“PE­QUE­NAS FA­LHAS” ANIMARAM ANEDOTÁRIO DA CNE (MPLA)

Folha 8 - - DESTAQUE -

ACo­mis­são Na­ci­o­nal Eleitoral (CNE) ad­mi­tiu no pró­prio dia das elei­ções “pe­que­nas fa­lhas” no pro­ces­so de vo­ta­ção, en­tre elas a re­jei­ção pe­los pre­si­den­tes das as­sem­blei­as de vo­to da pre­sen­ça de de­le­ga­dos de lis­ta dos par­ti­dos po­lí­ti­cos pa­ra fis­ca­li­za­ção. Pe­que­nas? Claro. Se a su­cur­sal do MPLA o dis­se… Há por to­do o país, so­bre­tu­do em lo­cais me­nos me­diá­ti­cos, as­sem­blei­as de vo­to on­de não é pre­ci­so pôr o de­do no tin­tei­ro nem apre­sen­tar a iden­ti­fi­ca­ção. Um nos­so lei­tor (de­vi­da­men­te iden­ti­fi­ca­do mas so­bre o qual man­te­mos o ano­ni­ma­to) ex­pli­cou ao Fo­lha 8 que re­ce­beu do MPLA uma lis­ta com vá­ri­os no­mes que de­via adop­tar quan­do fos­se vo­tar. “Nes­ses lo­cais di­go ape­nas o meu su­pos­to no­me. Eles dão bai­xa e nem fin­gem que ve­ri­fi­cam a iden­ti­da­de. Eles dão bai­xa, eu vo­to e vou em­bo­ra,” ex­pli­cou. Fa­zen­do fé na ex­pli­ca­ção do pre­si­den­te da CNE, An­dré da Sil­va Ne­to, é ape­nas e só uma “pe­que­na fa­lha”. Um ou­tro lei­tor que vo­ta no Hu­am­bo, con­ta: “Fui vo­tar e lá dis­se­ram-me que não po­dia por­que já ti­nha vo­ta­do. Co­mo as­sim? Es­ta­va lá re­gis­ta­do. Pro­tes­tei. En­tão dis­se­ram-me: Não há pro­ble­ma, vo­ta no­va­men­te. E vo­tei.” Ape­nas e só uma ou­tra “pe­que­na fa­lha”. Se­rá que, co­mo no ca­so das ga­li­nhas que grão a grão en­chem o pa­po, a so­ma das pe­que­nas fa­lhas não da­rão um gran­de jei­to a al­guns? Pro­va­vel­men­te não, di­rá An­dré da Sil­va Ne­to. A si­tu­a­ção das “pe­que­nas fa­lhas” foi re­la­ta­da pe­lo pre­si­den­te da CNE, An­dré da Sil­va Ne­to, quan­do pro­ce­dia ao ba­lan­ço pro­vi­só­rio do pro­ces­so de vo­ta­ção das elei­ções ge­rais an­go­la­nas. An­dré da Sil­va Ne­to re­co­nhe­ceu que es­te foi “um in­ci­den­te que não se ul­tra­pas­sou fa­cil­men­te”, a al­te­ra­ção de­ci­di­da, no 23.08, pe­lo ple­ná­rio da CNE so­bre a for­ma co­mo os de­le­ga­dos de lis­ta de­ve­ri­am fis­ca­li­zar o ac­to de vo­ta­ção. Se­gun­do o res­pon­sá­vel do ór­gão eleitoral do MPLA, ini­ci­al­men­te a CNE ti­nha de­ci­di­do que em ca­da me­sa de vo­to de­ve­ri­am es­tar um de­le­ga­do de lis­ta de ca­da um dos par­ti­dos con­cor­ren­tes e um su­plen­te. Fa­ce aos atra­sos no cre­den­ci­a­men­to des­tes de­le­ga­dos de lis­ta, cu­ja res­pon­sa­bi­li­da­de en­car­na uma “enor­me fa­lha” da CNE, na or­dem dos 51.000 pa­ra ca­da uma das for­ma­ções po­lí­ti­cas con­cor­ren­tes, o ór­gão eleitoral, por re­cla­ma­ção dos par­ti­dos, al­te­rou o fi­gu­ri­no, in­for­mou An­dré da Sil­va Ne­to. “De­ci­di­mos que os su­plen­tes na­que­les lo­cais em que ha­via me­sas por se co­lo­car de­le­ga­dos efec­ti­vos, os de­le­ga­dos su­plen­tes se con­ver­tes­sem em de­le­ga­dos