MPLA ACUSA A OPO­SI­ÇÃO

Folha 8 - - DESTAQUE -

En­quan­to is­so, o se­cre­tá­rio do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA pa­ra os as­sun­tos po­lí­ti­cos e elei­to­rais, João Mar­tins, ape­lou no 25.08 aos an­go­la­nos pa­ra aguar­da­rem com se­re­ni­da­de e pa­ci­ên­cia pe­los re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos das elei­ções ge­rais, acu­san­do a opo­si­ção de que­rer in­vi­a­bi­li­zar es­se pro­ces­so. Aque­le di­ri­gen­te re­a­gia, em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, ao anún­cio ofi­ci­al dos úl­ti­mos re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os das elei­ções ge­ri­as de 23.08. Se­gun­do João Mar­tins, o pro­ces­so eleitoral an­go­la­no tem es­ta­do a me­re­cer uma ava­li­a­ção po­si­ti­va, por par­te dos ob­ser­va­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, mas os úl­ti­mos pro­nun­ci­a­men­tos dos par­ti­dos da opo­si­ção, re­ve­la que não que­rem “ver os re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos pu­bli­ca­dos”. “A opo­si­ção não quer ver os re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos pu­bli­ca­dos, quer an­tes an­te­ci­par com uma si­tu­a­ção de per­tur­ba­ção, pa­ra in­vi­a­bi­li­zar a pu­bli­ca­ção des­ses re­sul­ta­dos”, acu­sou o po­lí­ti­co. João Mar­tins sa­li­en­tou que das ac­tas pro­vi­só­ri­as cons­tam votos re­cla­ma­dos, que de­vem nu­ma pri­mei­ra ins­tân­cia ser de­ci­di­dos pe­las co­mis­sões pro­vin­ci­ais elei­to­rais, no exer­cí­cio do apu­ra­men­to pro­vin­ci­al, al­tu­ra em que os par­ti­dos po­dem co­lo­car as su­as ques­tões. João Mar­tins acu­sou ain­da os par­ti­dos da opo­si­ção de es­ta­rem a ins­truir os seus mem­bros nas co­mis­sões pro­vin­ci­ais elei­to­rais e na Co­mis­são Na­ci­o­nal Eleitoral pa­ra não as­sis­ti­rem às ope­ra­ções de apu­ra­men­to, o que con­si­de­rou ser “um ac­to im­pró­prio”. “E pou­co con­di­cen­te até com a li­su­ra e a trans­pa­rên­cia do pro­ces­so con­for­me tem es­ta­do a ates­tar to­dos os ci­da­dãos e so­bre­tu­do os ob­ser­va­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais”, dis­se. “É o que nos pa­re­ce, por­que des­se com­por­ta­men­to não po­de­mos ter ou­tra lei­tu­ra, há sem­pre um con­ten­ci­o­so eleitoral e se ti­ve­rem re­cla­ma­ções a fa­zer é em se­de do con­ten­ci­o­so eleitoral que elas de­vem ocor­rer e não na pra­ça pú­bli­ca, co­mo pa­re­ce que vai ser a es­tra­té­gia a ser se­gui­da pe­la opo­si­ção”, acres­cen­tou. João Mar­tins dis­se que o MPLA es­tá aten­to “com se­re­ni­da­de”, pa­ra re­ce­ber os re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos “e de­pois fes­te­jar a vi­tó­ria”. Após o anún­cio dos re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos, o MPLA vai fa­zer uma ava­li­a­ção de co­mo de­cor­reu to­do o pro­ces­so eleitoral e, de­pois de ins­ti­tuí­do os ór­gãos re­sul­tan­tes des­sas elei­ções pro­ce­der “com a se­re­ni­da­de que lhe com­pe­te a uma ava­li­a­ção cri­te­ri­o­sa do de­sem­pe­nho po­lí­ti­co eleitoral”. “Quer a ní­vel na­ci­o­nal quer a ní­vel de ca­da uma das cir­cuns­cri­ções elei­to­rais, pro­vín­ci­as, mu­ni­cí­pi­os, lo­ca­li­da­des pa­ra po­der­mos ver en­tão co­mo va­mos apli­car ago­ra com mai­or con­tun­dên­cia o ‘slo­gan’ que usa­mos du­ran­te a cam­pa­nha cor­ri­gir o que es­tá mal e me­lho­rar o que es­tá bem”, sa­li­en­tou. *Fo­lha 8 com Lu­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.