OR­GIA DOS DO­NOS À CUS­TA DE MI­LHÕES DE… ES­CRA­VOS

Folha 8 - - ECONOMIA -

O Mi­nis­té­rio da Ge­o­lo­gia e Mi­nas an­go­la­no au­to­ri­zou mais cin­co co­o­pe­ra­ti­vas pri­va­das a avan­çar com a ex­plo­ra­ção se­mi-in­dus­tri­al de di­a­man­tes, três das quais em qua­se 450 qui­ló­me­tros qua­dra­dos (km2) da pro­vín­cia de Ma­lan­je. Mês de elei­ções é mês ben­di­to pa­ra as pro­mes­sas do re­gi­me. MPLA brin­ca com a in­te­li­gên­cia dos an­go­la­nos e tam­bém, é cla­ro, com o di­nhei­ro que de­ve­ria ser de to­dos mas que, afi­nal, é só de­les. A de­ci­são cons­ta de cin­co re­cen­tes des­pa­chos as­si­na­dos pe­lo mi­nis­tro Fran­cis­co Qu­ei­roz, que pre­vêem as atri­bui­ções dos di­rei­tos de ex­plo­ra­ção por um ano, pror­ro­gá­veis por qua­tro, fi­can­do as co­o­pe­ra­ti­vas obri­ga­das a pres­tar in­for­ma­ções téc­ni­cas e eco­nó­mi­cas à con­ces­si­o­ná­ria di­a­man­tí­fe­ra do re­gi­me En­di­a­ma. O mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas jus­ti­fi­ca, nos mes­mos des­pa­chos, que o “apro­vei­ta­men­to sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos mi­ne­rais do país” im­pli­ca “o re­for­ço e a ace­le­ra­ção da di­ver­si­fi­ca­ção das ac­ti­vi­da­des de pros­pec­ção e ex­plo­ra­ção mi­nei­ra, en­vol­ven­do tan­to o sec­tor pú­bli­co quan­to o sec­tor pri­va­do da nos­sa eco­no­mia”. Pa­ra a pro­vín­cia de Ma­lan­je fo­ram atri­buí­das con­ces­sões pa­ra a Co­o­pe­ra­ti­va Mi­nei­ra Bri­lho do Mus­sen­de, no mu­ni­cí­pio da Can­gan­da­la, e uma área de 50,53 km2, se­guin­do-se a Co­o­pe­ra­ti­va Mi­nei­ra Twa­la Ku­mo­xi, no mu­ni­cí­pio de Kun­da-Dya-ba­se, com 190 km2, e a Co­o­pe­ra­ti­va de Pes­qui­sa e Re­cur­sos Mi­ne­rais, no mu­ni­cí­pio de Ma­lan­je, com 200 km2. Ou­tros dois des­pa­chos atri­bu­em con­ces­sões pa­ra ex­plo­ra­ção se­mi-in­dus­tri­al de di­a­man­tes na pro­vín­cia vi­zi­nha da Lun­da Nor­te, ca­sos das co­o­pe­ra­ti­vas Txa­pem­ba Can­gu­ba, no mu­ni­cí­pio de Cam­bu­lo, com 84 km2, e L&L Co- mér­cio, em se­te km2 do mu­ni­cí­pio do Chi­ta­to. As au­to­ri­da­des an­go­la­nas têm ad­mi­ti­do pu­bli­ca­men­te a pre­o­cu­pa­ção com o ga­rim­po ile­gal de di­a­man­tes na re­gião das Lun­das, on­de es­tá con­cen­tra­da a pro­du­ção di­a­man­tí­fe­ra na­ci­o­nal, de­fen­den­do o mo­de­lo de as­so­ci­a­ção em co­o­pe­ra­ti­vas, pa­ra ex­plo­ra­ção se­mi-in­dus­tri­al de­vi­da­men­te au­to­ri­za­da. Es­ta ac­ti­vi­da­de, com re­cur­so a mei­os li­mi­ta­dos em ter­mos le­gais, já tem si­do au­to­ri­za­da igual­men­te a co­o­pe­ra­ti­vas mi­nei­ras nas pro­vín­ci­as da Lun­da Sul e Cu­an­za Sul. Os di­a­man­tes, se­gun­do mai­or pro­du­to de ex­por­ta­ção an­go­la­na, ren­de­ram 1.082 mi­lhões de dó­la­res (920 mi­lhões de eu­ros) em 2016, uma re­du­ção de 100 mi­lhões de dó­la­res (85 mi­lhões de eu­ros) com­pa­ra­ti­va­men­te a 2015, se­gun­do da­dos avan­ça­dos em De­zem­bro pas­sa­do pe­lo mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.