ELEI­ÇÕES? E AS­SIM “NAS­CE” UM NO­VO HOS­PI­TAL PEDIÁTRICO

Folha 8 - - SOCIEDADE -

Se as pro­mes­sas dos re­gi­mes po­pu­lis­tas, clep­to­crá­ti­cos e di­ta­to­ri­ais fos­sem pa­ra cum­prir, va­lia a pe­na ter elei­ções to­dos os anos. An­go­la é o MPLA são exem­plos aca­ba­dos. A meia dú­zia de di­as das elei­ções, eis mais uma das pro­mes­sas diá­ri­as que o re­gi­me sa­ca da car­to­la da de­ma­go­gia. Ora en­tão, ago­ra a zo­na sul da ca­pi­tal, Lu­an­da, vai con­tar nos pró­xi­mos dois anos com um no­vo hos­pi­tal pa­ra cui­da­dos ma­ter­no e in­fan­til, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 350 ca­mas, de­sa­fo­gan­do as­sim a prin­ci­pal maternidade e pe­di­a­tria no cen­tro da ci­da­de. Até ago­ra An­go­la (um es­pé­cie de país do­mi­na­do há 42 anos pe­lo mes­mo re­gi­me, pe­lo mes­mo par­ti­do) li­de­ra o ran­king mun­di­al da mor­ta­li­da­de in­fan­til. E as­sim vai con­ti­nu­ar. As elei­ções vão pas­sar e as nos­sas cri­an­ças con­ti­nu­a­rão a ser ge­ra­das com fo­me, a nas­cer com fo­me e a mor­rer, pou­co de­pois, com fo­me. O vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la, Ma­nu­el Vi­cen­te, lan­çou no dia 14.08 a pri­mei­ra pe­dra pa­ra a cons­tru­ção do hos­pi­tal, a ser eri­gi­do no dis­tri­to ur­ba­no da Camama, mu­ni­cí­pio de Ta­la­to­na, nu­ma área de 40 mil me­tros qua­dra­dos. Na sua in­ter­ven­ção, o mi­nis­tro da Saúde, Luís Go­mes Sam­bo, dis­se que a cons­tru­ção da­que­la no­va uni­da­de hos­pi­ta­lar, com o cus­to de 32 mil mi­lhões de kwan­zas (162,3 mi­lhões de eu­ros) vi­sa ace­le­rar a re­du­ção dos ín­di­ces de mor­ta­li­da­de in­fan­til e con­tri­buir pa­ra a qua­li­da­de e es­pe­ran­ça de vi­da da po­pu­la­ção. O mi­nis­tro sa­be o que diz mas não diz o que sa­be. Se­gun­do o go­ver­nan­te, me­lho­ria da saúde ma­ter­no-in­fan­til é uma das pri­o­ri­da­des do exe­cu­ti­vo an­go­la­no, em res­pos­ta à gran­de pro­cu­ra de cui­da­dos de pe­di­a­tria e obs­te­trí­cia por par­te da po­pu­la­ção. Aí es­tá. Pri­o­ri­da­de do exe­cu­ti­vo, diz Luís Go­mes Sam­bo, em­bo­ra sai­ba que a pri­o­ri­da­de do go­ver­no, do tam­bém seu go­ver­no, não é cri­ar ri­que­za mas sim ri­cos, não é ser­vir o po­vo mas, an­tes, ser­vir-se do po­vo. “Es­ta­mos con­vic­tos que um dia nes­te mes­mo lo­cal, as nos­sas mu­lhe­res, em ida­de de pro­cri­a­ção, en­con­tra­rão os cui­da­dos pré-na­tais e o par­to se­gu­ro e as nos­sas cri­an­ças en­con­tra­rão o ca­ri­nho de qua­li­da­de por par­te dos pro­fis­si­o­nais de saúde”, dis­se o mi­nis­tro na con­vic­ção, ge­né­ti­ca no MPLA, de que a gran­de mai­o­ria dos an­go­la­nos – so­bre­tu­do dos 20 mi­lhões de po­bres – é cons­ti­tuí­da por

