ES­PA­ÇOS E ISO­LA­MEN­TO NOS RO­MAN­CES DE MIA COU­TO (FIM)

Es­te ar­ti­go pro­põe ana­li­sar o iso­la­men­to co­mo te­ma re­cor­ren­te nos ro­man­ces de Mia Cou­to, tan­to em re­la­ção às per­so­na­gens, in­di­vi­du­al­men­te, co­mo pe­las vi­las e al­dei­as, ge­ral­men­te em con­tra­pon­to aos gran­des cen­tros ur­ba­nos. En­tre as ra­zões pa­ra o iso­la­men­to

Folha 8 - - CULTURA - TEX­TO DE EVERTON FER­NAN­DO MICHELETTI*

Se­me­lhan­te a Mwa­dia que ti­nha no­me de ca­noa, o no­me de Fa­ri­da ad­vém do fa­rol, a per­so­na­gem se ca­rac­te­ri­za pe­la re­la­ção que tem com o es­pa­ço. As­sim, Fa­ri­da con­cen­tra o olhar no fa­rol co­mo se ela pró­pria fos­se a luz apa­ga­da com a es­pe­ran­ça de re­a­cen­der. Em seu es­tu­do so­bre o es­pa­ço, Lins per­gun­ta on­de “aca­ba a per­so­na­gem e co­me­ça o seu es­pa­ço?”, res­pon­den­do que a “se­pa­ra­ção co­me­ça a apre­sen­tar di­fi­cul­da­des quan­do nos ocor­re que mes­mo a per­so­na­gem é es­pa­ço”, que “su­as re­cor­da­ções e até as vi­sões de um fu­tu­ro fe­liz, a vi­tó­ria, a for­tu­na, flu­tu­am em al­go que, si­me­tri­ca­men­te ao tem­po psi­co­ló­gi­co, de­sig­na­ría­mos co­mo es­pa­ço psi­co­ló­gi­co” (LINS, 1976, p. 69). Fa­ri­da tem sua vi­da co­mo aque­le es­pa­ço, vi­ven­do en­tre a ter­ra com su­as tra­di­ções e a guer­ra, ten­do o mar co­mo uma saí­da. Há uma in­ten­si­fi­ca­ção da ex­pe­ri­ên­cia es­pa­ci­al com o aban­do­no pro­vo­ca­do pe­la guer­ra. Vec­chi re­la­ci­o­na o pro­ble­ma do “es­pa­ço no tem­po do aban­do­no” à dis­pu­ta de po­der, afir­man­do que, em­bo­ra não se “ex­clua a di­men­são tem­po­ral” que se “ar­ti­cu­la na pro­ble­má­ti­ca do po­der e das su­as es­tru­tu­ras jus­ta­men­te his­tó­ri­cas”, a ên­fa­se re­cai no es­pa­ço con­tem­po­ra­ne­a­men­te por­que ne­le é que há al­go do po­der “ca­mu­fla­do”, “a ma­triz es­con­di­da da po­lí­ti­ca atu­al”, o si­lên­cio co­mo “o som da ex­clu­são...” (VEC­CHI, 2009, p. 172-177). Tu­ahir, Mui­din­ga e Fa­ri­da, prin­ci­pal­men­te quan­do ela é per­se­gui­da pe­la ad­mi­nis- tra­ção em Ma­ti­ma­ti, são os ex­cluí­dos es­pa­ci­al­men­te de­vi­do ao po­der – eles, no cam­po de re­fu­gi­a­dos e, de­pois, no ôni­bus; ela, no na­vio. Ao mes­mo tem­po, Fa­ri­da quer re­ver­ter o aban­do­no do fi­lho, que ha­via dei­xa­do na igre­ja, mas não con­se­gue re­en­con­trá-lo. Sem lu­gar, por­tan­to, sem ter pa­ra on­de ir no la­bi­rin­to de seu país, o na­vio “ma­te­ri­a­li­za” aqui­lo que Fa­ri­da vi­ve, quer par­tir mas não con­se­gue. Não ter lu­gar le­va a ou­tros pro­ble­mas, co­mo a “per­da” da iden­ti­da­de. Fa­ri­da foi afas­ta­da de seu po­vo por ser gê­mea e é per­se­gui­da pe­la ad­mi­nis­tra­ção do go­ver­no da na­ção in­de­pen­den­te, lo­go, não con­se­gue ser par­te da “ve­lha” nem da “no­va” iden­ti­da­de. No en­tan­to, ain­da man­tém um vín­cu­lo com aque­la ter­ra pe­lo fi­lho, tal­vez aí es­te­ja a res­pos­ta pa­ra a ques­tão da iden­ti­da­de na­ci­o­nal mo­çam­bi­ca­na, sua for­ma­ção de­pen­de