ARQUIVE-SE E TU­DO FI­CA­RÁ NA SAN­TA PAZ DOS REINOS!

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ai­mu­ni­da­de de que be­ne­fi­cia o ex-vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la po­de ser um obs­tá­cu­lo no pro­ces­so con­tra Manuel Vi­cen­te. O ca­so es­tá a pre­ju­di­car as re­la­ções en­tre Por­tu­gal e An­go­la. As au­to­ri­da­des an­go­la­nas já en­vi­a­rem uma no­ta de re­pú­dio ao Mi­nis­té­rio português dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros. Ale­ga­ções de má con­du­ta fi­nan­cei­ra fi­ze­ram man­che­tes no jor­nal português “Ex­pres­so”, em Ju­nho de 2014, e acu­sa­vam Álvaro So­bri­nho de uso in­de­vi­do de fun­dos en­quan­to CEO do Ban­co Es­pí­ri­to San­to An­go­la (BESA), sub­si­diá­ria fa­li­da do gru­po português Ban­co Es­pí­ri­to San­to. Con­tu­do es­ta não é a primeira vez que Álvaro So­bri­nho é ili­ba­do de quais­quer acu­sa­ções e tam­bém o Ex­pres­so já ti­nha tra­zi­do ao de ci­ma, an­te­ri­or­men­te, ale­ga­ções con­tra o en­tão Che­fe Exe­cu­ti­vo do BESA, acu­sa­ções es­sas re­ti­ra­das por um tri­bu­nal em 2012. Em De­zem­bro de 2014, Álvaro So­bri­nho fez as se­guin­tes de­cla­ra­ções, du­ran­te uma in­ves­ti­ga­ção: “O Ex­pres­so ale­ga que 5,7 mil mi­lhões de dó­la­res ‘de­sa­pa­re­ce­ram’ do BESA, o que é equi­va­len­te a 95% do to­tal de port­fó­lio do cré­di­to. Is­so é ab­sur­do. Além dis­so, eles ale­gam que mais de 500

O ex-pre­si­den­teid de An­go­la (mas ac­tu­al Pre­si­den­te do MPLA) Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos deu um ul­ti­ma­to po­lí­ti­co a Por­tu­gal, con­subs­tan­ci­a­do no fim, ou no adi­a­men­to si­ne die, da par­ce­ria es­tra­té­gi­ca

mi­lhões de dó­la­res fo­ram le­van­ta­dos do BESA. Nem se­quer os ban­cos ame­ri­ca­nos têm es­sa quan­tia de di­nhei­ro dis­po­ní­vel. É uma assumpção ri­dí­cu­la”. As au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas re­jei­ta­ram ins­tau­rar qual­quer acu­sa­ção for­mal, de­vi­do à fal­ta de pro­vas con­tra Álvaro So­bri­nho. Co­mo era es­pe­ra­do, so­bre­tu­do a par­tir da al­tu­ra em que o ex-pre­si­den­te de An­go­la (mas ac­tu­al Pre­si­den­te do MPLA) Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos deu um ul­ti­ma­to po­lí­ti­co a Por­tu­gal, con­subs­tan­ci­a­do no fim, ou no adi­a­men­to si­ne die, da par­ce­ria es­tra­té­gi­ca, os tri­bu­nais por­tu­gue­ses – por de­ter­mi­na­ção po­lí­ti­ca – sub­ju­ga­ram-se e pas­sa­ram a, ju­ri­di­ca­men­te, ter uma só sen­ten­ça em re­la­ção a qual­quer ques­tão que en­vol­va al­tos dig­ni­tá­ri­os do re­gi­me: arquive-se. Is­so mes­mo se pas­sou, re- cor­de-se, com um tri­bu­nal português que re­cu­sou o pe­di­do de aber­tu­ra de ins­tru­ção do ca­so li­ga­do ao ex-vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la (Manuel Vi­cen­te), ao ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro e à em­pre­sa Port­mil, cu­jo inqué­ri­to fo­ra ar­qui­va­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co português. E, pe­lo me­nos nos pró­xi­mos anos, não va­le a pe­na in­ten­tar qual­quer ac­ção. Lis­boa ren­deu-se e, co­mo tal, en­con­tra to­dos os sub­ter­fú­gi­os le­gais, mas so­bre­tu­do po­lí­ti­cos, pa­ra na­da fa­zer. O juiz do Tri­bu­nal Cen­tral de Ins­tru­ção Cri­mi­nal, em Por­tu­gal, Car­los Alexandre, con­si­de­rou que o jor­na­lis­ta Ra­fa­el Mar­ques, que pe­diu a aber­tu­ra da ins­tru­ção, “não ti­nha le­gi­ti­mi­da­de pa­ra in­ter­fe­rir nos au­tos na qua­li­da­de de as­sis­ten­te, re­la­ti­va­men­te ao cri­me de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, que cons­ti­tuía o no­vo ob­jec­to dos au­tos”. Nes­ta ma­té­ria de in­con­for­mi­da­de de le­gi­ti­ma­ção há pa­no pa­ra man­gas, pe­lo que o re­gi­me an­go­la­no (des­de que se­ja do MPLA) po­de es­tar des­can­sa­do, im­pá­vi­do e se­re­no. Na­da se­rá fei­to pe­las au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas. O De­par­ta­men­to Cen­tral de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal português (DCIAP) ar­qui­vou em No­vem­bro de 2013 o inqué­ri­to ao vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la, Manuel Do­min­gos Vi­cen­te, e ao ge­ne­ral Francisco Hi­gi­no Lo­pes Car­nei­ro, e à em­pre­sa Port­mil – In­ves­ti­men­tos e Te­le­co­mu­ni­ca­ções. O inqué­ri­to sur­giu após uma quei­xa so­bre fac­tos sus­cep­tí­veis de se­rem cri­mes de as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa e bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, ale­ga­da­men­te pra­ti­ca­dos em Por­tu­gal, pre­ce­di­dos de “cor­rup­ção, bur­la e frau­de fis­cal ale­ga­da­men­te pra­ti­ca­dos em An­go­la”. Em cau­sa es­ta­vam ope­ra­ções ban­cá­ri­as efec­tu­a­das em 2009 e 2010, num mon­tan­te de cer­ca de 294 mi­lhões de eu­ros. Ra­fa­el Mar­ques dis­se na al­tu­ra à DW Áfri­ca que res­pei­ta­va a de­ci­são do tri­bu­nal português, na me­di­da em que, se­gun­do ele, já fez a con­tes­ta­ção que de­ve­ria fa­zer, em­bo­ra te­nha dei­xa­do cla­ro que pe­diu “ape­nas a ins­tru­ção do pro­ces­so”. Ao ex­pli­car de for­ma sim­ples a de­ci­são do tri­bu­nal, Ra­fa­el Mar­ques su­bli­nhou