efec­ti­vos”, ex­pli­cou. Qu­es­ti­o­na­do so­bre o nú­me­ro de de­le­ga­dos de lis­ta cre­den­ci­a­dos pe­la CNE, An­dré da Sil­va Ne­to apon­tou pa­ra cer­ca de 168.890 pes­so­as, uma ci­fra aquém da quan­ti­da­de apre­sen­ta­da pe­los par­ti­dos po­lí­ti­cos. Uma “pe­que fa­lha”, di­rá o MPLA pe­la bo­ca do pre­si­den­te da CNE. Acres­cen­tou que a de­ci­são foi to­ma­da já noi­te e en­ca­mi­nha­da a de­li­be­ra­ção às co­mis­sões mu­ni­ci­pais elei­to­rais, mas, por sua vez, “ti­ve­ram al­gu­mas di­fi­cul­da­des ini­ci­al­men­te pa­ra fa­zer che­gar es­te pro­ce­di­men­to às res­pec­ti­vas as­sem­blei­as de vo­to”. “E quan­do es­ses de­le­ga­dos su­plen­tes se di­ri­gi­ram às me­sas, pa­ra exer­cer es­se di­rei­to co­mo de­le­ga­dos efec­ti­vos, es­bar­ra­ram na au­to­ri­da­de na­tu­ral do pre­si­den­te da as­sem­bleia de vo­to que des­co­nhe­cia em prin­cí­pio es­ta ori­en­ta­ção”, avan­çou. Des­co­nhe­cia? Co­mo é na­tu­ral, des­co­nhe­cer o que não in­te­res­sa é uma ex­ce­len­te for­ma de ali­men­tar e po­ten­ci­ar o que in­te­res­sa. A bem, é claro, do re­gi­me e do seu can­di­da­to. Che­ga­do ao co­nhe­ci­men­to da CNE, a si­tu­a­ção foi “ra­pi­da­men­te” al­te­ra­da, fa­zen­do che­gar a co­mu­ni­ca­ção aos pre­si­den­tes das as­sem­blei­as de vo­to. Da­ria pa­ra rir. É mais uma pe­ça da pa­lha­ça da CNE na sua ca­mi­nha­da pa­ra li­de­rar o ran­king do anedotário na­ci­o­nal. “E nes­te mo­men­to a si­tu­a­ção es­tá re­gu­la­ri­za­da, os de­le­ga­dos de lis­ta su­plen­tes es­tão a co­brir as me­sas va­zi­as, fa­zen­do a vez dos de­le­ga­dos efec­ti­vos e es­tá ul­tra­pas­sa­da, fe­liz­men­te, es­ta pe­que­na fa­lha que se ve­ri­fi­cou em re­la­ção aos de­le­ga­dos de lis­ta”, dis­se. Dis­se e po­de con­ti­nu­ar a di­zer. No en­tan­to, An­dré da Sil­va Ne­to não po­de fa­zer de nós dé­beis men­tais e ma­tum­bos con­gé­ni­tos. Con­fun­dir o cor­re­dor de fun­do com o fun­do do cor­re­dor po­de ser uma boa es­tra­té­gia pa­ra os acó­li­tos do re­gi­me, ti­po TPA, RNA, TV Zim­bo e Cª, mas con­nos­co não pe­ga. Ain­da so­bre fa­lhas re­gis­ta­das no pro­ces­so de vo­ta­ção, o pre­si­den­te da CNE in­di­cou o atra­so na aber­tu­ra de al­gu­mas as­sem­blei­as de vo­to, em al­guns pon­tos do país, so­bre­tu­do em zo­nas de di­fí­cil aces­so. “Na­que­las zo­nas on­de so­bre­tu­do só se po­de che­gar por via aé­rea re­gis­ta­ram-se al­guns atra­sos, quer por­que os aviões pre­pa­ra­dos pa­ra o efei­to, no­me­a­da­men­te he­li­cóp­te­ros, re­gis­ta­ram al­gu­mas ava­ri­as, mas já fo­ram su­pe­ra­das e nes­te mo­men­to to­das as as­sem­blei­as de vo­to es­tão aber­tas e o po­vo con­ti­nua a vo­tar de for­ma des­pre­o­cu­pa­da, ale­gre e em for­ma fes­ti­va”, re­go­zi­jou-se. Até os he­li­cóp­te­ros ava­ri­am. É pre­ci­so ter azar…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.