AS VERGONHAS DE AN­GO­LA II

Folha 8 - - TOPS -

Opro­ble­ma é que hou­ve re­al­men­te batota e po­de­mos mes­mo di­zer que a CNE, no­ves fo­ra es­te anún­cio-ba­co­ra­da da CNE, foi apa­nha­da com as ur­nas (o sa­co) na mão, a es­con­dê-las de­pois de as ter vi­o­la­do e pôr-se a fu­gir das su­as res- pon­sa­bi­li­da­des. «Per­gun­ta-se, «Dú­vi­das? Quais dú­vi­das? Se­rá que as ac­tas apre­sen­ta­das pe­la opo­si­ção são fal­sas? Es­sa ma­té­ria, não sen­do fal­sa, não che­ga pa­ra de­mons­trar que hou­ve ma­ni­pu­la­ção tos­ca e cri­mi­no­sa da CNE? Se­rá que as ur­nas le­va­das pa­ra o do­mi­cí­lio dos so­bas é men­ti­ra? Ur­nas de­sa­pa­re­ce­ram, se­rá que o seu de­sa­pa­re­ci­men­to é uma in­ven­ção da opo­si­ção? Mas se­rá que te­mos mes­mo de acei­tar tal pro­ce­di­men­to por ele es­tar no se­gui­men­to da His­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, em que a fa­ta­li­da­de é ha­ver Se­nho­res e es­cra­vos? Não, Ja­mais, va­mos se­guir as idei­as dos Re­vús, a úni­ca for­ça po­li­ti­ca do nos­so país que se ba­teu pa­ra en­con­trar ou­tras e mui­to mais efi­ca­zes es­tra­té­gi­as de com­ba­te ao po­der, pro­pon­do a não-vi­o­lên­cia, a re­sis­tên­cia pas­si­va e a de­nún­cia das con­tra­di­ções, às ve­zes ri­dí­cu­las, que len­ta­men­te des­tro­em qual­quer re­gi­me. Apliquê­mo-las anos­so pseu­do-go­ver­no, cu­ja olí­ti­ca, até ho­je é, se apro­fun­dar­mos a aná­li­se, um ver­da­dei­ro in­cen­ti­vo, um po­ten­te es­ti­mu­lan­te da nos­sa tra­di­ci­o­nal cor­rup­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.