A SUBORDINAÇÃO PAR­TI­DÁ­RIA

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE SEDRICK DE CAR­VA­LHO

“Em ter­mos do par­ti­do, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca su­bor­di­na-se ao pre­si­den­te do par­ti­do. Nas ques­tões de Es­ta­do, ele só res­pon­de pe­ran­te a Cons­ti­tui­ção. Des­de que não con­tra­rie a ori­en­ta­ção do par­ti­do”, pa­la­vras de Ju­lião Ma­teus Pau­lo ‘ Di­no Ma­tross’, mem­bro do bureau po­lí­ti­co, do co­mi­té cen­tral e se­cre­tá­rio pa­ra as re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais do par­ti­do MPLA. Di­no Ma­tross é co­nhe­ci­do por di­zer alar­vi­da­des ao es­ti­lo de Ben­to Kan­gam­ba, mas me­lhor articulado, cla­ro, en­tre­tan­to pe­ri­go­sa­men­te cer­to do que o que diz é de apli­ca­ção es­cru­pu­lo­sa. É só re­cor­dar­mos as su­as de­cla­ra­ções em en­tre­vis­ta ao ex­tin­to Re­de An­go­la em 2014 on­de di­zia que os ma­ni­fes­tan­tes em Lu­an­da “até ma­tam as pes­so­as”, is­to qu­an­do ten- ta­va jus­ti­fi­car a re­pres­são vi­o­len­ta do go­ver­no. Na re­fe­ri­da en­tre­vis­ta, Di­no Ma­tross, que pa­ra ou­tras coi­sas nun­ca sa­be ou sim­ples­men­te as ou­ve ao pas­sar pe­los cor­re­do­res de Lis­boa, tem a cer­te­za que não há de­ten­ções de jo­vens an­tes mes­mo de par­ti­ci­pa­rem em al­gu­ma ma­ni­fes- ta­ção e diz mes­mo que as ima­gens de in­di­ví­du­os fe­ri­dos de tão bar­ba­ra­men­te es­pan­ca­dos por agen­tes do Es­ta­do são ma­ni­pu­la­das por jo­vens que “pas­sa­ram pe­la Lí­bia e fo­ram pa­ra An­go­la cau­sar con­fu­são”. Pa­ra es­se di­nos­sau­ro do par­que ju­rás­si­co po­lí­ti­co an­go­la­no, ao con­trá­rio do que de­ter­mi­na a lei que re­gu­la as ma­ni­fes­ta­ções – e ci­ta mui­to as leis, co­mo é tí­pi­co das di­ta­du­ras – to­das as ma­ni­fes­ta­ções con­vo­ca­das não fo­ram au­to­ri­za­das e, por is­so, su­pe­ri­or­men­te re­pri­mi­das com bar­ras de fer­ro im­por­ta­das es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra es­se fim. Ora, le­gal­men­te as ma­ni-

