ES­PA­ÇOS E ISO­LA­MEN­TO NOS RO­MAN­CES DE MIA COU­TO (PAR­TE II)

Es­te ar­ti­go pro­põe ana­li­sar o iso­la­men­to co­mo te­ma re­cor­ren­te nos ro­man­ces de Mia Cou­to, tan­to em re­la­ção às per­so­na­gens, in­di­vi­du­al­men­te, co­mo pe­las vi­las e al­dei­as, ge­ral­men­te em con­tra­pon­to aos gran­des cen­tros ur­ba­nos. En­tre as ra­zões pa­ra o iso­la­men­to

Folha 8 - - CULTURA - TEX­TO DE EVERTON FER­NAN­DO MICHELETTI*

SMa­ri­a­mar, Mwa­dia e Fa­ri­da de Ter­ra so­nâm­bu­la são mu­lhe­res que en­fren­tam o meio so­ci­al hos­til, sen­do im­pe­li­das ao iso­la­men­to. Há, na pers­pec­ti­va de Ma­ri­a­mar, tam­bém, a opo­si­ção en­tre cam­po e ci­da­de, em que se tem a ten­são en­tre as tra­di­ções e a su­pos­ta mo­der­ni­da­de da ca­pi­tal. Es­se as­pec­to apro­xi­ma-se do que afir­ma Wil­li­ams: [...] é sig­ni­fi­ca­ti­vo que a ima­gem co­mum do cam­po se­ja ago­ra uma ima­gem do pas­sa­do, e a ima­gem co­mum da ci­da­de, uma ima­gem do fu­tu­ro. Se as iso­lar­mos des­te mo­do, fi­ca fal­tan­do o pre­sen­te. A ideia do cam­po ten­de à tra­di­ção, aos cos­tu­mes hu­ma­nos e na­tu­rais. A ideia da ci­da­de ten­de ao pro­gres­so, à mo­der­ni­za­ção, ao de­sen­vol­vi­men­to. As­sim, num pre­sen­te vi­ven­ci­a­do en­quan­to ten­são, usa­mos o con­tras­te en­tre cam­po e ci­da­de pa­ra ra­ti­fi­car uma di­vi­são e um con­fli­to de im­pul­sos ain­da não re­sol­vi­dos... (WIL­LI­AMS, 1990, p. 397). Nos ro­man­ces de Cou­to, há es­se con­fli­to, sen­do o que mar­ca a vi­la de Um rio cha­ma­do tem­po, uma ca­sa cha­ma­da ter­ra, de no­me Ilha Lu­ar-do-chão. É des­cri­ta co­mo se­pa­ra­da da “ci­da­de” por um rio, cu­jas “águas, po­rém, afas­tam mais que a sua pró­pria dis­tân­cia. En­tre um e ou­tro la­do re­si­de um in­fi­ni­to.” (COU­TO, 2003, p. 18). A te­má­ti­ca do in­su­la­men­to é mar­ca­da, nes­se ro­man­ce, pe­las águas que di­vi­dem es­pa­ço-tem­po­ral­men­te a ci­da­de e a vi­la, em que a se­gun­da pas­sa pe­lo pro­ces­so de de­gra­da­ção: [...] a vi­la é de­ma­si­a­do ru­ral, fal­ta-lhe a ge­o­me­tria dos es­pa­ços ar­ru­ma­dos. Lá es­tão os co­quei­ros, os cor­vos, as len­tas fo­guei­ras que co­me­çam a des­pon­tar. As ca­sas de ci­men­to es­tão em ruí­na, exaus­tas de tan­to aban­do­no. Não são ape­nas ca­sas des­tro­ça­das: é o pró­prio tem­po des­mo­ro­na­do. [...] Dói-me a ilha co­mo es­tá, a de­ca­dên­cia das ca­sas, a mi­sé­ria der­ra­ma­da pe­las ru­as. Mes­mo a na­tu­re­za pa­re­ce so­frer de mau-olha­do. Os ca­pin­zais se es­ten­dem se­cos, pa­re­ce que em­pa­lha­ram o ho­ri­zon­te. À pri­mei­ra vis­ta tu­do de­fi­nha. No en­tan­to, mais além, à mão de um olhar, a vi­da re­ver­be­ra, chei­ro­sa co­mo um fru­to em verão: en­xa­mes de cri­an­ças atra­ves­sam os ca­mi­nhos, mu­lhe­res dan­çam e can­tam, ho­mens fa­lam al­to, do­nos do tem­po. (COU­TO, 2003, p. 27-28) A de­te­ri­o­ra­ção abran­ge o ambiente so­ci­al e o na­tu­ral, em que se no­tam as mar­cas his­tó­ri­cas