As au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas re­jei­ta­ram ins­tau­rar qual­quer acu­sa­ção for­mal, de­vi­do à fal­ta de pro­vas con­tra álvaro So­bri­nho

que “es­tes ca­sos fo­ram ini­ci­a­dos pe­las pró­pri­as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas. Eu não apre­sen­tei quei­xa con­tra ne­nhum di­ri­gen­te. Al­gu­mas das in­ves­ti­ga­ções fei­tas por mim so­bre ac­tos de cor­rup­ção de vá­ri­os di­ri­gen­tes an­go­la­nos fo­ram usa­das nas in­ves­ti­ga­ções das au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas pa­ra apu­ra­rem se ha­via bran­que­a­men­to de ca­pi­tais ou não”. Ra­fa­el Mar­ques acres­cen­ta­va, que, a cer­ta al­tu­ra, foi cha­ma­do pe­las au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas e foi cons­ti­tuí­do co­mo “as­sis­ten­te pa­ra acom­pa­nhar os re­fe­ri­dos pro­ces­sos”. Qu­an­do a Pro­cu­ra­do­ria da Re­pú­bli­ca de­ci­diu ar­qui­var al­guns des­ses pro­ces­sos, o jor­na­lis­ta pe­diu “a ins­tru­ção por­que acha­va que a in­for­ma­ção pa­ra o ar­qui­va­men­to não cor­res­pon­dia aos da­dos que exis­ti­am no pro­ces­so. Fez-se a ar­gu­men­ta­ção clara de que ha­via ra­zões de Es­ta­do e ou­tras pa­ra o ar­qui­va­men­to do pro­ces­so”. E, de fac­to – não de ju­re -, as ra­zões de Es­ta­do são uma es­pé­cie de al­ber­gue on­de ca­be tu­do o que in­te­res­sa a Por­tu­gal, nem que is­so se­ja um atro­pe­lo às re­gras de um Es­ta­do de Di­rei­to. Ou se­ja, per­mi­te que se la­vre a sen­ten­ça an­tes da ave­ri­gua­ção dos fac­tos. Pri­mei­ro ar­qui­va-se e de­pois ar­ti­cu­la-se ju­ri­di­ca­men­te os ar­gu­men­tos que sus­ten­tem es­se mes­mo ar­qui­va­men­to. Sim­ples. Pa­ra Ra­fa­el Mar­ques, o Pro­cu­ra­dor-ge­ral res­pon­sá­vel pe­lo ca­so “fez uma ar­gu­men­ta­ção me­ra­men­te po­lí­ti­ca so­bre o ar­qui­va­men­to do pro­ces­so e eu co­mo as­sis­ten­te de­ci­di re­cor­rer da de­ci­são”. Num Es­ta­do de Di­rei­to uma das re­gras fun­da­men­tais é dar à po­lí­ti­ca o que é po­lí­ti­ca e aos tri­bu­nais o que é dos tri­bu­nais. Em Por­tu­gal na­da dis­so é as­sim. A pro­mis­cui­da­de é tal que, ca­da vez mais, os tri­bu­nais fa­zem po­lí­ti­ca e a po­lí­ti­ca in­ves­ti­ga e dá sen­ten­ças. Foi nes­sa al­tu­ra que o Tri­bu­nal Cen­tral de Ins­tru­ção Cri­mi­nal con­si­de­rou que Ra­fa­el Mar­ques não ti­nha le­gi­ti­mi­da­de pa­ra con­ti­nu­ar co­mo as­sis­ten­te num pro­ces­so de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais. Ra­fa­el Mar­ques des­ta­cou que o im­por­tan­te é que a ques­tão da cor­rup­ção em An­go­la se­ja re­sol­vi­da em An­go­la, e su­bli­nha que os ca­sos le­van­ta­dos em Por­tu­gal fo­ram “le­van­ta­dos por um ci­da­dão an­go­la­no, Adriano Par­rei­ra, que apre­sen­tou al­gu­mas quei­xas e con­ti­nu­a­ram por de­ver de ofí­cio das pró­pri­as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas. E qu­an­do o Pre­si­den­te de Por­tu­gal, Ca­va­co Sil­va, veio di­zer que os an­go­la­nos de­vem