O PREVISÍVEL FU­TU­RO DA DI­TA­DU­RA

Folha 8 - - CRÓNICA - SE­DRICK DE CAR­VA­LHO

Ape­nas em di­ta­du­ras po­de­mos ter cer­te­zas que em de­mo­cra­cia não as te­ría­mos, e co­mo o re­gi­me an­go­la­no cla­ra­men­te não é de­mo­crá­ti­co e tem um sis­te­ma eleitoral que ser­ve os seus in­te­res­ses, en­tão po­de­mos afir­mar que o re­sul­ta­do eleitoral que se­rá anun­ci­a­do vi­rá ape­nas con­fir­mar a con­ti­nui­da­de da di­ta­du­ra que bre­ve­men­te vai com­ple­tar 42 anos de vi­gên­cia inin­ter­rup­ta. Há es­sa cer­te­za! A si­mu­la­ção eleitoral cul­mi­na­rá com a ma­te­ri­a­li­za­ção do seu ob­jec­to prin­ci­pal: le­ga­li­zar a di­ta­du­ra por via eleitoral. Qu­an­to aos par­ti­dos da opo­si­ção, que ao lon­go dos úl­ti­mos me­ses in­glo­ri­a­men­te têm de­nun­ci­a­do as ile­ga­li­da­des ve­ri­fi­ca­das no pro­ces­so, são os que têm a ou­tra ta­re­fa fun­da­men­tal, que pas­sa por le­gi­ti­mar a di­ta­du­ra ao acei­ta­rem par­ti­ci­pa­rem dum plei­to vi­sí­vel e des­ca­ra­da­men­te frau­du­len­to. Con­tu­do, fa­le­mos do fu­tu­ro de An­go­la. O país en­fren­ta uma cri­se fi­nan­cei­ra que tem pro­vo­ca­do um au­men­to ace­le­ra­do dos pre­ços dos bens e ser­vi­ços. A com­pra de 100 eu­ros no mer­ca­do cam­bi­al pa­ra­le­lo – on­de se pra­ti­ca o câm­bio re­al e não o es­ti­pu­la­do ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te – ron­da apro­xi­ma­da­men­te 40 mil Kwan­zas, a mo­e­da na­ci­o­nal, quan­do em 2015 – pou­co an­tes do go­ver­no ter ad­mi­ti­do a exis­tên­cia da cri­se – com­pra­va-se a no­ta por cer­ca de dez mil Kwan­zas. Os mais de 20 mi­lhões de an­go­la­nos po­bres pas­sa­ram a ser mais po­bres ain­da, e as­sim tri­pli­ca­ram os es­for­ços de so­bre­vi­vên­cia, quan­do os be­ne­fi­ciá­ri­os do sa­que ao erá­rio con­ti­nu­a­vam, e con­ti­nu­am, a usu­fruir das ri­que­zas na­ci­o­nais. En­tre­tan­to, a di­fi­cul­da­de de aces­so às mo­e­das es­tran­gei­ras – o eu­ro e o dó­lar – atin­ge prin­ci­pal­men­te aque­les que fa­zem par­te da clas­se mé­dia an­go­la­na. O nú­me­ro de pes­so­as com aces­so às mo­e­das es­tran­gei­ras re­du­ziu dras­ti­ca­men­te, e quan­do apa­re­ce no mer­ca­do pa­ra­le­lo, ven­de-se a pre­ços exor­bi­tan­tes. Fri­sa­mos es­te as­pec­to por­que é com mo­e­das in­ter­na­ci­o­nais que os an­go­la­nos da re­fe­ri­da clas­se pa­gam os tra­ta­men­tos em hos­pi­tais no es­tran­gei­ro e a for­ma­ção dos fi­lhos, ou ain­da com­pram os bens que re­ven­dem no país e su­as fé­ri­as, ou se­ja, a clas­se mé­dia an­go­la­na es­tá nu­ma si­tu­a­ção de afli­ção. É nes­se ca­os eco­nó­mi­co em que sem­pre vi­veu a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos an­go­la­nos on­de a clas­se mé­dia co­me­ça ago­ra a apro­xi­mar-se. E pe­lo que tu­do in­di­ca, após a si­mu­la­ção eleitoral a si­tu­a­ção es­ta­rá pior. Es­ta­mos a ser fa­ta­lis­ta, ad­mi­ti­mos, mas não por me­ro de­se­jo de fa­ta­li­da­de. Ao lon­go do pro­ces­so eleitoral, as ha­bi­tu­ais ma­ra­to­nas al­coó­li­cas e en­tre­ga de bens co­mo bi­ci­cle­tas, apa­re­lhos de som e ali­men­ta­res – ac­tos de­fi­ni­dos co­mo cor­rup­ção eleitoral (art. 193.