CONCILIAÇÃO EN­TRE HO­MENS DE BEM

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­bao@hot­mail.com

Há si­tu­a­ções di­fí­ceis de ex­pli­car (e até, mui­tas ve­zes, de en­ten­der) e ul­tra­pas­sar, pe­lo mal que pro­vo­cam na vi­da fa­mi­li­ar, pro­fis­si­o­nal e so­ci­al das pes­so­as. Na vi­da que, por ser lon­ga­men­te cur­ta, às ve­zes ter­mi­na an­tes de ter­mos tem­po de abra­çar o com­pa­nhei­ro, ou par­cei­ro, do la­do. Os er­ros, as po­si­ções con­tun­den­tes, as ide­o­lo­gi­as, a in­to­le­rân­cia, quan­do des­fe­ri­das sem jus­ta cau­sa, com o úni­co pro­pó­si­to de pro­vo­car mal a ou­trem, cau­sam fe­ri­das e da­nos inul­tra­pas­sá­veis, ca­pa­zes de co­lo­ca­rem au­tor e ofen­di­do em cam­pos di­a­me­tral­men­te opos­tos e sem uma vi­sí­vel pon­te que per­mi­ta o re­tor­no, o re­en­con­tro. Nes­te cam­po, pe­la­do ou rel­va­do, ca­da um, ali­cer­çan­do as ar­mas de ar­re­mes­so em sua pos­se, co­lo­ca no mas­tro a Lei de Ta­lião: “olho por olho, den­te por den­te”, acre­di­tan­do com es­ta ac­ção, la­var a hon­ra fe­ri­da e o sa­rar das fe­ri­das cau­sa­das pe­la in­fâ­mia, de­son­ra, di­fa­ma­ção ou ca­lú­nia pú­bli­ca. Se a op­ção é cer­ta ou er­ra­da, nin­guém sa­be, mas as má­go­as da con­fron­ta­ção ul­tra­pas­sam, se­gu­ra­men­te, as fron­tei­ras da in­di­vi­du­a­li­da­de, pa­ra en­vol­ver na con­ten­da as fa­mí­li­as, os ami­gos e a so­ci­e­da­de. Pa­ra além de to­dos po­der­mos ter­mi­nar ce­gos e des­den­ta­do. Mui­tas ve­zes ain­da se acir­ram mais as de­sa­ven­ças, pois tor­ce­do­res dos dois la­dos, ao in­vés de su­ge­ri­rem o bai­xar do “pu­nhal” ati­çam pa­ra o seu afi­ar... E nes­ta con­tur­ba­da es­tra­da, a al­ta ve­lo­ci­da­de, le­va a ce­guei­ra, le­van­do as par­tes ao co­me­ti­men­to, vo­lun­tá­rio ou in­vo­lun­tá­rio de no­vos “de­sas­tres”, al­guns atin­gin­do ou en­vol­ven­do os mais pró­xi­mos, as pes­so­as que nos são mais que­ri­das. Pes­so­as que ri­em, quan­do es­ta­mos con­ten­tes, e cho­ram, quan­do es­ta­mos tris­tes, dan­do-nos o alen­to que o mo­men­to im­põe. Por tu­do is­so, ho­je qu­e­ro fa­lar da ca­pa­ci­da­de de se ul­tra­pas­sar as de­sa­ven­ças, até mes­mo as mais du­ras e mar­can­tes, co­mo as que vi­vi e pen­sa­va inul­tra­pas­sá­veis no ano ju­di­ci­al de 2012 em ple­na ses­são de jul­ga­men­to do “Ca­so Quim Ri­bei­ro”, ao ser con­fron­ta­do com acu­sa­ções aten­ta­tó­ri­as da mi­nha ima­gem, bom no­me e re­pu­ta­ção so­ci­al e pro­fis­si­o­nal. Uma es­tra­té­gia vi­san­do lan­çar-me à sar­je­ta da in­di­gên­cia e da hu­mi­lha­ção, mas con­tor­na­da com fé e na fé, os obs­tá­cu­los e es­pi­nhos co­lo­ca­dos no ca­mi­nho. Não du­vi­dei nun­ca das mi­nhas ca­pa­ci­da­des aca­dé­mi­cas e pro­fis­si­o­nais, mes­mo, quan­do em car­rei­ros es­pi­nho­sos. Daí não ter bai­xa­do a ca­be­ça pe­ran­te os ho­mens e só me ter ajo­e­lha­do pe­ran­te Deus. O Di­rei­to é a praia de um cúm­pli­ce e eter­no ba­nho, não só pa­ra apli­car, ce­ga e im­par­ci­al­men­te, a lei, mas, fun­da­men­tal­men­te, adop­tar a Jus­ti­ça. É es­ta a bús­so­la dos cul­to­res do Di­rei­to, daí eu ad­vo­gar que a vi­o­la­ção de um prin­cí­pio ser pi­or que a vi­o­la­ção de uma lei, pois po­dem-se co­me­ter er­ros ir­re­pa­rá­veis na vi­da das pes­so­as. In­fe­liz­men­te te­nho, ao lon­go dos anos, car­re­ga­do o pe­so de mui­tas in­jus­ti­ças, umas pra­ti­ca­das até por pes­so­as pró­xi­mas, por es­ta­rem li­ga­dos à en­ge­nha­ria do re­gi­me (MPLA), que aten­ta con­tra to­dos quan­tos ou­sem pen­sar por con­ta e ris­co pe­la pró­pria ca­be­ça. Ho­je, na gra­ça de Deus, co­mo cris­tão de­vo­to, or­gu­lho-me de ter con­tor­na­do obs­tá­cu­los, atra­ves­sa­do as “vi­gas da pon­te do diá­lo­go”, as­si­mi­la­do a cul­tu­ra do per­dão e da conciliação, na ló­gi­ca de o mal não se pa­gar com o mal, prin­ci­pal­men­te, quan­do o “pas­sa­do já não vol­ta” e o ar­ras­tar de má­go­as po­der ge­rar ódio, ca­da vez mais ódio, com o ris­co de tran­si­tar de pais pa­ra fi­lhos e, qui­çá com pro­cu­ra­ção ir­re­vo­gá­vel, pa­ra os ne­tos. Por tu­do is­so, che­ga uma ho­ra em que a luz di­vi­na ilu­mi­na o CA­MI­NHO pa­ra olhar nos olhos, pers­pec­ti­var o fu­tu­ro, con­ci­li­ar, abra­çar, na elei­ção da hu­mil­da­de dos ho­mens, ul­tra­pas­sa­do o car­rei­ro da dis­cór­dia, com o mú­tuo re­co­nhe­ci­men­to do mal cau­sa­do, in­vo­lun­tá­rio ou sob co­ac­ção, ao ou­tro, no pas­sa­do. Foi com es­ta ele­va­ção que, na pre­sen­ça e pa­tro­cí­nio do Ami­go co­mum, David Men­des, pon­do uma pe­dra no pas­sa­do, me re­con­ci­li­ei com o pro­cu­ra­dor-ge­ral ad­jun­to da Re­pú­bli­ca, Adão Adri­a­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.