Luís Go­mes Sam­bo fri­sou que a cons­tru­ção do fu­tu­ro hos­pi­tal na zo­na sul da ca­pi­tal tem o ob­jec­ti­vo de des­con­ges­ti­o­nar “a gran­de pres­são as­sis­ten­ci­al ac­tu­al dos ban­cos de ur­gên­cia da Maternidade Lu­cré­cia Paim e do Hos­pi­tal Pediátrico Da­vid Bernardino, que pas­sa­rão a ter mais dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra es­tu­dos e tra­ta­men­to de do­en­ças mais com­ple­xas”. “Es­te é um in­ves­ti­men­to cri­te­ri­o­so, de acor­do com as nor­mas e pa­drões con­fiá­veis, pois ti­ve­mos em con­ta o ní­vel ac­tu­al de pro­cu­ra e ofer­ta de ser­vi­ços, a no­va di­vi­são ad­mi­nis­tra­ti­va de Lu­an­da e a dis­tri­bui­ção de­mo­grá­fi­ca, de gru­pos etá­ri­os de acor­do com os da­dos do cen­so”, in­di­cou o mi­nis­tro. O edi­fí­cio, de dez an­da­res, três dos quais sub­ter­râ­ne­os, com­por­ta­rá três blo­cos, com ser­vi­ços de ur­gên­ci­as clí­ni­cas, sa­la de par­tos, obs­te­trí­cia e gi­ne­co­lo­gia, pe­di­a­tria, fi­si­o­te­ra­pia e re­a­bi­li­ta­ção fí­si­ca, ci­rur­gia, uni­da­de pa­ra quei­ma­dos, pa­ra terapia res­pi­ra­tó­ria, la­bo­ra­tó­ri­os de aná­li­ses clí­ni­cas, sis­te­ma de ima­gi­o­lo­gia e ra­di­o­di­ag­nós­ti­co, uma mor­gue e um par­que de es­ta­ci­o­na­men­to. Tam­bém na mes­ma da­ta, Ma­nu­el Vi­cen­te pro­ce­deu ao ac­to sim­bó­li­co pa­ra a cons­tru­ção do Ins­ti­tu­to de He­ma­to­lo­gia Pe­diá­tri­ca de An­go­la, que se­rá cons­truí­do em dois anos, pa­ra o aten­di­men­to de pa­ci­en­tes com do­en­ças do fó­rum he­ma­to­ló­gi­co, co­mo ane­mia fal­ci­for­me, leu­ce­mia agu­da e cró­ni­ca e lin­fo­mas. A in­fra-es­tru­tu­ra, de cin­co an­da­res, se­rá cons­ti­tuí­da por zo­nas téc­ni­cas e ad­mi­nis­tra­ti­vas, de­sig­na­da­men­te dez con­sul­tó­ri­os, sa­la de ob­ser­va­ção, de trans­fu­são, la­bo­ra­tó­rio de ima­gi­o­lo­gia, an­fi­te­a­tro, ne­cro­té­rio, com 12 ga­ve­tas, far­má­cia, la­van­da­ria, área pa­ra de­pó­si­to de re­sí­du­os hos­pi­ta­la­res e par­que de es­ta­ci­o­na­men­to. O ti­tu­lar da pas­ta da Saúde no seu dis­cur­so fri­sou que o fu­tu­ro ins­ti­tu­to te­rá uma ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to de 100 cri­an­ças por dia, 60 por cen­to em ser­vi­ços de ur­gên­cia e 40 em con­sul­ta ex­ter­na. Luís Go­mes Sam­bo re­al- çou que ou­tras das áre­as de in­ter­ven­ção se­rão os ser­vi­ços de he­mo­te­ra­pia pe­diá­tri­ca, em li­ga­ção com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do San­gue, o cen­tro de trans­plan­te da me­du­la, em co­la­bo­ra­ção com o Ins­ti­tu­to de Lu­ta con­tra o Can­cro. “Es­te pro­jec­to do Mi­nis­té- rio da Saúde es­tá ori­en­ta­do pa­ra a as­sis­tên­cia mé­di­ca a do­en­tes do fó­rum he­ma­to­ló­gi­co e imu­no-he­ma­to­ló­gi­co, re­a­li­zar in­ves­ti­ga­ção clí­ni­ca, epi­de­mi­o­ló­gi­ca e es­pe­ci­a­li­zar pes­so­al téc­ni­co no do­mí­nio da he­ma­to­lo­gia”, apon­tou o mi­nis­tro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.