BAJULAÇÃO POR­TU­GUE­SA É SU­FI­CI­EN­TE PA­RA O MPLA?

Folha 8 - - ACTUALIDADE -

OPre­si­den­te da Re­pú­bli­ca por­tu­gue­sa, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, diz que fo­ram as “re­la­ções in­ten­sas” en­tre Por­tu­gal e An­go­la que o le­va­ram tam­bém a fe­li­ci­tar o pre­si­den­te an­go­la­no elei­to mes­mo an­tes de os re­sul­ta­dos fi­nais es­ta­rem pu­bli­ca­dos. Re­cu­e­mos, en­tre­tan­to, a 2012, ano tam­bém elei­to­ral em An­go­la. Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa dis­se, en­tão co­mo opi­na­dor-mor do rei­no, umas coi­sas in­te­res­san­tes so­bre o nos­so país que é sem­pre bom re­cor­dar. Mar­ce­lo dis­se que gru­pos eco­nó­mi­cos an­go­la­nos que­ri­am com­prar a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al por­tu­gue­sa por­que es­ta­vam a pen­sar nas su­as es­tra­té­gi­as na su­ces­são do pre­si­den­te an­go­la­no, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, bem co­mo os por­ta-mi­cro­fo­nes que am­pli­am a sua voz, sa­bi­am já que es­ses gru­pos (to­dos li­ga­dos ao “que­ri­do lí­der” Edu­ar­do dos San­tos) não que­ri­am com­prar o que já ti­nham com­pra­do. O an­ti­go pre­si­den­te do PSD, no seu es­pa­ço de an­te­na pri­va­ti­vo na TVI, dis­se que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ain­da era o ho­mem mais po­de­ro­so em An­go­la, em­bo­ra – na sua opi­nião – te­nha cri­a­do gru­pos que se au­to­no­mi­za­ram e que hoje (2012) já pen­sa­vam na su­ces­são. Mar­ce­lo sa­bia que Edu­ar­do dos San­tos foi, é e con­ti­nu­a­rá a ser o ho­mem mais po­de­ro­so de An­go­la, tal co­mo sa­be que não há gru­pos que se des­vi­em um mi­lí­me­tro da es­tra­té­gia de per­pe­tu­a­ção no po­der do par­ti­do lá está há 42 anos. To­dos os gru­pos de en­ver­ga­du­ra in­ter­na­ci­o­nal que exis­tem são ge­ri­dos pe­lo pre­si­den­te de An­go­la, mes­mo que os no­mes dos con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção di­gam Isabel dos San­tos, Ma­nu­el Vi­cen­te ou Ma­nu­el Hél­der Vi­ei­ra Di­as Jú­ni­or “Ko­pe­li­pa”. Mar­ce­lo dis­se en­tão que ti­nham fa­lha­do as ne­go­ci­a­ções pa­ra a com­pra do gru­po de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de Jo­a­quim Oli­vei­ra (JN, DN e TSF, en­tre ou­tros). Ele sa­bia que po­de­ri­am ter fa­lha­do de ju­re, mas que não fa­lha­ram de fac­to. Há mui­to que os do­nos de An­go­la, mes­mo an­tes dos ca­sos do Sol e do diá­rio i, já eram do­nos (só­ci­os exe­cu­ti­vos, se pre­fe­ri­rem) des­se mes­mo uni­ver­so fa­bril de pro­du­ção de tex­tos de li­nha bran­ca. Ao de­fen­der a te­se de que es­ses “gru­pos co­me­çam a po­si­ci­o­nar-se pa­ra a su­ces­são de Jo­sé Edu­ar­do San­tos”, e que “no futuro es­ses gru­pos vão di­gla­di­ar-se com es­tra­té­gi­as di­fe­ren­tes, no­me­a­da­men­te em Por­tu­gal”, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa es­ta­va a pres­tar um im­pa­gá­vel ser­vi­ço ao do­no não só de An­go­la co­mo do MPLA. Com a vi­tó­ria mais do que ga­ran­ti­da nas elei­ções des­se ano, Edu­ar­do dos San­tos apro­vei­tou pa­ra pôr ain­da mais a ca­sa em or­dem. Ou se­ja, os que even­tu­al­men­te ti­nham es­sas es­tra­té­gi­as di­fe­ren­tes le­va­ram pe­la me­di­da gros­sa. E, cer­ta­men­te, o “que­ri­do lí­der” não se es­que­ceu de agra­de­cer a aju­di­nha de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa. Ago­ra, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa afir­mou que a sua pre­sen­ça em Lu­an­da, pa­ra a ce­ri­mó­nia de in­ves­ti­du­ra do Pre­si­den­te elei­to de An­go­la, João Lourenço, era uma re­a­fir­ma­ção da fra­ter­ni­da­de en­tre os po­vos e os Es­ta­dos de Por­tu­gal e An­go­la. Se­gun­do Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, tra­ta-se de um mo­men­to “par­ti­cu­lar­men­te sim­bó­li­co”, que fun­da­men­tal­men­te tra­duz o “sen­ti­men­to for­te de mi­lhões de por­tu­gue­ses em re­la­ção a mi­lhões de an­go­la­nos, sa­ben­do que é re­cí­pro­co”. Es­ta­rá o Pre­si­den­te por­tu­guês a re­fe­rir-se aos nos­sos 20 mi­lhões de an­go­la­nos po­bres? Es­ta­rá a lem­brar-se que o MPLA co­lo­cou o país nos pri­mei­ros lu­ga­res do ran­king dos mais cor­rup­tos do mun­do? Es­ta­rá a co­gi­tar no fac­to de An­go­la li­de­rar o ín­di­ce mun­di­al de mor­ta­li­da­de in­fan­til? Qu­es­ti­o­na­do pe­los jor­na­lis­tas, o pre­si­den­te por­tu­guês ex­pli­cou a fe­li­ci­ta­ção an­te­ci­pa­da que fez a João Lourenço, ain­da an­tes dos re­sul­ta­dos elei­to­rais em An­go­la es­ta­rem fe­cha­dos, e que mo­ti­vou sé­ri­as crí­ti­cas por par­te da opo­si­ção an­go­la­na. “O nos­so re­la­ci­o­na­men­to é mais in­ten­so do que os re­la­ci­o­na­men­tos dos ou­tros Es­ta­dos e, por­tan­to, is­so ex­pli­ca o porquê de, na­tu­ral­men­te, ser­mos dos pri­mei­ros ou mes­mo os pri­mei­ros, aten­tos co­mo es­tá­va­mos ao que se pas­sa­va, a ex­pri­mir aqui­lo que en­ten­día­mos que era mui­to im­por­tan­te: a fe­li­ci­ta­ção ao pre­si­den­te elei­to e a re­a­fir­ma­ção de um re­la­ci­o­na­men­to fra­ter­nal en­tre po­vos e Es­ta­dos”, fri­sou. Por ou­tras pa­la­vras, o Pre­si­den­te por­tu­guês quis as­su­mir a li­de­ran­ça do ran­king dos paí­ses mais ba­ju­la­do­res e mais ser­vis, cer­to que es­ta­va que – pro­va­vel­men­te até mui­to an­tes das elei­ções – o MPLA co­me­ria de ce­bo­la­da a opo­si­ção. As­sim, não sen­do sé­rio nem se­quer se pre­o­cu­pou em pa­re­cer sé­rio. A ní­vel pes­so­al, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa ga­ran­tiu que é tam­bém gran­de a sua ex­pec­ta­ti­va, por se tra­tar de “uma ami­za­de mui­to gran­de”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.