O DI­TA­DOR HÁ 38 ANOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Pre­si­den­te an­go­la­no, há 38 anos no po­der sem nun­ca ter si­do no­mi­nal­men­te elei­to, clas­si­fi­cou o seu úl­ti­mo man­da­to pre­si­den­ci­al co­mo es­tá­vel “po­lí­ti­ca e so­ci­al­men­te”, ape­sar da cri­se eco­nó­mi­ca, uma opor­tu­ni­da­de boa pa­ra o país se li­ber­tar da de­pen­dên­cia ex­ces­si­va do pe­tró­leo. Jo­sé Eduardo dos San­tos, Pre­si­den­te de An­go­la des­de 1979 e lí­der do MPLA, par­ti­do no po­der há 42 anos (des­de a independência), não con­cor­re di­rec­ta­men­te (fá-lo in­di­rec­ta­men­te atra­vés de uma das su­as ma­ri­o­ne­tas, João Lou­ren­ço) às elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to e fez o co­men­tá­rio no dis- cur­so que pro­fe­riu na úl­ti­ma reu­nião do seu do­mes­ti­ca­do, ser­vil e ba­ju­la­dor Con­se­lho de Mi­nis­tros. O che­fe de Es­ta­do lem­brou que “em tem­po opor­tu­no” foi ac­ci­o­na­da uma es­tra­té­gia pa­ra fa­zer fa­ce à cri­se, com vis­ta a se ini­ci­ar “um no­vo ci­clo eco­nó­mi­co de es­ta­bi­li­da­de, não de­pen­den­te do pe­tró­leo, co­mo prin­ci­pal fon­te de re­cei­ta fis­cal e de ex­por­ta­ções do país”. Prin­ci­pal e qua­se úni­ca, di­ga-se. Se­gun­do Jo­sé Eduardo dos San­tos, o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca tem co­mo fo­co, o au­men­to da pro­du­ção in­ter­na, a re­du­ção das im­por­ta­ções, o for­ne­ci­men­to do te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal, a pro­mo­ção e cri­a­ção de em­pre­go, bem co­mo a di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de re­cei­tas fis­cais e de di­vi­sas. Pa­ra além de di­zer o que es­tá es­cri­to em qual­quer ma­nu­al de eco­no­mia, es­que­ceu-se de re­fe­rir que há de­ze­nas de anos ou, pe­lo me­nos, des­de 2002 (com o fim da gu­er­ra ci­vil) de­ve­ria ter apos­ta­do nes­sa di­ver­si­fi­ca­ção que ago­ra ain­da es­tá na fa­se em­bri­o­ná­ria. A ca­pa­ci­da­de de ra­pi­da­men­te se en­con­trar so­lu­ções pa­ra ul­tra­pas­sar os pro­ble­mas mais pre­men­tes e da adap­ta­ção às con­tin­gên­ci­as ob­jec­ti­vas dos con­tex­tos in­ter­nos e ex­ter­nos foi um dos tra­ços fun­da­men­tais, que ca­rac­te­ri­za­ram o man­da­to do ac­tu­al Go­ver­no, con­si­de­rou Jo­sé Eduardo dos San­tos num (mais um) ma­ni­fes­to aten­ta­do à in­te­li­gên­cia dos an­go­la­nos, não tan­to à dos seus acó­li­tos que con­si­de- ram tu­do o que diz co­mo um ac­to di­vi­no e que, além dis­so, só pen­sam o que o che­fe pen­sa. O apoio “ines­ti­má­vel” dos mem­bros do exe­cu­ti­vo foi re­al­ça­do pe­lo che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, na su­pe­ra­ção e vi­tó­ria dos múl­ti­plos obs­tá­cu­los que sur­gi­ram nos úl­ti­mos cin­co anos. O que Jo­sé Eduardo dos San­tos cha­ma de apoio “ines­ti­má­vel” não pos­sa de ma­ni­fes­ta­ções ca­ni­nas de um exa­cer­ba­do cul­to do che­fe, tal co­mo acon­te­ce nou­tras re­le­van­tes de­mo­cra­ci­as do mun­do, ca­sos da Co­reia do Nor­te e da Gui­né Equa­to­ri­al. “Foi por­que vo­cês sou­be­ram co­lo­car à dis­po­si­ção do país as vos­sas ca­pa­ci­da­des, ap­ti­dões, co­nhe­ci­men­tos e von­ta­de de triun­far, as­su­min­do com res­pon­sa­bi­li­da­de e sen­ti­do de Es­ta­do, os de­ve­res de que es­tão in­cum­bi­dos pe­la lei e pe­la Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca”, dis­se o Pre­si­den­te. Se An­go­la não fos­se – por exem­plo – um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, não fos­se o país com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til e não ti­ves­se 20 mi­lhões de po­bres (pa­ra além da mu­lher mais ri­ca de Áfri­ca, por si­nal sua fi­lha), até da­ria pa­ra rir com es­ta ane­do­ta con­ta­da por Eduardo dos San­tos. Pa­ra Jo­sé Eduardo dos San­tos, o pro­ces­so elei­to­ral de 23 de Agos­to cons­ti­tui a pro­va de que “as se­men­tes lan­ça­das à ter­ra es­tão a ger­mi­nar e de que o po­vo an­go­la­no vai, de cer­te­za, co­lher bons fru­tos, a mé­dio pra­zo”, re­fe­riu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.