das no­vas ge­ra­ções. Nes­se sen­ti­do, Vi­ei­ra faz uma “lei­tu­ra sim­bó­li­ca” de Mui­din­ga/gas­par “co­mo re­pre­sen­tan­te do po­vo mo­çam­bi­ca­no e do ca­mi­nho que es­te te­rá de per­cor­rer em di­re­ção à paz”, vis­to que ele é “fru­to de uma vi­o­la­ção, agres­são fre­quen­te­men­te as­so­ci­a­da ao co­lo­ni­a­lis­mo, a sua exis­tên­cia re­pre­sen­ta a fu­são en­tre Áfri­ca e Eu­ro­pa, que é a re­a­li­da­de do ter­ri­tó­rio” (VI­EI­RA, apud MORAES, 2009, p. 51). Pa­ra a au­to­ra, o me­ni­no “re­flec­te a es­pe­ran­ça da união des­tas du­as cul­tu­ras que a ge­ra­ção de Kind­zu e Fa­ri­da não po­de con­ci­li­ar” (VI­EI­RA, apud MORAES, 2009, p. 51). O ca­so de Fa­ri­da cor­res­pon­de ao que afir­ma Lins, que “o es­pa­ço, no ro­man­ce, tem si­do... tu­do que, in- ten­ci­o­nal­men­te dis­pos­to, en­qua­dra a per­so­na­gem e que, in­ven­ta­ri­a­do, tan­to po­de ser ab­sor­vi­do co­mo acres­cen­ta­do pe­la per­so­na­gem”, não sen­do ape­nas “pa­no de fun­do, ou se­ja, es­tá­ti­co, fo­ra das per­so­na­gens, des­cri­to co­mo um uni­ver­so de se­res ina­ni­ma­dos e opa­cos” (LINS, 1976, p. 72). O sen­ti­men­to de es­pe­ran­ça, al­go de sua in­te­ri­o­ri­da­de, ma­te­ri­a­li­za-se no fa­rol, no es­pa­ço ex­ter­no. Com tu­do que lhe acon­te­ce, o es­pa­ço pa­re­ce exer­cer uma “for­ça” so­bre Fa­ri­da, im­pe­lin­do-a ao iso­la­men­to no na­vio. Co­mo o “es­pa­ço-for­ça” de que tra­ta Gul­lón, o es­pa­ço não é sim­ples­men­te on­de os ob­je­tos es­tão e, sim, “ati­vo, ten­den­ci­o­so, ca­paz de ob­ce­car, alu­ci­nar e des­truir seu ha­bi­tan­te” (GUL­LÓN, 1980, p. 17). Em Ter­ra so­nâm­bu­la, a “for­ça” que le­va ao in­su­la­men­to de­cor­re prin­ci­pal­men­te das ações hu­ma­nas, co­mo nas ce­rimô­ni­as tra­di­ci­o­nais e na guer­ra. Tu­ahir, Mui­din­ga e Fa­ri­da pa­re­cem es­tar em um la­bi­rin­to, des­lo­cam-se sem ha­ver saí­da pa­ra os obs­tá­cu­los que en­con­tram, até res­ta­rem os veí­cu­los/ilhas. Ao fi­nal, ape­nas o me­ni­no so­bre­vi­ve, in­di­can­do que a mu­dan­ça fu­tu­ra de­pen­de da no­va ge­ra­ção. Con­si­de­ra­ções fi­nais Nos vá­ri­os ro­man­ces de Cou­to, os iso­la­men­tos in­di­vi­du­ais e co­le­ti­vos se de­vem aos pro­ble­mas do meio so­ci­al, prin­ci­pal­men­te so­bre o pro­ces­so de se fa­zer a na­ção após a In­de­pen­dên­cia. No ca­so das al­dei­as e vi­las, pa­re­ce ha­ver um aban­do­no do cam­po em re­la­ção à ci­da­de, com as si­tu­a­ções pre­cá­ri­as não re­sol­vi­das pe­lo go­ver­no. Mas va­le lem­brar que a ci­da­de tam­bém tem seus es- pa­ços de aban­do­no, co­mo os bair­ros de pe­ri­fe­ria, as­sim co­mo, no con­tex­to glo­bal, há as di­fe­ren­ças en­tre os paí­ses de­sen­vol­vi­dos e os sub­de­sen­vol­vi­dos. Mui­tas ve­zes, as vi­las e al­dei­as das nar­ra­ti­vas de Cou­to são me­to­ní­mi­as da na­ção, um mi­cro­cos­mo da “ilha” de Mo­çam­bi­que. Em fa­ce dis­so, sur­gem mais per­gun­tas do que res­pos­tas. Se­ria Mo­çam­bi­que uma na­ção que se faz de es­pa­ços in­su­la­res? Se­ria uma na­ção