SOBAS GUARDAM UR­NAS E MATERIAL ELEITORAL EM CASA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Nos úl­ti­mos di­as, a em­pre­sa Lo­gís­ti­ca e Trans­por­tes Li­mi­ta­da (LTI) tem es­ta­do a dis­tri­buir os kits elei­to­rais, in­cluin­do ur­nas e bo­le­tins de votos, nas re­si­dên­ci­as de sobas li­ga­dos ao MPLA, em vá­ri­as lo­ca­li­da­des da Lun­da-nor­te, sem qual­quer ti­po de su- per­vi­são. O Ma­ka An­go­la con­fir­mou, jun­to de fon­tes da Co­mis­são Mu­ni­ci­pal Eleitoral do mu­ni­cí­pio do Lu­ca­pa, os no­mes de vá­ri­os sobas que re­ce­be­ram o material. Na co­mu­na do Ca­lon­da, con­tam-se, en­tre mui­tos ou­tros, os sobas Mwat­chi­on­do (bair­ro Caim­bam­ba), Adol­fo e Ma­teus. Na co­mu­na de Ca­mis­som­bo cons­tam o re­ge­dor Sa­mu­lan­da, as sobas Cris­ti­na Ca­nhan­ga (che­fe do CAP do MPLA do bair­ro Sa­mu­lam­bo) e Cris­ti­na Al­ber­ti­na Ca­pin­ga (che­fe do CAP do MPLA) e o so­ba Mu­a­ne­ne. No sec­tor do Lu­a­ri­ca, na mes­ma co­mu­na do Ca­mis­som­bo, os kits elei­to­rais fo­ram de­po­si­ta­dos tam­bém nas ca­sas dos sobas Cam­ba­caia, Cam­ba­ca­tia, San­ga­lu­a­no, Sa­ma­co­la, Nan­don­go e Nhon­ga Jor­ge, en­tre ou­tros. Por ou­tro la­do, na se­de do mu­ni­cí­pio de Ca­pen­da-Ca­mu­lem­ba, o exer­cí­cio de en­tre­ga das ur­nas aos cui­da­dos dos sobas, to­dos iden­ti­fi­ca­dos com o MPLA, tam­bém é mar­can­te. O Ma­ka An­go­la con­se­guiu ave­ri­guar que, no fim-de-se­ma­na pas­sa­do, fo­ram de­po­si­ta­dos kits elei­to­rais nas re­si­dên­ci­as dos sobas Man­dam­ba, Mwa­mus­son­go e Cam­bân­dua, dos bair­ros com os res­pec­ti­vos no­mes, e em mui­tos mais. A LTI é uma das três em­pre­sas con­tra­ta­das pe­la Co­mis­são Na­ci­o­nal Eleitoral (CNE) pa­ra pres­tar ser­vi­ços nes­tas elei­ções, ten­do a res­pon­sa­bi­li­da­de de dis­tri­bui­ção dos kits elei­to­rais pe­lo país. Se­gun­do in­for­ma­ções re­co­lhi­das pe­lo Ma­ka An­go­la jun­to da CNE, a LTI ga­nha 95 mi­lhões de dó­la­res pa­ra pro­vi­den­ci­ar a so­lu­ção lo­gís­ti­ca e de trans­por­te pa­ra as elei­ções. Um dos ar­gu­men­tos usa­dos pa­ra que os sobas se­jam os fiéis de­po­si­tá­ri­os do material eleitoral, sem qual­quer su­per­vi­são, as­sen­ta no “de­ver de co­o­pe­ra­ção” en­tre en­ti­da­des ofi­ci­ais, tra­di­ci­o­nais e pri­va­das, de mo­do a ga­ran­tir um pro­ces­so eleitoral bem-su­ce­di­do. Des­co­nhe-

ce-se exac­ta­men­te on­de es­tá pre­vis­to es­se “de­ver de co­o­pe­ra­ção”, da­da a fal­ta de le­gis­la­ção es­pe­cí­fi­ca so­bre as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais nes­ta ma­té­ria. Ou­tros­sim, se­gun­do um co­mis­sá­rio que pre­fe­re não ser iden­ti­fi­ca­do, a CNE tam­bém tem in­vo­ca­do, nos seus en­con­tros, o ar­gu­men­to de que se­rão mon­ta­das ten­das jun­to das re­si­dên­ci­as dos sobas pa­ra o dia da vo­ta­ção. Por con­se­guin­te, jus­ti­fi­car-se-ia que fos­sem os sobas a guar­dar as ur­nas que se­rão usa­das nas as­sem­blei­as de vo­to jun­to das su­as re­si­dên­ci­as. Con­tu­do, em con­ver­sa com al­guns mem­bros da Co­mis­são Mu­ni­ci­pal Eleitoral (CME) do Lu­ca­pa, o Ma­ka An­go­la te­ve co­nhe­ci­men­to da fal­ta de dis­tri­bui­ção de ten­das pa­ra o efei­to. Ao ní­vel do CME, a LTI ale­ga fal­ta de con­di­ções de se­gu­ran­ça pa­ra guar­dar as ur­nas em lo­cais neu­tros. As mes­mas fon­tes tam­bém