re­sol­ver os seus pro­ble­mas em An­go­la, es­que­ceu-se des­te fac­to im­por­tan­te: Os úni­cos que saí­ram de An­go­la pa­ra ir pro­ces­sar ci­da­dãos an­go­la­nos em Por­tu­gal, fo­ram os pró­pri­os di­ri­gen­tes que me pro­ces­sa­ram em Por­tu­gal. Não o con­trá­rio”. Ra­fa­el Mar­ques dis­se que o ca­so es­ta­va en­cer­ra­do, mas co­mo ci­da­dão e in­ves­ti­ga­dor iria con­ti­nu­ar o seu tra­ba­lho: “Se es­ses mes­mos in­di­ví­du­os ti­ve­rem co­me­ti­do ou­tros cri­mes de cor­rup­ção e aos quais te­nha aces­so à do­cu­men­ta­ção, na­tu­ral­men­te que con­ti­nu­a­rei a pu­bli­cá-los na mi­nha pá­gi­na web. Se­ja cor­rup­ção li­ga­da a Por­tu­gal, a An­go­la ou a ou­tro país”. En­tre­tan­to, es­tá a de­cor­rer uma pe­ti­ção pública que con­subs­tan­cia uma cam­pa­nha mun­di­al a fa­vor do jul­ga­men­to de Manuel Vi­cen­te, pro­cu­ran­do que as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas – se­gun­do o tex­to da pe­ti­ção – “não su­cum­bam a pres­são da ti­ra­nia an­go­la­na”. Nu­ma clara alu­são de que pre­ten­de con­ti­nu­ar no mes­mo ca­mi­nho an­ti­de­mo­crá­ti­co do seu an­te­ces­sor, de­mons­tran­do in­ca­pa­ci­da­de de en­ten­der a se­pa­ra­ção de po­de­res da de­mo­cra­cia, o no­vo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, João Lou­ren­ço, au­men­tou os de­ci­béis da pres­são po­li­ti­ca so­bre as au­to­ri­da­des de Por­tu­gal, pa­ra que não se­ja re­a­li­za- do o jul­ga­men­to de Manuel Vi­cen­te. “A so­ci­e­da­de ci­vil re­pu­dia es­ta ati­tu­de re­tró­gra­da de João Lou­ren­ço, e en­co­ra­ja as au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais por­tu­gue­sas pa­ra que pros­si­gam o cur­so nor­mal do pro­ces­so. Não des­cu­ra­mos o di­rei­to de am­pla e ex­ten­sa de­fe­sa pa­ra o acu­sa­do, con­di­ção in­dis­pen­sá­vel pa­ra um jul­ga­men­to jus­to”, lê-se na pe­ti­ção. De fac­to, se Manuel Vi­cen­te não co­me­teu os cri­mes de que vem sen­do acu­sa­do — cor­rup­ção e fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos — po­de e de­ve es­tar tran­qui­lo e de­ve de­fen­der-se nos lo­cais pró­pri­os, os tri­bu­nais. “Re­a­fir­ma­mos o nos­so apoio ao tra­ba­lho da jus- ti­ça por­tu­gue­sa por­que é nossa con­vic­ção pro­fun­da de que, o avan­ço ci­vi­li­za­ci­o­nal de Por­tu­gal con­tri­bui­rá pa­ra que An­go­la um dia se­ja uma de­mo­cra­cia, e abra­ça­rá os va­lo­res uni­ver­sais dos di­rei­tos hu­ma­nos e da se­pa­ra­ção de po­de­res”, di­zem os men­to­res da pe­ti­ção. E acres­cen­tam: “Se Por­tu­gal ar­qui­var es­te pro­ces­so, se­rá uma ver­go­nha pa­ra o po­vo lu­so. E se tra­du­zi­rá em de­bo­che di­an­te dos par­cei­ros eu­ro­peus e do mun­do li­vre e ci­vi­li­za­do no sen­ti­do cos­mo­po­li­ta. Es­pe­ra­mos que ha­ja cons­ci­ên­cia co­lec­ti­va em Por­tu­gal de que An­go­la é um pe­ri­go re­al e fac­tí­vel à vos­sa de­mo­cra­cia”.

A FA­VOR DO JUL­GA­MEN­TO DE MANUEL VI­CEN­TE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.