in­su­lar? Ab­da­la Jr., ana­li­san­do obras de ou­tros es­cri­to­res, re­fe­re-se à “ilha” co­mo “um es­pa­ço apa­ren­te­men­te à mar­gem do sis­te­ma” (AB­DA­LA JR., 2007, p. 25). É pos­sí­vel que Cou­to es­te­ja ope­ran­do en­tre as mar­gens e os cen­tros, en­tre es­pa­ços he­gemô­ni­cos e os não he­gemô­ni­cos, de que faz par­te o con­fli­to en­tre o lo­cal e o glo­bal. O pró­prio con­cei­to de lu­gar, pa­ra al­gu­mas pers­pec­ti­vas ge­o­grá­fi­cas, con­sis­te em uma “ten­são fun­da­men­tal que se exer­ce en­tre o par­ti­cu­lar e o uni­ver­sal” (BERDOULAY e ENTRIKIN, 2012, p. 111). De acor­do com Fon­se­ca e Cury há, na li­te­ra­tu­ra de Cou­to, um con­fli­to en­tre o lo­cal e o uni­ver­sal, em que “cul­tu­ra e na­tu­re­za im­bri­cam-se em ten­são per­ma­nen­te”, sen­do que, atra­ves­sa­dos “por es­sa di­nâ­mi­ca, o des­lo­ca­men­to e a er­rân­cia re­la­ci­o­nam-se à per­da de re­fe­rên­ci­as ao so­lo na­tal” (FON­SE­CA e CURY, 2008, p. 99). Em­bo­ra, pe­lo la­do uni­ver­sal, o des­lo­ca­men­to e a er­rân­cia se­jam ca­rac­te­rís­ti­cos do mun­do con­tem­po­râ­neo, na Áfri­ca, “as con­tra­di­ções se acir­ram”, pois de­cor­rem “do pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção tar­dia”, sen­do re­cen­tes as “mar­cas in­de­lé­veis” do co­lo­ni­a­lis­mo, “con­di­ci­o­nan­do as re­pre­sen­ta­ções da na­ção e de sua es­pa­ci­a­li­da­de fra­tu­ra­da” ( FON­SE­CA e CURY, 2008, p. 99). Por meio dos es­pa­ços in­su­la­res, Cou­to não so­lu­ci­o­na, an­tes apre­sen­ta o pro­ble­ma a ser en­fren­ta­do; dei­xa en­tre­ver, no en­tan­to, uma res­pos­ta pos­sí­vel. Co­mo uma das ten­sões se dá en­tre tra­di­ção e mo­der­ni­da­de, a es­cri­ta po­de ser um dos ca­mi­nhos “mo­der­nos” con­tra o iso­la­men­to. Em Um rio cha­ma­do tem­po, uma casa cha­ma­da ter­ra, por exem­plo, são as car­tas que man­têm um elo, uma “pon­te” en­tre a ve­lha e a no­va ge­ra­ção (COU­TO, 2003, p. 126). Na mes­ma pers­pec­ti­va, são os ca­der­nos de Kind­zu, em Ter­ra so­nâm­bu­la, que se fa­zem “pon­te” com Mui­din­ga, da ge­ra­ção se­guin­te, trans­for­man­do-se em “pá­gi­nas de ter­ra” ao fi­nal, as­sim, há a fu­são de es­tó­ri­as e His­tó­ria, da es­cri­ta e da na­ção. Nos ro­man­ces pu­bli­ca­dos mais re­cen­te­men­te, A con­fis­são da le­oa (2012) e Mu­lhe­res de cin­zas (2015), as nar­ra­ti­vas se or­ga­ni­zam es­tru­tu­ral­men­te por meio de car­tas, sen­do con­tem­pla­dos di­fe­ren­tes pon­tos de vis­ta, vá­ri­os ân­gu­los, pa­ra se pen­sar o país. Nes­se con­tex­to, a “pon­te”, um dos ca­mi­nhos con­tra o iso­la­men­to, é a es­cri­ta. Va­le lem­brar que Cou­to tem co­mo fon­te as tra­di­ções orais, as qu­ais re­cria, mui­tas ve­zes, em su­as obras. *Dou­to­ran­do do Pro­gra­ma de Es­tu­dos Com­pa­ra­dos de Li­te­ra­tu­ras de Lín­gua Por­tu­gue­sa (DLCV-USP), de­sen­vol­ven­do a pes­qui­sa: “Os (des) ca­mi­nhos da na­ção: um es­tu­do com­pa­ra­do do es­pa­ço em Ter­ra so­nâm­bu­la e Mãe, Ma­ter­no Mar”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.