in­di­ca­ram que, no Lu­ca­pa, a Po­lí­cia Na­ci­o­nal, du­ran­te di­as, não acom­pa­nhou a dis­tri­bui­ção das ur­nas “por fal­ta de pla­ne­a­men­to e con­di­ções”. “Os sobas, na sua mai­o­ria, não são par­tes isen­tas no pro­ces­so por­que al­guns, co­mo se vê, che­fi­am os Co­mi­tés de Ac­ção Po­lí­ti­ca do MPLA. Têm in­te­res­ses ve­la­dos nos re­sul­ta­dos elei­to­rais e, por is­so, as ur­nas não de­vem fi­car à sua guar­da”, re­fe­re o co­mis­sá­rio da opo­si­ção. A ques­tão fun­da­men­tal que se co­lo­ca é: o que faz a LTI com 95 mi­lhões de dó­la­res, ao pon­to de não con­se­guir dis­tri­buir ten­das nem man­ter os kits elei­to­rais se­gu­ros, lon­ge do al­can­ce dos con­cor­ren­tes, con­for­me man­da a lei? Do pon­to de vis­ta ju­rí­di­co-cons­ti­tu­ci­o­nal, os sobas são uma au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal, as­sim re­co­nhe­ci­da pe­los ar­ti­gos 223.º e se­guin­tes da Cons­ti­tui­ção. Con­tu­do, a con­sa­gra­ção cons­ti­tu­ci­o­nal das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais não as tor­na ór­gãos de so­be­ra­nia, nem lhes con­fe­re qual­quer atri­bu­to de isen­ção, im­par­ci­a­li­da­de ou neu­tra- li­da­de ade­qua­das pa­ra o de­sem­pe­nho de fun­ções elei­to­rais. A pró­pria Cons­ti­tui­ção tem o cui­da­do de sub­me­ter os sobas à Lei Fun­da­men­tal e à le­gis­la­ção po­si­ti­va em ge­ral (ar­ti­go 224.º) e de de­ter­mi­nar que as su­as atri­bui­ções e com­pe­tên­ci­as se­rão re­gu­la­das por lei. O mes­mo faz a re­cen­te Lei Or­gâ­ni­ca do Po­der Lo­cal, lei n.º 15/17, de 8 de Agos­to, nos seus ar­ti­gos 36.º e se­guin­tes, que aliás re­pe­tem a Cons­ti­tui­ção. Quer is­to di­zer que não exis­te qual­quer “pre­fe­rên­cia” ou “con­fi­an­ça” cons­ti­tu­ci­o­nal nos sobas. Pe­lo con­trá­rio, exis­te ne­ces­si­da­de de os re­gu­lar le­gal­men­te. Nes­tes ter­mos, en­tre­gar as ur­nas aos sobas não tem qual­quer fun­da­men­to cons­ti­tu­ci­o­nal, tor­nan­do-se mais um ac­to eleitoral des­pro­vi­do de fun­da­men­to ju­rí­di­co, nu­ma área em que co­mo se sa­be, o com­por­ta­men­to da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca de­ve­ria ser, aci­ma de tu­do e sem mar­gem pa­ra dú­vi­das, vin­cu­la­do à lei. A zo­na di­a­man­tí­fe­ra da Lun­da-nor­te é um dos prin­ci­pais fo­cos de gran­des con­tes­ta­ções po­pu­la­res ao go­ver­no, por ser das zo­nas mais em­po­bre­ci­das do país e com uma das po­pu­la­ções mais mal­tra­ta­das pe­lo po­der po­lí­ti­co. Nos úl­ti­mos anos, o co­ro de rei­vin­di­ca­ções tem si­do am­pli­fi­ca­do pe­la cres­cen­te mo­bi­li­za­ção do Mo­vi­men­to do Pro­tec­to­ra­do Lun­da-Tchokwé, cu­jos mem­bros têm si­do de­ti­dos e tor­tu­ra­dos às de­ze­nas. Não há lu­gar pa­ra ilu­sões: on­de os votos ga­ran­ti­da­men­te cas­ti­ga­rão o MPLA, a CNE tra­ta de abrir ca­mi­nho pa­ra a fraude eleitoral. Mes­mo de­pois de qua­se qua­ren­ta anos ao co­man­do do país, mes­mo dé­ca­das de­pois de mui­ta cor­rup­ção, mui­to sa­que e en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to, os lí­de­res do MPLA não que­rem sair do po­lei­ro. Por is­so, usam de to­dos os mei­os ao seu al­can­ce pa­ra evi­tar que, de­pois de ama­nhã, a con­ta­gem dos votos tra­du­za os re­sul­ta­dos inequí­vo­cos da son­da­gem eleitoral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.