TE­A­TRO MU­SI­CAL INFANTO-JU­VE­NIL “O SA­PO E A RO­SA” NO CA­MÕES

Nu­ma par­ce­ria en­tre o Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês e a Aca­de­mia de Arte Ha­mi­ra­no, se­rá apre­sen­ta­do a 19 de Agos­to, às 09H30, no au­di­tó­rio Pe­pe­te­la, o es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro mu­si­cal infanto-ju­ve­nil com a Tur­ma do Sa­po in­ti­tu­la­do “A RO­SA E O SA­PO”. A apre­sen­taç

Folha 8 - - CULTURA -

Se­gun­do a no­ta de im­pren­sa en­vi­a­da ao Fo­lha8, a ani­ma­ção do es­pec­tá­cu­lo con­ta com os pa­lha­ços Di­di e Do­dó e in­te­gra a com­pa­nhia in­fan­til Tu­zo­la­na. Nas cir­cuns­tân­ci­as ac­tu­ais, o te­a­tro in­fan­til apre­sen­ta uma cri­se de iden­ti­da­de e uma in­de­fi­ni­ção do seu es­ta­tu­to epis­te­mo­ló­gi­co. So­mam-se a is­so os fenô­me­nos di­fe­ren­ci­ais den­tro des­se cam­po do te­a­tro, cu­jas for­mu­la­ções de­ses­tru­tu­ram qual­quer uni­da­de ou ho­mo­ge­nei­da­de con­cei­tu­al que se ten­te cons­truir. Es­sa in­de­fi­ni­ção, per­ce­bi­da em seus li­mi­tes, es­tá pau­ta­da pe­las in­fluên­ci­as cau­sa­das no acon­te­ci­men­to te­a­tral à raiz das pro­fun­das mu­dan­ças que vêm acon­te­cen­do des­de fi­nais dos anos 1980 nos mo­dos de ser cri­an­ça e nos es­ta­tu­tos con­fi­gu­ra­do­res das in­fân­ci­as. O te­a­tro in­fan­til co­mo fac­to cul­tu­ral sur­giu in­ter­li­ga­do a um ti­po de cons­ci­ên­cia so­bre a in­fân­cia as­so­ci­a­da à Pri­mei­ra Mo­der­ni­da­de. Tan­to o te­a­tro quan­to a es­co­la co­me­çam a par­ti­ci­par das ins­tân­ci­as de so­ci­a­li­za­ção da in­fân­cia. A apa­ri­ção de uma li­te­ra­tu­ra pa­ra cri­an­ças co­mo um des­ses fenô­me­nos que de­ram lu­gar ao te­a­tro in­fan­til é re­sul­ta­do da for­ma­ção de um con­jun­to de sa­be­res so­bre elas de­sen­vol­vi­do am­pla­men­te nes­sa épo­ca. A aca­de­mia Arte Hi­ma­ri­no con­vi­dou o mú­si­co Dá­rio do Pos­ter pa­ra ac­tu­a­ção es­pe­ci­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.