AS NO­VAS “MISSANGAS” DO SÉ­CU­LO XXI

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE TCHOCKWE TCHOCKWE

Na cam­pa­nha elei­to­ral do MPLA, na­da pa­re­ce con­ven­cer: o apoio po­pu­lar re­ce­bi­do não tem si­do es­pon­tâ­neo, o afec­to do can­di­da­to pe­los mais po­bres e des­va­li­dos é me­ra en­ce­na­ção, o “ar de es­ta­dis­ta” de João Lou­ren­ço é pu­ra ilu­são de óp­ti­ca… na­da con­se­gue des­fa­zer a im­pres­são de que se tra­ta de um “can­di­da­to de plás­ti­co”, que não sen­te nem sus­ci­ta ver­da­dei­ra em­pa­tia jun­to do elei­to­ra­do do par­ti­do. Sem sur­pre­sa, o Po­vo as­sis­te “anes­te­si­a­do” ao de­sen­ro­lar da ce­na, sa- ben­do, de an­te­mão, que “o jo­go” es­tá vi­ci­a­do, que a far­sa não tem li­mi­tes e que a frau­de elei­to­ral há mui­to que es­tá mon­ta­da. Com a so­bran­ce­ria pró­pria de quem con­tro­la “o jo­go”, as pro­to-elei­ções que se pers­pec­ti­vam pa­ra dia 23 pró­xi­mo são, pa­ra o MPLA, não só mais uma opor­tu­ni­da­de de re­for­çar, in­ter­na e ex­ter­na­men­te, o em­bus­te de­mo­crá­ti­co em que te­mos vi­vi­do, mas tam­bém de tra­ves­tir a or­dem ju­rí­di­ca na­ci­o­nal com for­ma­lis­mos le­gais “ad-hoc”, que ape­nas vi­sam pro­te­ger as emi­nên­ci­as par­das do re­gi­me e seus co­men­sais. No ter­re­no, de Nor­te a Sul do País, mui­tos têm si­do os exem­plos de sub­de­sen­vol­vi­men­to das men­ta­li­da­des dos agen­tes do MPLA, pe­tri­fi­ca­das nas pi­o­res prá­ti­cas es­ta­li­nis­tas e po­pu­lis­tas, ali­men­ta­das pe­la cor­rup­ção e im­pu­ni­da­de, e de­sa­jus­ta­das du­ma An­go­la que vai emer­gin­do, aos pou­cos, da es­cu­ra noi­te to­ta­li­tá­ria. Se­não, ve­ja­mos aqui um pe­que­no exem­plo: A che­ga­da te­a­tral do can­di­da­to-ven­ce­dor-an­te­ci­pa­do, João Lou­ren­ço, à se­de do Co­mi­té Pro­vin­ci­al de Ma­lan­je do Par­ti­do-es­ta­do, no dia 10 do cor­ren­te, ri­va­li­zou em apa­ra­to com al­guns epi­só­di­os bí­bli­cos, on­de o ri­bom­bar dos tam­bo­res e o som es­tri­den­te das trom­be­tas anun­ci­a­vam a apa­ri­ção do Rei He­ro­des! Sim, He­ro­des, João “He­ro­des” Lou­ren­ço! E lá che­ga­ram, ve­lo­zes e lu­zi­di­os, meia-dú­zia de avan­ta­ja­dos ji­pes de lu­xo, exi­bin­do pe­dan­tes vi­dros fu­ma­dos e “pi­ri­lam­pos” in­ter­mi­ten­tes de vá­ri­as co­res, fa­zen­do lem­brar ár­vo­res de Na­tal fo­ra de épo­ca. Al­gu­res, na­que­la es­tra­tos­fé­ri­ca ca­ra­va­na au­to­mó­vel, des­pon­ta­va o no­vo Pro­fe­ta. O ce­ná­rio com­ple­ta­va-se com os ine­vi­tá­veis ca­miões mi­li­ta­res de cai­xa aber­ta e atre­la­do, on­de se amon­to­a­vam “ga­dos hu­ma­nos” que mal sa­bi­am ao que vi­nham, mas que, obe­di­en­tes ao Po­der Feu­dal, ape­nas fa­zi­am o que os “do­nos da fes­ta” lhes di­zi­am pa­ra fa­zer. Sem in­qui­e­ta­ções, nem per­gun­tas!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.