UNITA DE­NUN­CIA “EXE­CU­ÇÃO” DO FI­LHO DE JO­A­QUIM NAFÓIA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Adi­rec­ção da UNITA de­nun­ci­ou que se re­pe­tem, in­fe­liz­men­te com gran­de as­si­dui­da­de, “ac­tos de vi­o­lên­cia pós-elei­to­ral” em An­go­la, con­tra ele­men­tos do mai­or par­ti­do da opo­si­ção an­go­la­na, apon­tan­do co­mo exem­plo a “exe­cu­ção su­má­ria” do fi­lho de um deputado elei­to. A po­si­ção vem ex­pres­sa no co­mu­ni­ca­do fi­nal da IV reu­nião or­di­ná­ria do co­mi­té per­ma­nen­te da co­mis­são po­lí­ti­ca do par­ti­do, que de­cor­reu du­ran­te to­do o dia 27.09, em Lu­an­da, com o res­cal­do das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to na agen­da. “De­nun­ci­ar com ve­e­mên­cia os ac­tos de vi­o­lên­cia pós-elei­to­ral con­tra mem­bros da UNITA, ocor­ri­dos em Sau­ri­mo (Lun­da Sul) e no Mon­te Be­lo (Ben­gue­la), bem co­mo a exe­cu­ção su­má­ria do fi­lho do deputado elei­to da UNITA Jo­a­quim Nafóia (ocor­ri­da em Lu­an­da)”, afir­ma o par­ti­do li­de­ra­do por Isaías Sa­ma­ku­va, em co­mu­ni­ca­do. “Re­pu­di­ar a for­ma co­mo al­guns agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal se dei­xam uti­li­zar co­mo ins­tru­men­tos ao ser­vi­ço de um Par­ti­do, em vez de es­ta­rem ao ser­vi­ço do Es­ta­do”, cri­ti­ca ain­da o par­ti­do do ‘ga­lo ne­gro’. As elei­ções ge­rais em An­go­la, se­gun­do os da­dos ofi­ci­ais da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, de­ram a vi­tó­ria ao MPLA, com 61% dos vo­tos (sem que te­nham si­do apu­ra­dos os re­sul­ta­dos em 15 das 18 pro­vín­ci­as do país), que as­sim ele­geu João Lourenço co­mo ter­cei­ro Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, já empossado no car­go. No en­tan­to, os par­ti­dos da opo­si­ção apon­tam ir­re­gu­la­ri­da­des no pro­ces­so elei­to­ral e não se fi­ze­ram re­pre­sen­tar na ce­ri­mó­nia de in­ves­ti­du­ra de João Lourenço e o no­vo pre­si­den­te res­pon­deu, de for­ma pro­vo­ca­tó­ria, não fa­zen­do no seu dis­cur­so de pos­se uma úni­ca re­fe­rên­cia aos par­ti­dos da opo­si­ção sem os quais, pre­su­me-se, não exis­te ne­nhu­ma es­pé­cie (mes­mo que ru­di­men­tar) de de­mo­cra­cia. Ain­da as­sim, a UNITA viu o nú­me­ro de de­pu­ta­dos elei­tos qua­se du­pli­car, pa­ra 51 elei­tos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, ór­gão que no 28.09 ini­ci­ou os tra­ba­lhos, em Lu­an­da. No fi­nal da reu­nião or­di­ná­ria, o par­ti­do vol­tou a de­fen­der a “ne­ces­si­da­de da to­tal des­par­ti­da­ri­za­ção das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do”, no­me­a­da­men­te as exe­cu­to­ras do re­gis­to elei­to­ral, da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) e do Tri­bu­nal Cons- ti­tu­ci­o­nal, “com­ple­ta­men­te uti­li­za­das na con­for­ma­ção do in­te­res­se do par­ti­do de re­gi­me”, além de “con­de­nar a exis­tên­cia de uma co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­ca ao ser­vi­ço do par­ti­do-Es­ta­do”. O mai­or par­ti­do da opo­si­ção afir­ma ain­da que to­mou “no­ta” do dis­cur­so do Pre­si­den­te João Lourenço, na ce­ri­mó­nia de pos­se, “es­pe­ran­do que cum­pra” com as pro­mes­sas elei­to­rais re­a­fir­ma­das no ac­to da sua in­ves­ti­du­ra, nno 26.09, “de que iria tra­ba­lhar pa­ra re­for­çar o fun­ci­o­na­men­to do es­ta­do de di­rei­to, de mo­do a que o im­pé­rio da Lei e da Jus­ti­ça vin­guem no país”. Re­cor­de-se que Jo­a­quim Nafóia diz que o fi­lho foi ba­le­a­do por três pes­so­as e te­ve mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca. Um fi­lho do deputado elei­to pe­la UNITA, Jo­a­quim Nafóia, foi ba­le­a­do na ca­be­ça, na noi­te do dia 17.09 (do­min­go), em Lu­an­da, por um in­di­ví­duo que o par­la­men­tar afir­ma es­tar “de­vi­da­men­te iden­ti­fi­ca­do”. De 19 anos de ida­de, Jo­a­quim Pas­co­al Nafóia foi atin­gi­do com um ti­ro na ca­be­ça nas pro­xi­mi­da­des da sua ca­sa, e o seu pai afir­ma que o cri­me foi pro­ta­go­ni­za­do por três ele­men­tos com uni­for­me da Po­lí­cia Na­ci­o­nal e ad­mi­te que a ac­ção te­ve mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.