É TU­DO UMA QUES­TÃO DE RAIO (QUE OS PARTA)

VI­VER EM LU­AN­DA E VO­TAR NO NA­MI­BE

Folha 8 - - DESTAQUE -

OS elei­to­res de Lu­an­da quei­xam-se de, com­pro­va­da­men­te, te­rem si­do co­lo­ca­dos em ca­der­nos elei­to­rais a mais de mil (1.000) qui­ló­me­tros e ou­tros ain­da des­co­nhe­cem em que lo­cais de­ve­rão vo­tar nas elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to por não cons­ta­rem dos ca­der­nos. E es­tão com sor­te. Com um pou­co mais de es­for­ço a su­cur­sal do MPLA (a CNE) po­de­rá pô-los a vo­tar nou­tro país. Re­si­den­te do mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co, zo­na da CAOP-B, em Lu­an­da, An­to­ni­ca Fer­nan­do Gouveia con­tou que, pe­se em­bo­ra ter da­do pon­tos de re­fe­rên­cia aquan­do do pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, com ac­tu­a­li­za­ção do seu car­tão elei­to­ral, “não sa­be até ago­ra on­de vai vo­tar”. “Por­que nos ar­re­do­res te­mos cer­ca de três as­sem­blei­as de vo­to e, pe­la men­sa­gem que en­viá­mos à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral [CNE], ela di­ri­ge-nos pa­ra um ou­tro lo­cal e mes­mo na igre­ja em que nos foi in­di­ca­da não en­con­tra­mos ne­nhu­ma as­sem­bleia de vo­to”, dis­se. Tu­do nor­mal, por­tan­to. Se dis­se­rem à CNE que vão vo­tar no MPLA ela re­sol­ve o pro­ble­ma e até é ca­paz de ir à ca­sa dos elei­to­res bus­car o vo­to. Se fa­la­rem que vão vo­tar nou­tro par­ti­do, aí a coi­sa com­pli­ca-se ain­da mais. Já Si­mões An­tó­nio, de 31 anos, re­ve­lou que foi trans­fe­ri­do de Lu­an­da, on­de re­si­de, pa­ra vo­tar na pro­vín­cia do Na­mi­be, a mais de mil qui­ló­me- tros de dis­tân­cia, des­co­nhe­cen­do as mo­ti­va­ções, uma vez que fez a ac­tu­a­li­za­ção do car­tão de elei­tor e a pro­va de vi­da na ca­pi­tal an­go­la­na. Tam­bém não é pa­ra per­ce­ber. É mes­mo as­sim que o re­gi­me do MPLA fun­ci­o­na. “De se­gui­da in­di­quei a zo­na on­de vi­vo, que é na Fun­da Es­co­la 8012, mas ago­ra, quan­do con­sul­tei on­de vo­tar, a in­for­ma­ção que me foi da­da é que te­rei de vo­tar na pro­vín­cia do Na­mi­be, mu­ni­cí­pio do Tômbwa, Es­co­la João Fir­mi­no, me­sa n.º 4”, ex­pli­cou. A pé é ca­paz de ser de­mo­ra­do. Se ca­lhar o me­lhor é ir de bi­ci­cle­ta. Não se­rá, se­nho­res da CNE? É uma si­tu­a­ção que, acres­cen­tou, o dei­xa “mui­to tris­te” por­que o im­pe­de de vo­tar. “Até ao mo­men­to a CNE não me con­se­gue jus­ti­fi­car co­mo é que o meu no­me foi pa­rar tão lon­ge do lo­cal on­de vi­vo”, la­men­tou. “Ago­ra co­mo é que eu fi­co se as elei­ções são já na pró­xi­ma se­ma­na”? ques­ti­o­nou. Pois é. O me­lhor mes­mo é… A CNE cons­ti­tuiu 12.512 as­sem­blei­as de vo­to, que in­clu­em 25.873 me­sas de vo­to, al­gu­mas a se­rem ins­ta­la­das em es­co­las e em ten­das por to­do o país, com o es­cru­tí­nio cen­tra­li­za­do nas ca­pi­tais de pro­vín­cia e em Lu­an­da, es­tan­do 9.317.294 elei­to­res em con­di­ções de vo­tar. No pas­sa­do dia 