º da Lei N.º 36/11, de 21 de De­zem­bro - LOSEG) ape­nas fo­ram re­a­li­za­das na fa­se fi­nal, ob­vi­a­men­te pe­lo sem­pre pro­mo­tor MPLA, o que de­mons­tra re­du­ção das re­cei­tas do Es­ta­do – pois é es­ta a fon­te do di­nhei­ro usa­do. E co­mo João Lou­ren­ço se­rá mes­mo o pre­si­den­te, fa­le­mos de­le. Tal co­mo em 1979 – da­ta em que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos che­gou ao po­der subs­ti­tuin­do por mor­tis cau­sa Agos­ti­nho Ne­to, pri­mei­ro pre­si­den­te de An­go­la -, cer­ta­men­te os mem­bros mais in­flu­en­tes do MPLA es­pe­ram ma­ni­e­ta-lo em pro­vei­to dos seus in­te­res­ses. Mas, co­mo fez o ain­da pre­si­den­te, a si­tu­a­ção po­de al­te­rar-se ao lon­go do tem­po e ter­mos um pre­si­den­te ma­te­ri­al­men­te «Che­fe Dis­to Tu­do». O cer­to é que João Lou­ren­ço é quem tra­ta­rá de pre­ser­var os in­te­res­ses do gru­po de cor­rup­tos que re­pre­sen­ta, e es­ta é a prin­ci­pal ra­zão da in­di­ca­ção pro­ce­di­da pe­lo pre­si­den­te Jo­sé que, no­te­mos, con­ti­nu­a­rá a ser pre­si­den­te do MPLA, lo­go, che­fe do no­vo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Po­rém, co­mo dis­se­mos no ar­ti­go «A le­gi­ti­mi­da­de con­quis­ta­da pe­la mor­te», o su­ces­sor po­de­rá adop­tar a re­pres­são co­mo for­ma de se afir­mar en­tre os com­pa­nhei­ros. O re­cur­so à re­pres­são po­de­rá ser ine­vi­tá­vel fa­ce ao ní­vel de con­tes­ta­ção que su­bi­rá do­ra­van­te ten­do co­mo leit­mo­tiv as di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas que ar­ras­tam o país ao es­ta­do apo­ca­líp­ti­co, on­de tu­do fal­ta e to­dos sa­be­mos quem são os cul­pa­dos pe­la si­tu­a­ção. Não é a bai­xa do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do mun­di­al, mas o de­sen­fre­a­do sa­que e má go­ver­nan­ça que tem à tes­ta a fa­mí­lia pre­si­den­ci­al e ge­ne­rais ac­tu­al­men­te sob in­ves­ti­ga­ção ju­di­ci­al em vá­ri­os paí­ses, dos qu­ais Por­tu­gal tem in­di­ci­a­do o vi­ce-pre­si­den­te Ma­nu­el Vi­cen­te por cor­rup­ção dum pro­cu­ra­dor lu­so. Pa­ra tra­var es­sa veia re­pres­si­va, mem­bros do MPLA que se po­si­ci­o­na­ram con­tra o ac­tu­al pre­si­den­te, no­me­a­da­men­te, Mar­co­li­no Mo­co, Ire­ne Ne­to e Am­bró­sio Lu­ko­ki, de­ve­rão jo­gar um pa­pel pre­pon­de­ran­te pa­ra que, a par­tir de den­tro, não per­mi­tam que João Lou­ren­ço exer­ça o po­der ar­ro­gan­te­men­te co­mo fez o su­ce­di­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.