A VI­SÃO DOS QUE SA­BEM TU­DO

Folha 8 - - DESTAQUE -

De fac­to, e co­mo era es­pe­ra­do pe­lo re­gi­me an­go­la­no, na pri­mei­ra fi­la de ob­ser­va­ção es­tá sem­pre a sub­ser­vi­ên­cia, co­lec­ti­va ou in­di­vi­du­al. Os que sa­bem tu­do, es­ses es­tão na pri­mei­ra fi­la. Cá atrás não es­ti­ve­ram os ob­ser­va­do­res. E não es­ti­ve­ram por­que se o fi­zes­sem po­de­ri­am, mes­mo que in­vo­lun­ta­ri­a­men­te, ver o que se pas­sa­va de fac­to. E se vis­sem se­ria uma cha­ti­ce não re­la­tar. Além dis­so, o gros­so da fraude não se pas­sou mas me­sas de vo­to. Pas­sou-se no cen­tro (ne­vrál­gi­co) do con­tro­lo in­for­má­ti­co, sob as or­dens de uma cor­ja in­ter­na­ci­o­nal de vi­ga­ris­tas. É por is­to que os ob­ser­va­do­res elei­to­rais es­ti­ve­ram sem­pre na pri­mei­ra fi­la. To­dos sa­bi­am quem eles eram e ao que iam. Se ca­lhar po­de­ri­am pas­sar des­per­ce­bi­dos e, des­sa for­ma, ver me­lhor a re­a­li­da­de. Mas não era pa­ra is­so que eles cá es­ta­vam. E pa­ra um ob­ser­va­dor que se pre­ze, o si­lên­cio é uma re­gra de ou­ro. E se a is­so con­se­guir jun­tar a ce­guei­ra, en­tão é o di­a­man­te no ci­mo dos dó­la­res. Co­mo lhe com­pe­tia, o MPLA só deu luz ver­de aos ob­ser­va­do­res que en­ten­deu. A União Eu­ro­peia fi­cou a ver na­vi­os, a CPLP con­se­guiu re­sol­ver a ques­tão com uma mis­são de cre­den­ci­a­dos ba­ju­la­do­res. Ape­sar da re­du­ção nu­mé­ri­ca, o re­gi­me co­lo­cou co­mo con­di­ção si­ne qua non se­rem in­ver­te­bra­dos, cor­rup­tos e ce­gos. No en­tan­to, a fraude não se li­mi­tou ao ac­to do co­lo­car o vo­to na ur­na. Co­me­çou an­tes, bem an­tes. Tão an­tes que nin­guém da opo­si­ção con­se­guiu a tem­po e ho­ras (co­mo, aliás, es- ta­va pre­vis­to na lei) sa­ber o que se pas­sa­va com os ca­der­nos elei­to­rais, com os de­le­ga­dos de lis­ta e com to­dos os qua­dros ads­tri­tos às elei­ções. Por al­gu­ma ra­zão as pes­so­as que o re­gi­me en­ten­deu se­rem as mais cre­den­ci­a­das pa­ra as me­sas e as­sem­blei­as de vo­to fo­ram mem­bros das di­fe­ren­tes es­pe­ci­a­li­da­des do MPLA, apa­re­cen­do al­guns des­tes co­mo sen­do in­di­ca­dos pe­los par­ti­dos da opo­si­ção. Pe­la via in­for­má­ti­ca/elec­tró­ni­ca, mon­ta­da há me­ses, os re­sul­ta­dos re­ce­bi­dos fo­ram con­ver­ti­dos na lin­gua­gem já es­ta­be­le­ci­da, ra­zão pe­la qual mui­tos dos re­sul­ta­dos apu­ra­dos in lo­co nas as­sem­blei­as de apu­ra­men­to não coin­ci­dem até mes­mo com os que che­ga­ram à pró­pria CNE. E, em mui­tos ca­sos, a cul­pa nem é da CNE que, de fac­to, di­vul­ga os da­dos que re­ce­be e que jul­ga te­rem ori­gem nos cen­tros de es­cru­tí­nio. Mas não. Os en­vi­a­dos des­ses cen­tros vão pa­rar ao co­man­do do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA que os con­ver­te e re­en­via pa­ra a CNE. Se­ja co­mo for, na­da dis­to e do mui­to que con­ti­nua no se­gre­do dos deu­ses do MPLA, com as­ses­so­ria in­ter­na­ci­o­nal, im­por­ta à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal que, tal co­mo os an­go­la­nos, foi co­mi­da de ce­bo­la­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.