da gu­er­ra no lu­gar. Es­se as­pec­to re­me­te a Bakh­tin so­bre “ler o tem­po” no es­pa­ço, “ler os in­dí­ci­os do cur­so do tem­po em tu­do”, em que “os vi­sí­veis in­dí­ci­os com­ple­xos do tem­po his­tó­ri­co... são ves­tí­gi­os vi­sí­veis da cri­a­ção do ho­mem, ves­tí­gi­os de su­as mãos e da sua in­te­li­gên­cia: ci­da­des, ru­as, ca­sas, obras de arte, téc­ni­cas, or­ga­ni­za­ções so­ci­ais, etc.” (BAKH­TIN, 2011, p. 225). Mas, nes­se ca­so, são ves­tí­gi­os da des­trui­ção. Na “lei­tu­ra” das ruí­nas da Ilha Lu­ar-do-chão, há cer­ta me­lan­co­lia, mas que não põe fim à es­pe­ran­ça, vis­to que a “vi­da re­ver­be­ra”. A li­te­ra­tu­ra de Cou­to, por­tan­to, não ten­de ao de­sen­can­to to­tal e ir­re­ver­sí­vel, há pro­je­ções de um fu­tu­ro po­si­ti­vo, a pos­si­bi­li­da­de de re­cu­pe­ra­ção. O iso­la­men­to re­cor­ren­te ex­põe um pro­ble­ma que po­de e pre­ci­sa ser su­pe­ra­do. Em Ter­ra so­nâm­bu­la, o in­su­la­men­to ocor­re em veí­cu­los aban­do­na­dos, o ôni­bus em que pas­sam a vi­ver Tu­ahir e Mui­din­ga, o na­vio en­ca­lha­do on­de se iso­la Fa­ri­da. Se­gun­do Lei­te, os veí­cu­los são “ilhas” em que se de­sen­vol­ve a afe­ti­vi­da­de en­tre as prin­ci­pais per­so­na­gens. No na­vio, Kind­zu co­nhe­ce Fa­ri­da, ”faz a ini­ci­a­ção amo­ro­sa e ga­nha de no­vo âni­mo pa­ra vi­ver”; no ôni­bus, Tu­ahir e Mui­din­ga “re­a­pren­dem... ou­tro ti­po de amor, o de pai pa­ra fi­lho, o de mais ve­lho pa­ra mais no­vo” (LEI­TE, 2012, p. 74). En­quan­to há o es­pa­ço ex­ter­no com a des­trui­ção da gu­er­ra pós-Independência, os veí­cu­los são es­pa­ços in­ter­nos de in­ti­mi­da­de e pro­te­ção, ain­da que pre­cá­ri­os. Fa­ri­da, Tu­ahir e Mui­din­ga, por­tan­to, são per­so­na­gens sem ca­sa, sem a pro­te­ção des­sa “área in­vi­o­lá­vel de paz” (BOLLNOW, 1961, p. 33). O lar, se­gun­do al­guns es­tu­dos ge­o­grá­fi­cos, é ti­do co­mo “a es­sên­cia do lu­gar”, de mo­do que “to­das as ou­tras ex­pe­ri­ên­ci­as de lu­gar são de al­gu­ma for­ma com­pa­ra­das com nos­sa ex­pe­ri­ên­cia de lar” (RELPH, 2012, p. 29). É con­si­de­ra­do “um lu­gar cen­tral por ex­ce­lên­cia e em to­da a sua gran­de­za”, pois é, en­tre ou­tros as­pec­tos, “um re­fú­gio ín­ti­mo, tran­ça­do por la­ços de afi­ni­da­des e sig­ni­fi­ca­dos... im­preg­na­do por ex­pe­ri­ên­ci­as do pas­sa­do e do pre­sen­te” (MEL­LO, 2012, p. 38). Des­se mo­do, não ter um lar tor­na a ex­pe­ri­ên­cia es­pa­ci­al mais ter­rí­vel pa­ra as per­so­na­gens. Tu­ahir e Mui­din­ga se des­lo­cam pe­la es­tra­da to­ma­da pe­la mor­te; quan­do che­gam ao ôni­bus des­truí­do, de cer­ta for­ma o trans­for­mam em ca­sa, mas que não che­ga a com­por-se num es­pa­ço to­tal­men­te tran­qui­lo, pois ha­via os mor­tos e a escuridão im­pe­din­do a for­ma­ção de um lar. Eles fa­zem al­gu­mas saí­das pe­los ar­re­do­res e de­fron­tam-se com os pe­ri­gos do es­pa­ço ex­ter­no. Des­se mo­do, eles vi­vem a du­a­li­da­de do es­pa­ço, em que “se­gu­ran­ça e