AS GUERRAS RESULTAM DOS FALHANÇOS DA DE­MO­CRA­CIA

Folha 8 - - DESTAQUE -

To­do o mun - do sa­be que com o po­der ab­so­lu­to que tem nas mãos (se­jam as mãos de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ou da sua ma­ri­o­ne­ta de no­me João Lou­ren­ço), o MPLA/ Es­ta­do/re­gi­me é uma das di­ta­du­ras mais an­ti­gas do mun­do. E, co­mo tam­bém to­dos sa­bem, se o po­der cor­rom­pe, o po­der ab­so­lu­to cor­rom­pe ab­so­lu­ta­men­te. Não ad­mi­ra, por is­so, que An­go­la se­ja um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do. O fac­to de não ser ca­so úni­co, no­me­a­da­men­te em Áfri­ca, em na­da abo­na do pon­to de vis­ta de­mo­crá­ti­co e ci­vi­li­za­ci­o­nal a fa­vor do MPLA. Mas, ver­da­de se­ja es­cri­ta, is­so não o pre­o­cu­pa. Se ele foi ca­paz de se di­vor­ci­ar da União So­vié­ti­ca pa­ra ca­sar com os EUA é por­que sa­be de que la­do so­bre­vi­vem os di­ta­do­res bons. Ti­ves­se Mu­am­mar Ka­da­fi ti­do o mes­mo sen­ti­do es­tra­té­gi­co e ain­da ho­je es­ta­ria do la­do dos di­ta­do­res bons. Co­mo mu­dou, pas­sou a ter­ro­ris­ta mau, e foi o que se viu. Só em di­ta­du­ra, mes­mo que le­gi­ti­ma­da pe­los votos com­pra­dos a um po­vo que qua­se sem­pre pen­sa com a bar­ri­ga (va­zia) e não com a ca­be­ça, é pos­sí­vel um par­ti­do sem­pre com o mes­mo pre­si­den­te es­tar tan­tos anos no po­der. Em qual­quer es­ta­do de di­rei­to de­mo­crá­ti­co tal não se­ria pos­sí­vel. Mas is­so tem al­gu­ma im­por­tân­cia? Claro que não. Aliás, e An­go­la não fo­ge in­fe­liz­men­te à re­gra, Áfri­ca é um al­fo­bre cons­tan­te e ha­bi­tu­al de con­fli­tos ar­ma­dos por­que a fal­ta de de­mo­cra­ti­ci­da­de obri­ga a que a al­ter­nân­cia po­lí­ti­ca se­ja con­quis­ta­da pe­la lin­gua­gem das ar­mas. Há ob­vi­a­men­te ou­tras ra­zões, mas quan­do se jul­ga que elei­ções são só por si si­nó­ni­mo de de­mo­cra­cia es­tá-se a ca­mi­nhar pa­ra a di­ta­du­ra. Foi, in­fe­liz­men­te, o nos­so ca­so. Com Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos pas­sou-se exac­ta­men­te is­so. A guer­ra le­gi­ti­mou tu­do o que se con­se­gue ima­gi­nar de mau. Per­mi­tiu ao pre­si­den­te do MPLA per­pe­tu­ar-se no po­der, tal co­mo co­mo per­mi­tiu que a UNITA dis­ses­se que es­sa era (e pe­lo que se vai ven­do até pa­re­ce que te­ve ra­zão) a úni­ca via pa­ra mu­dar de do­no do país. As ma­ni­gân­ci­as elei­to­rais da pas­sa­da quar­ta-fei­ra, pro­ta­go­ni­za­das no­va­men­te pe­lo MPLA, po­de in­di­ci­ar que a di­ta­du­ra só aca­ba com uma re­vo­lu­ção. E quan­do, por ma­ni­fes­ta in­ge­nui­da­de e não me­nos ma­ni­fes­ta sim­pli­ci­da­de, o Po­vo dá si­nais de que­rer al­te­rar es­te (mau) es­ta­do de coi­sas (foi o ca­sos des-

