­ves­ti­ga­ções por par­te das au­to­ri­da­des an­go­la­nos es­tão a ser “bas­tan­te len­tas”. Re­co­nhe­ça-se, con­tu­do, que es­sa len­ti­dão é com­pre­en­sí­vel. É que, pa­ra as au­to­ri­da­des que de­ve­ri­am ser do país mas que ape­nas são do MPLA, as ví­ti­mas não são pro­pri­a­men­te ci­da­dãos e mui­to me­nos an­go­la­nos. “Nós ape­la­mos ao Go­ver­no an­go­la­no que con­clua es­tas in­ves­ti­ga­ções o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel, des­cu­bra quem são as pes­so­as res­pon­sá­veis por es­tes ata­ques e que as le­ve pe­ran­te a jus­ti­ça”, dis­se a res­pon­sá­vel da ONG que, in­ge­nu­a­men­te, opi­na co­mo se An­go­la fos­se o que nun­ca foi nos seus 42 anos de in­de­pen­dên­cia: uma de­mo­cra­cia e um Es­ta­do de Di­rei­to. “A fal­ta de uma me­di­da efec­ti­va con­tra ca­sos co­mo es­tes, que po­dem qua­li­fi­car-se co­mo de mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca, du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral in­ti­mi­da os can­di­da­tos que es­tão a par­ti­ci­par nes­tas elei­ções”, con­cluiu Ze­nai­da Ma­cha­do. Um dos ca­sos re­por­ta­do pe­la HWR acon­te­ceu no iní­cio da se­ma­na pas­sa­da, em que três de­pu­ta­dos da UNITA fo­ram ata­ca­dos em Ben­gue­la. Ou­tro in­ci­den­te en­vol­veu a mor­te de um mem­bro sé­ni­or da UNITA no Hu­am­bo, fa­le­ci­do no dia 31 de Ju­lho, na sequên­cia de um ata­que du­ran­te em que ou­tras se­te pes­so­as fi­ca­ram fe­ri­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.