fes­ta­ções não ca­re­cem de au­to­ri­za­ções, mas pa­re­ce que Di­no Ma­tross des­co­nhe­ce es­te fac­to, e pa­vo­neia-se co­mo ju­ris­ta. A in­cur­são por es­ta en­tre­vis­ta de 2014 é pa­ra si­tu­ar o leitor so­bre a fi­gu­ra de que es­ta­mos a fa­lar, pois deu ou­tra en­tre­vis­ta, des­ta vez ao jor­nal português Sol, on­de diz des­co­nhe­cer mui­ta coi­sa que ofi­ci­al­men­te tem a obri­ga­ção de sa­ber. Mas ape­gue­mo-nos pri­mei­ra­men­te ao que aci­ma trans­cre­ve­mos. Di­no Ma­tross dis­se uma ver­da­de no meio de tan­tas men­ti­ras: “O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca [João Lou­ren­ço] su­bor­di­na-se ao pre­si­den­te do par­ti­do [Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos]”. Is­to é tão re­al e as­sim es­ta­be­le­ce os es­ta­tu­tos do MPLA, que diz in­clu­si­ve, no seu ar­ti­go 74, alí­nea m), que com­pe­te ao pre­si­den­te do par­ti­do “pro­por e sub­me­ter, ao pro­nun­ci­a­men­to do Bureau Po­lí­ti­co, a com­po­si­ção or­gâ­ni­ca e no­mi­nal do Exe­cu­ti­vo”. Po­rém, na sua res­pos­ta diz ain­da que, “nas ques­tões de Es­ta­do, ele só res­pon­de pe­ran­te a Cons­ti­tui­ção”. Mui­to bem. Mas lo­go a se­guir diz to­da a ver­da­de que tem gui­a­do a go­ver­na­ção do MPLA des­de a in­de­pen­dên­cia do país: “Des­de que não con­tra­rie a ori­en­ta­ção do par­ti­do”. Ou se­ja, João Lou­ren­ço não de­ve pri­mei­ro obe­di­ên­cia à Cons­ti­tui­ção, mas às ori­en­ta­ções do par­ti­do. Daí per­ce­be­mos a sub­ver­são dos prin­cí­pi­os, li­ber­da­des, di­rei­tos e de­ve­res cons­ti­tu­ci­o­nais pa­ra fa­vo­re­ci­men­to du­ma cor­ja par­ti­dá­ria da qu­al ele mes­mo, Di­no Ma­tross, é mem­bro al­tís­si­mo e, por­tan­to, de­fen­sor da ideia de que a Cons­ti­tui­ção é um pa­pel pa­ra uso sa­ni­tá­rio sem­pre que não cum­pra os in­te­res­ses do gru­po. Es­se dis­cur­so re­ac­ci­o­ná­rio de­mons­tra, tam­bém, que o MPLA é re­gi­do ao es­ti­lo du­ma má­fia. To­das as nor­mas ex­te­ri­o­res ao par­ti­do não são apli­cá­veis a si sem­pre que elas não o be­ne­fi­ci­em. Po­rém, to­dos os ou­tros de­vem cum­prir es­tas leis. Na sequên­cia, o pre­si­den­te do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca já no­me­ou o go­ver­no que vai tra­ba­lhar com João Lou­ren­ço, nos ter­mos da alí­nea m) do ar­ti­go 74 do es­ta­tu­to do MPLA. Di­no Ma­tross, con­tra­di­to­ri­a­men­te, ci­ta a Cons­ti­tui­ção de for­ma la­có­ni­ca pa­ra di­zer que “é o ago­ra Pre­si­den­te, se­gun­do a Cons­ti­tui­ção, que no­meia o Go­ver­no”, mas in­sis­te, pa­ra ser fi­el a si mes­mo, que o faz “obe­de­cen­do ao pro­gra­ma do par­ti­do”. Adi­an­tou ain­da, na li­nha da con­tra­di­ção, que João Lou­ren­ço “propôs e le­vou à con­si­de­ra­ção do par­ti­do, o par­ti­do te­ve de dis­cu­tir e dar-lhe o ve­re­dic­to”. Ora, João Lou­ren­ço não é o pre­si­den­te do par­ti­do, pe­lo que o es­ta­tu­to não lhe dá es­sa pror­ro­ga­ti­va de pro­por a com­po­si­ção do go­ver­no. Es­sa é uma com­pe­tên­cia do pre­si­den­te do par­ti­do. E a com­po­si­ção do go­ver­no é cla­ra­men­te uma amos­tra do quão João Lou­ren­ço é uma ma­ri­o­ne­ta ao ser­vi­ço de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Uma ma­ri­o­ne­ta vo­lun­tá­ria, cla­ro, e que sou o tem­po di­rá se con­se­gui­rá re­ver­ter a si­tu­a­ção a seu fa­vor tal co­mo fez seu an­te­ces­sor. Ro­de­a­do e con­tro­la­do por di­nos­sau­ros que se re­cu­sam a ex­tin­guir-se po­li­ti­ca­men­te, o no­vo go­ver­no não é no­vo. Ou se­ja, o Exe­cu­ti­vo é uma con­ti­nui­da­de de go­ver­nan­tes, com o sep­tu­a­ge­ná­rio Kundhi Paiha­ma e Er­nes­to dos San­tos «Li­ber­da­de» à tes­ta das re­con­du­ções. E a po­pu­la­ção an­go­la­na tem ape­nas pou­co mais de dois por cen­to da po­pu­la­ção com mais de 65 anos de ida­de, se­gun­do da­dos do úl­ti­mo cen­so, mas a es­tru­tu­ra go­ver­na­ti­va é ex­ces­si­va­men­te en­ve­lhe­ci­da, dos quais se des­ta­cam os ca­ta­pul­ta­dos a mi­nis­tros da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e Re­for­ma do Es­ta­do, Adão de Al­mei­da, de 38 anos de ida­de, e An­tó­nio Ro­dri­gues que, en­tre­tan­to, in­for­ma­ções apon­tam que te­nha ne­ga­do o car­go. Ape­sar de mui­tos jo­vens fi­li­a­dos ao MPLA adop­ta­rem com­por­ta­men­tos se­me­lhan­tes aos seus “al­tos ca­ma­ra­das”, a ir­re­ve­rên­cia tí­pi­ca da ju­ven­tu­de que tal­vez es­te­ja na ba­se da re­cu­sa de An­tó­nio Ro­dri­gues co­lo­ca os di­nos­sau­ros co­mo Di­no Ma­tross em aler­ta e, por is­so, pre­fe­rem não dar es­pa­ço aos seus jo­vens qu­a­dros en­quan­to ain­da pen­sam co­mo ci­da­dãos e não co­mo mi­li­tan­tes. Daí a res­pos­ta de Di­no Ma­tross qu­an­do ques­ti­o­na­do se não per­de­ram uma opor­tu­ni­da­de pa­ra ter mais jo­vens no go­ver­no: “É pre­ci­so ter mui­to cui­da­do com os jo­vens. Se eu saio ho­je da uni­ver­si­da­de sei mui­ta te­o­ria e pou­ca prá­ti­ca. Me­ter mui­tos jo­vens sem ex­pe­ri­ên­cia só nos cau­sa­ria pro­ble­mas”. Pa­ra Di­no e com­pa­nhia, é pre­ci­so, pri­mei­ro, ga­ran­tir que os jo­vens pen­sam e agem co­mo An­tó­nio Lu­vu­a­lu, ou João Pin­to, ou Gil­do e Ti­to. E o pro­ces­so de es­tu­pi­di­fi­ca­ção acon­te­ce pu­bli­ca­men­te, a par­tir das te­le­vi­sões e rá­di­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.