OS PORQUÊS DO AC­TU­AL ES­TA­DO DE GRA­ÇA DE JLO I

Folha 8 - - TOPS' -

Vi­e­ram-nos à me­mó­ria os dis­cur­sos do ca­ma­ra­da João Lourenço, (in)fe­liz can­di­da­to do MPLA a pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e ven­ce­dor ine­vi­tá­vel do plei­to elei­to­ral des­te 23 de Agos­to de 2017. Pe­ran­te o ab­sur­do con­fron­to en­tre o ide­al de­mo­crá­ti­co e o que se pas­sou du­ran­te es­sa cam­pa­nha, per­gun­tá­mos aos nos­sos bo­tões o que de re­al e con­vin­cen­te JLO ti­nha di­to ao lon­go da sua mo­nu­men­tal pré-cam­pa­nha elei­to­ral de cer­ca de 8 me­ses. E, por mais que ti­vés­se­mos pro­cu­ra­do, só en­con­tra­mos de­se­jos, uns ín­ti­mos, ou­tros pro­gra­ma­dos, sem es­que­cer os que nem de­se­jos eram, mas ti­nham ar dis­so, em su­ma e con­cre­ta­men­te, na­da en­con­trá­mos que fos­se ca­bi­men­ta­do. Um va­zio tão mo­nu­men­tal co­mo a abun­dân­cia de ra­zões que está na ori­gem da sua vol­ta a An­go­la, nu­ma das mais gran­di­o­sas cru­za­das pro­pa­gan­dís­ti­cas par­ti­dá­ri­as da His­tó­ria da de­mo­cra­cia mo­der­na. João Lourenço foi um dig­no exe­cu­tan­te de um pro­jec­to gran­di­o­so, ca­rac­te­rís­ti­co do seu MPLA. Usou e abu­sou dos mei­os de trans­por­te do Es­ta­do nas su­as des­lo­ca­ções e na trans­por­ta­ção das po­pu­la­ções le­va­das de lon­gas dis­tân­ci­as e as­se­di­a­das pa­ra as­sis­tir aos seus ac­tos; uti­li­zou os apo­sen­tos ou hos­pe­da­gens e ser­vi­ços pro­to­co­la­res do Es­ta­do; nas ves­tes de sim­ples can­di­da­to a deputado man­te­ve-se cui­da­do­sa­men­te nu­ma in­de­fi­ni­ção das su­as fun­ções, ora mi­nis­tro da De­fe­sa, ora se­cre­tá­rio-ge­ral, ora ca­be­ça de lis­ta do MPLA; com o fi­to de fa­vo­re­cer o seu par­ti­do, o con­cur­so pú­bli­co pa­ra tra­ta­men­to elec­tró­ni­co do pro­ces­so elei­to­ral foi lan­ça­do nu­ma sex­ta-fei­ra com ter­mo na se­gun­da se­guin­te; inu­til­men­te, a UNITA con­se­guiu pro­var que é pos­sí­vel com um só Car­tão de elei­tor votar mais de uma vez; no dia em que fo­ram ti­ra­dos à sor­te os lu­ga­res de ca­da par­ti­do no bo­le­tim elei­to­ral, foi apu­ra­do que uma das bo­li­nhas do sor­teio era mais pe­sa­das do que as ou­tras; o seu par­ti­do foi o úni­co a ser con­vi­da­do a reu­nir-se com a CNE nas su­as pró­pri­as ins­ta­la­ções. Se­rá que is­to não che­ga pa­ra afe­rir que es­tas elei­ções do dia 23 de Agos­to de 2017es­tão pro­fun­da­men­te vi­ci­a­das? So­bre­tu­do se jun­tar­mos a to­dos es­tes in­dí­ci­os, a re­pu­ta­ção mais que má da em­pre­sa INDRA, que foi con­tra­ta­da pa­ra as­se­gu­rar a con­ta­gem dos vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.