pe­ri­go per­ten­cem ao ho­mem” e “a vi­da se de­sen­vol­ve na ten­são en­tre es­pa­ço ex­ter­no e in­ter­no” (BOLLNOW, 1961, p. 34). Ao fi­nal, Mui­din­ga ter­mi­na so­zi­nho, no mar, após des­pe­dir-se de Tu­ahir, e con­clui a lei­tu­ra dos ca­der­nos de Kind­zu, em um iso­la­men­to que ge­ra a re­fle­xão de­pois de re­cu­pe­rar sua iden­ti­da­de co­mo Gas­par, o fi­lho de­sa­pa­re­ci­do de Fa­ri­da. O in­su­la­men­to de Fa­ri­da, por sua vez, ocor­re no mar, em um na­vio en­ca­lha­do. A de­ci­são de fi­car so­zi­nha no veí­cu­lo aban­do­na­do se de­ve à sua di­fí­cil ex­pe­ri­ên­cia em ter­ra. Pri­mei­ra­men­te, en­fren­tou as tra­di­ções an­ces­trais de seu po­vo por ser fi­lha gê­mea, o que se con­si­de­ra­va si­nal de des­gra­ça. Ven­do-se obri­ga­da a par­tir, se “lan­çou na es­tra­da, sem na­da se­não as rou­pas” (COU­TO, 2007, p. 73). Aco­lhi­da por um ca­sal de por­tu­gue­ses, so­fre a vi­o­lên­cia se­xu­al e en­gra­vi­da. Fa­ri­da se vê sem um lu­gar, não po­den­do vol­tar à al­deia on­de nas­ceu nem per­ma­ne­cer na ca­sa dos por­tu­gue­ses que a ha­vi­am ado­ta­do. A gra­vi­dez tor­na-se um no­vo pro­ble­ma, pois o fi­lho se­ria bran­co, con­si­de­ra­do al­bi­no. Após dar à luz, Fa­ri­da dei­xa o fi­lho na igre­ja da Mis­são e não o vê mais. Co­mo a ter­ra tor­na-se pa­ra ela um “não-lu­gar”, se­gun­do ex­pres­são de Fon­se­ca e Cury (2008, p. 116), Fa­ri­da se iso­la no na­vio e ob­ser­va o fa­rol na es­pe­ran­ça de par­tir pa­ra lon­ge de seu país, en­quan­to es­pe­ra re­en­con­trar o fi­lho. Ao co­nhe­cer Kind­zu, ela apon­ta pa­ra uma ilha e ex­pli­ca: – Vês aque­las som­bras lá? É um pe­que­ni­ta ilha. Nes­sa ilhi­nha es­tá um fa­rol. Já não tra­ba­lha, se can­sou. Quan­do es­se fa­rol vol­tar a ilu­mi­nar a noi­te, os do­nos des­te bar­co vão po­der en­con­trar o ca­mi­nho de vol­ta. A luz des­se fa­rol é a mi­nha es­pe­ran­ça, apa­gan­do e acen­den­do tal igual a mi­nha von­ta­de de vi­ver. (COU­TO, 2007, p. 83) Ape­sar de iso­la­da, Fa­ri­da de­sen­vol­ve uma ação mo­di­fi­ca­do­ra do en­re­do, pois a re­la­ção amo­ro­sa com Kind­zu o le­va a um des­vio de per­cur­so, in­do em bus­ca de Gas­par. Tra­ta-se de um in­su­la­men­to di­fe­ren­te do ob­ser­va­do por Lins nas obras de Li­ma Bar­re­to, quan­do as per­so­na­gens pa­re­cem iso­la­das por não afe­ta­rem ou mu­da­rem o des­ti­no umas das ou­tras (LINS, 1976, p. 37). Fa­ri­da per­ma­ne­ce no na­vio, faz Kind­zu al­te­rar sua ro­ta e es­pe­ra, pa­ra, de­pois, ir a um ou­tro lu­gar. O fa­rol tor­na-se, en­tão, uma “con­cre­ti­za­ção” do sen­ti­men­to de es­pe­ran­ça no es­pa­ço ex­ter­no. Con­ti­nua na pró­xi­ma edi­ção *Dou­to­ran­do do Pro­gra­ma de Es­tu­dos Com­pa­ra­dos de Li­te­ra­tu­ras de Lín­gua Por­tu­gue­sa (DLCV-USP), de­sen­vol­ven­do a pes­qui­sa: “Os (des) ca­mi­nhos da na­ção: um es­tu­do com­pa­ra­do do es­pa­ço em Ter­ra so­nâm­bu­la e Mãe, Ma­ter­no Mar”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.