CASA-CE AME­A­ÇA PAR­TIR A LOUÇA

Folha 8 - - POLÍTICA -

Aco­li­ga­ção CASA-CE re­cu­sou no 25.08 va­li­dar os re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os das elei­ções ge­rais an­go­la­nas de 23.08, ale­gan­do e bem vi­o­la­ções à lei eleitoral, pe­lo que não põe de par­te uma via le­gal pa­ra im­pug­nar a vo­ta­ção. Só o MPLA (pu­de­ra!) diz que não hou­ve vi­o­la­ção da lei. “T udo o que re­sul­ta de uma vi­o­la­ção da lei, é in­vá­li­do. Es­ses da­dos não têm qual­quer va­lor. Ago­ra, o pro­ble­ma da sua im­pug­na­ção, por ora o que es­ta­mos a fa­zer é aler­tar a opi­nião pú­bli­ca na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. O que vi­er de­pois, na de­vi­da al­tu­ra nos pro­nun­ci­a­re­mos. Mas a ver­da­de é que não nos va­mos dei­xar en­ga­nar”, dis­se no 25.08 o vi­ce-pre- si­den­te da CASA-CE, o al­mi­ran­te An­dré Men­des de Car­va­lho “Mi­au”. A CASA-CE ha­via con­vo­ca­do um Con­se­lho Pre­si­den­ci­al – o má­xi­mo ór­gão da co­li­ga­ção en­tre con- gres­sos – pa­ra en­tre 25 e 27.08, dis­cu­tir o pro­ces­so no Mus­su­lo. O en­con­tro foi can­ce­la­do, mas a cú­pu­la da co­li­ga­ção deu uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa pa­ra apon­tar o que con­si­de­ra ser vá­ri­as vi­o­la­ções à lei eleitoral na vo­ta­ção de 23.08. En­tre es­sas ale­ga­das vi­o­la­ções con­tam-se a au­sên­cia de man­da­tá­ri­os dos par­ti­dos nas con­ta­gens fei­tas em ca­da uma das 18 pro­vín­ci­as. A lei an­go­la­na diz que a con­ta­gem na­ci­o­nal, fei­ta em Lu­an­da, de­ve ter co­mo ba­se os re­sul­ta­dos com­pi­la­dos ao ní­vel pro­vin­ci­al. A lei diz. Mas quem man­da no rei­no há 42 anos é o MPLA. Por­tan­to… “Se as pro­vín­ci­as não fa­cul­ta­ram quais­quer da­dos, não per­ce­be­mos co­mo é que a CNE pro­du­ziu es­ses re­sul­ta­dos [em Lu­an­da]. Por­que os nos­sos man­da­tá­ri­os pro­vin­ci­ais não fo­ram con­vo­ca­dos a par­ti­ci­par em ne­nhum even­to des­se ti­po”, dis­se o can­di­da­to da CASA-CE ao car­go de vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. O al­mi­ran­te An­dré Men­des de Car­va­lho “Mi­au” tam­bém ci­tou o ar­ti­go 130.º [da Lei Or­gâ­ni­ca das Elei­ções Ge­rais], que diz que as ac­tas on­de se faz o apu­ra­men­to do re­sul­ta­do pro­vin­ci­al de­vem ser en-

tre­gues aos re­pre­sen­tan­tes das for­ças po­lí­ti­cas con­cor­ren­tes. “Nós não te­mos ne­nhu­ma des­sas ac­tas. Por is­so mes­mo, por não es­tar­mos a par­ti­ci­par, por não ter­mos si­do con­vi­da­dos a es­tar pre­sen­tes nes­sas con­ta­gens pa­ra ve­ri­fi­car a li­su­ra e a jus­te­za des­sa con­ta­gem, nós não po­de­mos acei­tar es­ses re­sul­ta­dos. E não po­de­mos acei­tar por­que nem se­quer sa­be­mos de on­de é que eles vi­e­ram”, con­cluiu. As­sim, pa­ra a CASA-CE os re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os li­dos pe­la por­ta-voz da su­cur­sal do MPLA que dá pe­lo no­me de Co­mis­são Na­ci­o­nal Eleitoral (CNE), Jú­lia Fer­rei­ra, “não res­pei­ta­ram a lei”. “Não ten­do res­pei­ta­do a lei, não po­de­mos de ma­nei­ra ne­nhu­ma va­li­dar es­ses re­sul­ta­dos (…) Pa­ra po­der­mos acei­tar es­ses re­sul­ta­dos te­ría­mos de es­tar pre­sen­tes e as­sis­tir e ve­ri­fi­car se as fon­tes de on­de a CNE es­tá a ex­trair es­ses da­dos são le­gais”, re­al­çou. De acor­do com os da­dos mais re­cen­tes da CNE, com 98,8% dos votos es­cru­ti­na­dos, o MPLA li­de­ra a con­ta­gem na­ci­o­nal, com 61,08% dos votos, se­gui­do da UNITA com 26,70% e da CASA-CE, com 9,48%. Es­te re­sul­ta­do sig­ni­fi­ca que o MPLA tem mai­o­ria qua­li­fi­ca­da com 150 de­pu­ta­dos (me­nos 25 do que em 2012), a UNITA su­biu pa­ra 51 (fa­ce aos 32 de 2012) e a CASA-CE du­pli­cou o nú­me­ro de as­sen­tos, pa­ra os 16. A CASA-CE nem ana­li­sa ain­da os nú­me­ros, diz ape­nas (e não se­ria pou­co se An­go­la fos­se um Es­ta­do de Di­rei­to) que são ile­gí­ti­mos por­que os par­ti­dos da opo­si­ção não per­ce­bem co­mo fo­ram ob­ti­dos e co­mo fo­ram com­pi­la­dos. Ou se­ja, a for­ma­ção li­de­ra­da por Abel Chi­vu­ku­vu­ku não dis­cu­te por en­quan­to o nú­me­ro, mas sim o pro­ce­di­men­to. “Ao não acei­tar es­ses re­sul­ta­dos por­que o pro­ce­di­men­to não res­pei­tou a lei, a úni­ca coi­sa que nos res­ta é re­cu­sar is­so por to­das as vi­as. Não bas­ta fa­zer a di­vul­ga­ção pe­la co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, ou­tros pas­sos te­rão de ser em­pre­en­di­dos no sen­ti­do de que es­sa re­jei­ção te­nha al­gu­ma efec­ti­vi­da­de”, dis­se o nú­me­ro dois da CASA-CE. *Fo­lha 8 com Lu­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.