SON­DA­GEM DO DE­SES­PE­RO DO M

Folha 8 - - TOPS -

Se­gun­do Ma­ka An­go­la a pre­vi­são dos re­sul­ta­dos elei­to­rais em Agos­to, en­co­men­da­da pe­la Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, re­ve­la a vi­tó­ria do MPLA, com ape­nas 38 por cen­to dos vo­tos, fa­ce à opo­si­ção. A UNITA ob­tém 32% das in­ten­ções de vo­to, en­quan­to a CA­SA-CE se­gue co­la­da à UNITA, com 26%» . E mui­ta con­fu­são se se­guiu, de par com o apa­re­ci­men­to de ou­tras son­da­gens ma­ni­fes­ta­men­te fal­sas! Se­rá que não se vê sem lu­pa que es­ta chu­cha­dei­ra é um ar­ti­fí­cio de mar­ke­ting pa­ra le­var os pou­cos afi­ci­o­na­dos do MPLA a sen­tir a obri­ga­ção de vo­tar pe­lo seu par­ti­do? A ideia é sim­ples, au­gu­ra-se a ca­tás­tro­fe e o ape­lo ao vo­to di­ri­ge-se es­sen­ci­al­men­te ao par­ti­do vi­ti­ma­do pe­la ale­ga­da ca­tás­tro­fe, ou se­ja , o MPLA. Es­ta “por­ca­ria” o que mais pa­re­ce é ser um ape­lo de­ses­pe­ra­do aos acó­li­tos do MPLA, pa­ra vo­tar pe­lo “M” no dia 23 de Agos­to! É cla­ro que o ac­tu­al es­ta­do de coi­sas não agra­da ao MPLA, que o diá­lo­go com a ju­ven­tu­de pou­co mais foi do que uma pe­dra­da num char­co sem pei­xes, que tu­do vai mal nes­ta des­go­ver­nan­ça, is­to sem es­que­cer uma “up-to da­te” es­tra­té­gia que es­tá no pre­lo nes­ta fa­se fi­nal da cam­pa­nha de vo­to: “en­si­nar” os mais ve­lhos e os mais ca­ren­tes de edu­ca­ção a vo­tar, “a usar as su­as mãos quan­do es­ti­ve­rem a vo­tar”, de­pois de te­rem si­do gui­a­dos por bri­ga­das ad hoc dos seus res­pec­ti­vos par­ti­dos, ou por pa­ren­tes pró­xi­mos até às me­sas em que de­ve­rão vo­tar. Si­gam o meu pen­sar. Nes­ta “al­tu­ra do cam­pe­o­na­to”, o glo­ri­o­so MPLA já sa­be que, com frau­de ou sem frau­de, a que­da dos vo­tos em seu fa­vor é ine­vi­tá­vel. A ques­tão que se le­van­ta é ate­nu­ar o efei­to cau­sa­do por es­sa que­da, e a son­da­gem dos tais 38i% aqui re­fe­ri­da é uma es­pé­cie de “al­mo­fa­da”. O que é pre­ci­so é vo­tar em pe­so, le­var to­do o MPLA pa­ra a fren­te de vo­to, pa­ra aju­dar “a sua da­ma” a con­ser­var a for­ça do en­can­to ge­ra­do na Di­pan­da… Por ou­tro la­do, os nú­me­ros avan­ça­dos pe­la son­da­gem de 38% de vo­tos pa­ra o MPLA, 32% pa­ra a UNITA e 26 e pa­ra a CA­SA-CE, são, a meu ver, ob­vi­a­men­te fic­tí­ci­os, por se­rem per­fei­tos de­mais no que to­ca à von­ta­de de mo­bi­li­zar os mais in­de­ci­sos ca­ma­ra­das, co­mo que a di­zer, “Ain­da so­mos os pri­mei­ros, mas es­tão-nos a mor­der os cal­ca­nha­res, ve­nham daí to­dos a vo­tar pe­lo nos­so par­ti­do do co­ra­ção”!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.