tas elei­ções), o re­gi­me ace­na lo­go com o es­pec­tro da guer­ra. “Is­so não”, di­zem os an­go­la­nos de tão sa­cri­fi­ca­dos por de­ze­nas de anos de guer­ra. E, mal por mal, pre­fe­rem a bar­ri­ga va­zia do que os ti­ros. Mas que co­me­çam a es­tar far­tos, is­so co­me­çam. Tam­bém a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal vem lo­go a ter­rei­ro pa­ra, sem cui­dar da ve­ra­ci­da­de das te­ses do re­gi­me, di­zer que não per­mi­ti­rá o re­gres­so à guer­ra. E co­mo é que o faz? Sim­ples. Apoi­an­do quem es­tá no po­der, in­de­pen­den­te­men­te de ser uma di­ta­du­ra cor­rup­ta e a abar­ro­tar de la­drões. É claro que, é sem­pre as­sim nas di­ta­du­ras, o po­vo foi sem­pre e con­ti­nua a ser (as elei­ções não al­te­ra­ram a gé­ne­se da di­ta­du­ra, ape­nas a ma­qui­lha­ram) car­ne pa­ra ca­nhão. Se­ja na guer­ra ou na paz, o Po­vo con­ti­nua a ser o es­cra­vo. Por ou­tro la­do, a tí­pi­ca hi­po­cri­sia das gran­des po­tên­ci­as oci­den­tais, no­me­a­da­men­te EUA e União Eu­ro­peia, aju­dou a do­tar o Pre­si­den­te do MPLA, que con­ti­nu­a­rá – re­cor­de-se – a ser Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, com o ró­tu­lo de gran­de es­ta­dis­ta. Ró­tu­lo que não cor­res­pon­de ao pro­du­to. Es­sa op­ção es­tra­té­gi­ca de nor­te-ame­ri­ca­nos e eu­ro­peus tem, re­co­nhe­ça-se, ra­zão de ser so­bre­tu­do no âm­bi­to eco­nó­mi­co. É mui­to mais fá­cil ne­go­ci­ar (Por­tu­gal que o di­ga) com um re­gi­me di­ta­to­ri­al do que com um que se­ja de­mo­crá­ti­co. É mui­to mais fá­cil ne­go­ci­ar com al­guém que, à par­ti­da, se sa­be que irá es­tar na ca­dei­ra do po­der du­ran­te uma eter­ni­da­de, do que com al­guém que po­de ao fim de um par de anos ser subs­ti­tuí­do pe­la li­vre es­co­lha po­pu­lar. É, co­mo acon­te­ceu e con- ti­nu­a­rá a acon­te­cer com Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, mui­to mais fá­cil ne­go­ci­ar com o lí­der de um clã que re­pre­sen­ta qua­se 100 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to, do que com al­guém que não se­ja do­no do país mas ape­nas, co­mo acon­te­ce nas de­mo­cra­ci­as, re­pre­sen­tan­te tem­po­rá­rio do po­vo so­be­ra­no. Re­co­nhe­ça-se, en­tre­tan­to, a es­ta­tu­ra po­lí­ti­ca de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, vi­sí­vel so­bre­tu­do a par­tir do mo­men­to em que dei­xou de po­der contar com Jo­nas Sa­vim­bi co­mo o bo­de ex­pi­a­tó­rio pa­ra tu­do o que de mal se pas­sa­va em An­go­la. Desde 2002, o pre­si­den­te qua­se emé­ri­to e mes­mo as­sim do­no e ma­ni­pu­la­dor da no­va ma­ri­o­ne­ta que co­lo­cou na Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, con­se­guiu fin­gir que de­mo­cra­ti­za­va o país e, mais do que is­so, con­se­guiu (em­bo­ra não por mé­ri­to seu mas, is­so sim, por de­mé­ri­to da UNITA) do­mes­ti­car com­ple­ta­men­te to­dos aque­les que lhe po­de­ri­am fa­zer fren­te. To­dos sa­be­mos que, até pe­lo fac­to de o país ter es­ta­do em guer­ra de­ze­nas de anos, o mais al­to di­ri­gen­te do MPLA não tem as mãos lim­pas de san­gue. Aliás, ne­nhu­ma di­ta­dor com 38 anos de per­ma­nên­cia se­gui­da no po­der, tem as mãos lim­pas. Mas es­sa tam­bém não é uma pre­o­cu­pa­ção. Quan­do se tem mui­tos e mui­tos mi­lhões, pou­co im­por­ta co­mo es­tão as mãos. Aliás, es­ses mi­lhões ser­vem tam­bém pa­ra bran­que­ar, pa­ra lim­par, pa­ra trans­plan­tar, pa­ra com­prar (qua­se) tu­do e (qua­se) to­dos. Tu­do is­to é pos­sí­vel com al­gu­ma fa­ci­li­da­de quan­do se é do­no de um país ri­co e, des­sa for­ma, se con­se­gue tu­do o que se quer. E quan­do apa­re­cem pes­so­as que não es­tão à ven­da mas in­co­mo­dam e ame­a­çam o tro­no, há sem­pre for­ma de as fa­zer cho­car com uma ba­la ou en­trar na ca­deia ali­men­tar dos ja­ca­rés. Aliás, co­mo se viu com a far­sa que foi o su­pos­to jul­ga­men­to dos 15+2 jo­vens ac­ti­vis­tas, a lei pri­mei­ra do re­gi­me é a de que até pro­va em con­trá­rio to­dos são cul­pa­dos. Por is­so o re­gi­me do MPLA ma­ta pri­mei­ro e “in­ter­ro­ga” de­pois. Por is­so de­cre­ta a sen­ten­ça e de­pois faz o jul­ga­men­to de mo­do a ba­ter cer­to com o ve­re­dic­to. Sim­ples. É claro que, en­quan­to is­so, o Po­vo con­ti­nua a ser ge­ra­do com fo­me, a nas­cer com fo­me, e a mor­rer pou­co de­pois… com fo­me. E a fo­me, a mi­sé­ria, as do­en­ças, as as­si­me­tri­as so­ci­ais são cha­gas im­pu­tá­veis ao Po­der. E quem es­tá no po­der há 42 anos é o MPLA. Até um dia, co­mo é ób­vio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.