LAMENTO DO MWANGOLÉ

Folha 8 - - QUENTE -

Oau­tor des­te de­sa­ba­fo de­se­ja guar­dar o ano­ni­ma­to. A sua res­fle­xão é mui­to per­ti­nen­te por re­ve­lar que o me­do , a sua ins­tau­ra­ção, é uma das es­tra­té­gi­as vi­si­o­ná­ri­as do re­gi­me que por ora tem o po­der to­tal em An­go­la. «O que mais ofen­de a mi­nha in­te­li­gên­cia e o meu ape­go a es­ta ter­ra do Ngo­la, que não é bem a mi­nha, mas foi a que me viu nas­cer e me con­quis­tou, é cons­ta­tar que as pa­la­vras de­li­to, per­fí­dia, fal­si­fi­ca­ção, mi­sé­ria (mo­ral, en­tre ou­tras), em su­ma, CRI­ME (por ora, da CNE), te­nham de­sa­pa­re­ci­do pra­ti­ca­men­te de to­dos os co­men­tá­ri­os e de to­das as abor­da­gens a es­te au­tên­ti­co cri­me con­tra o po­vo an­go­la­no, a tos­ca fal­si­fi­ca­ção dos re­sul­ta­dos do úl­ti­mo, pro­ces­so elei­to­ral.se­rá que as ac­tas apre­sen­ta­das pe­la opo­si­ção são fal­sas? Es­se ma­té­ria, se não for fal­sa, não che­ga pa­ra de­mons­trar que hou­ve ma­ni­pu­la­ção tos­ca e cri­mi­no­sa da CNE? Se­rá que as ur­nas le­va­das pa­ra o do­mi­cí­lio dos so­bas é men­ti­ra? Ur­nas de­sa­pa­re­ce­ram, se­rá que as ur­nas que de­sa­pa­re­ce­ram é uma in­ven­ção da opo­si­ção? Es­tas per­gun­tas são ba­na­lís­si­mas, sal­tam à men­te co­mo es­ses “Joc­kers” que sal­tam, ame­dron­tan­do-nos, das cai­xi­nhas de sur­pre­sas do Car­na­val quan­do as abri­mos, e até pa­re­ce que co­lo­ca-las é re­des­co­brir a pól­vo­ra.»

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.