ES­TAR OU NÃO COM A MÃO NO TACHO

Folha 8 - - DESTAQUE -

No pas­sa­do dia 23 tam­bém o vi­ce-pre­si­den­te da UNITA, Raul Dan­da, de­fen­deu que o par­ti­do “tem de es­tar no Par­la­men­to” an­go­la­no pa­ra “cri­ar di­fi­cul­da­des” ao Go­ver­no e não dei­xar o MPLA ac­tu­ar “co­mo par­ti­do úni­co”. Ou se­ja, Sa­ma­ku­va e Dan­da tam­bém gos­tam de con­tar umas ane­do­tas. Na ver­da­de, co­mo pi­a­da até tem al­gu­ma qua­li­da­de. Não che­ga­rá pa­ra en­trar no top dez do ane­do­tá­rio na­ci­o­nal, mas o ca­mi­nho é es­se. “Te­mos de es­tar no Par­la­men­to, pa­ra li­te­ral­men­te cri­ar­mos di­fi­cul­da­des àque­les in­di­ví­du­os se não es­ti­ve­rem a go­ver­nar co­mo de­ve ser”, afir­mou Dan­da, jus­ti­fi­can­do as­sim a de­ci­são da UNITA de as­su­mir os 51 lu­ga­res na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, de­pois de ter ad­mi­ti­do (re­cor­dam-se?) não o fa­zer. Ad­mi­tiu não o fa­zer, co­mo era ma­ni­fes­to e pú­bli­co de­se­jo dos seus apoi­an­tes, mas quan­do o MPLA dis­se que se tal acon­te­ces­se a mandioca iria subs­ti­tuir a la­gos­ta… o Ga­lo Ne­gro cur­vou-se ser­vil­men­te. Raúl Dan­da sus­ten­ta que se a UNITA, mai­or par­ti­do da opo­si­ção em An­go­la, “não tem es­ta­do no Par­la­men­to e con­se­quen­te­men­te na co­mis­são elei­to­ral, mui­ta coi­sa se te­ria pas­sa­do, a ba­to­ta te­ria si­do le­ga­li­za­da”. Es­ta é no­vi­da­de. Ao acei­tar a ba­to­ta co­mo ir­re­ver­sí­vel, ao co­la­bo­rar com os ba­to­tei­ros, a UNITA não está a le­ga­li­zá-la? Fa­min­tos, sim. Es­tú­pi­dos não, pen­sam os an­go­la­nos que mi­li­tam ou sim­pa­ti­zam com a UNITA. “Se o MPLA fi­cas­se no Par­la­men­to so­zi­nho, com uma mai­o­ria qua­li­fi­ca­da que lhe per­mi­te mo­di­fi­car a Cons­ti­tui­ção e al­te­rar as leis a seu bel-pra­zer, da­qui a um pou­co te­ría­mos um país on­de o rou­bo e a ma­lan­dri­ce fi­ca­ri­am le­ga­li­za­dos. É pre­ci­so que a UNITA es­te­ja ali”, sus­ten­ta Raul Dan­da. Mas es­tar ali pa­ra quê? Ah! Es­tar ali pa­ra dar co­ber­tu­ra le­gal a uma es­pé­cie de de­mo­cra­cia e, con­ve­nha­mos, so­bre­tu­do pa­ra be­ne­fi­ci­ar das mor­do­mi­as de to­da es­sa ma­lan­dri­ce, de to­da es­sa pa­lha­ça­da. “Eles pro­me­te­ram mu­dan­ça, não sei co­mo é que eles con­se­guem fa­zer is­so, [va­mos ver] se vão fa­zer as coi­sas bem, se vão com­ba­ter a cor­rup­ção, va­mos ver o ne­po­tis­mo e is­so tu­do”, acres­cen­tou. Raul Dan­da dá, as­sim, o be­ne­fí­cio da dú­vi­da às ra­po­sas que es­tão den­tro do ga­li­nhei­ro pa­ra – ofi­ci­al­men­te – guar­da­rem as ga­li­nhas. O di­ri­gen­te da opo­si­ção con­si­de­ra que “a úni­ca for­ma que a UNITA en­con­trou de de­fen­der os an­go­la­nos é es­tan­do pre­sen­te”. Es­ta sim. Es­ta me­re­ce en­trar di­rec­ta­men­te pa­ra o pó­dio do ane­do­tá­rio na­ci­o­nal. É que, pa­ra além de uma mo­nu­men­tal hi­po­cri­sia, cor­res­pon­de à as­si­na­tu­ra de di­plo­mas de ma­tum­bez que a UNITA pas­sa a to­dos os an­go­la­nos. “Eles gos­tam de se sen­ti­rem par­ti­do úni­co, é pre­ci­so que não os dei­xe­mos”, su­bli­nhou. É mes­mo pa­ra rir.

Te­mos de es­tar no Par­la­men­to, pa­ra li­te­ral­men­te cri­ar­mos di­fi­cul­da­des àque­les in­di­ví­du­os se não es­ti­ve­rem a go­ver­nar co­mo de­ve ser”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.