12, a CNE in­for­mou que a in­di­ca­ção do pon­to de re­fe­rên­cia da­do pe­los elei­to­res no ac­to de re­gis­to elei­to­ral não de­ter­mi­na­va a sua as­sem­bleia de vo­to, fa­ce às dú­vi­das le­van­ta­das pe­la opo­si­ção. A por­ta-voz da su­cur­sal do MPLA pa­ra as ques­tões elei­to­rais (CNE), Jú­lia Fer­rei­ra, res­pon­dia às dú­vi­das le­van­ta­das na vés­pe­ra, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, pe­la UNITA, so­bre uma ale­ga­da trans­fe­rên­cia de elei­to- res pa­ra me­sas de vo­to dis­tan­tes da área de re­gis­to. Ou­tros elei­to­res, co­mo Adriano João, re­si­den­te em Lu­an­da e cu­jo no­me cons­ta dos ca­der­nos elei­to­rais da pro­vín­cia da Lun­da Nor­te, a cer­ca de 1.100 qui­ló­me­tros, ma­ni­fes­ta­ram tam­bém a sua in­qui­e­ta­ção. Es­tes ci­da­dãos co­me­tem o er­ro de jul­gar que An­go­la é aqui­lo que nun­ca foi nos seus 42 anos de independência: uma de­mo­cra­cia e um Es­ta­do de Di­rei­to. É cla­ro que Adriano João não vai de Lu­an­da pa­ra a Lun­da Nor­te pa­ra vo­tar. Mas po­de fi­car des­can­sa­do. O vo­to cor­res­pon­den­te ao seu no­me vai apa­re­cer na ur­na e, é cla­ro, com o X no qua­dra­do do MPLA. O ci­da­dão, de 36 anos, exi­ge “ex­pli­ca­ções”, pa­ra “per­ce­ber” co­mo se pro­ces­sou es­ta “trans­fe­rên­cia” pa­ra “tão lon­ge das re­fe­rên­ci­as” da­das aquan­do da ac­tu­a­li­za­ção e pro­va de vi­da, na fa­se do re­gis­to elei­to­ral, que ter­mi­nou em Mar­ço. “En­tão, quan­do fui con­fir­mar a mi­nha as­sem­bleia de vo­to, a in­for­ma­ção que me foi pas­sa­da pe­la CNE é que o meu no­me saiu no Dun­do, pa­ra meu es­pan­to. Es­tou pre­o­cu­pa­do com es­ta si­tu­a­ção”, apon­tou. Já Bap­tis­ta Do­min­gos re­ve­lou que, mes­mo após ter so­li­ci­ta­do a se­gun­da via do seu car­tão de elei­tor, da par­te da CNE tem re­ce­bi­do “in­for­ma­ções de­sen­con­tra­das” so­bre se vai ou não vo­tar nas elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to. “Pri­mei­ro fui a um pos­to da CNE e dis­se­ram-me que o nú­me­ro do meu car­tão não cons­ta­va da ba­se de da­dos, mas o meu gru­po apa­re­ce em no­me de uma ou­tra pes­soa e não sei co­mo es­se ti­po de coi­sas acon­te­ce”, afir­mou. In­con­for­ma­do com a ex­pli­ca­ção, re­fe­riu que con­tac­tou os agen­tes elei­to­rais que es­tão a cir­cu­lar pe­las ru­as com “os ta­blets”, nos quais “já apa­re­cem to­dos os da­dos com­ple­tos, mas não con­se­guem in­di­car a as­sem­bleia de vo­to”. “Is­to es­tá a dei­xar-me mui­to tris­te por­que eu que­ro exer­cer o meu di­rei­to de vo­to”, ati­rou. Sem sa­ber on­de vo­tar no dia 23 de Agos­to es­tá tam­bém Adriano San­den­do, de 23 anos, afir­man­do que o seu no­me “não cons­ta da ba­se de da­dos”, mes­mo após ter so­li­ci­ta­do já a se­gun­da via do car­tão de elei­tor. “Des­te mo­do, nem as­sem­bleia de vo­to te­nho, es­tou pre­o­cu­pa­do por­que nes­tas con­di­ções não po­de­rei vo­tar”, su­bli­nhou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.