ES­TRA­DA DA BEI­RA OU BEI­RA DA ES­TRA­DA?

Folha 8 - - DESTAQUE -

O Go­ver­no an­go­la­no clas­si­fi­ca co­mo “ina­mis­to­sa e des­pro­po­si­ta­da” a for­ma co­mo as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas di­vul­ga­ram a acu­sa­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Por­tu­gal ao vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la, Manuel Vi­cen­te, e aler­ta que es­sa acu­sa­ção ame­a­ça as re­la­ções bi­la­te­rais. A “zan­ga” foi ao pon­to de Lu­vu­a­lu de Car­va­lho ter pro­tes­ta­do jun­to da RTP pe­lo fac­to de “estação do Es­ta­do português” ter ilus­tra­do uma pe­ça so­bre es­ta ques­tão (Te­le­jor­nal do pas­sa­do dia 22 de Fe­ve­rei­ro) usan­do e mos­tran­do o que o Folha 8 es­cre­ve­ra. O re­gi­me do MPLA pro­tes­ta ve­e­men­te­men­te con­tra as re­fe­ri­das acu­sa­ções, “cu­jo apro­vei­ta­men­to tem si­do fei­to por for­ças in­te­res­sa­das em per­tur­bar ou mes­mo des­truir as re­la- ções amis­to­sas exis­ten­tes en­tre os dois Es­ta­dos”. Pe­los vis­tos, no en­ten­di­men­to dos pe­ri­tos do re­gi­me, Manuel Vi­cen­te é mes­mo cul­pa­do. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co português acu­sou, não jul­gou. No en­tan­to, pe­la re­ac­ção de An­go­la, é de crer que o ex-vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca te­nha mes­mo pra­ti­ca­do os ac­tos de que é acu­sa­do. Is­to por­que, num Es­ta­do de Di­rei­to (que An­go­la não é), até ser jul­ga­do e even­tu­al­men­te con­de­na­do Manuel Vi­cen­te é ino­cen­te. Re­fe­re o re­gi­me que as au­to­ri­da­des an­go­la­nas to­ma­ram co­nhe­ci­men­to “com bas­tan­te pre­o­cu­pa­ção, atra­vés dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al por­tu­gue­ses”, da acu­sa­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co português “por su­pos­tos fac­tos cri­mi­nais im­pu­ta­dos ao se­nhor en­ge­nhei­ro Manuel Vi­cen­te”. Pa­ra o Go­ver­no, bem co­mo pa­ra o Pre­si­den­te do MPLA e pa­ra o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, a for­ma co­mo foi vei­cu­la­da a no­tí­cia cons­ti­tui um “sé­rio ata­que à Re­pú­bli­ca de An­go­la, sus­cep­tí­vel de per­tur­bar as re­la­ções exis­ten­tes en­tre os dois Es­ta­dos”. O re­gi­me an­go­la­no tem ra­zão. Se em An­go­la não há se­pa­ra­ção de po­de­res, por que car­ga de chu­va Por­tu­gal per­mi­te – so­bre­tu­do nas re­la­ções com os al­tos dig­ni­tá­ri­os do re­gi­me an­go­la­no – que es­sa se­pa­ra­ção exis­ta? “Não dei­xa de ser evi­den­te que, sem­pre que es­tas re­la­ções es­ta­bi­li­zam e al­can­çam no­vos pa­ta­ma­res, se cri­em pseu­do-fac­tos pre­ju­di­ci­ais aos ver­da­dei­ros in­te­res­ses dos dois paí­ses, atin­gin­do a so­be­ra­nia de An­go­la ou al­tas entidades do país por ca­lú­nia ou di­fa­ma­ção”, di­zia uma no­ta ofi­ci­al do re­gi­me. Nem mais. In­ves­ti­gar e de­pois acu­sar são, pa­ra o re­gi­me an­go­la­no, pro­vas inequí­vo­cas de ca­lú­nia e di­fa­ma­ção. Por al­gu­ma ra­zão, que Por­tu­gal de­ve­ria le­var em con­ta, em An­go­la até pro­va em con­trá­rio to­dos são cul­pa­dos. Já no es­tran­gei­ro, to­dos os ci­da­dãos li­ga­dos ao re­gi­me são ino­cen­tes, sem­pre ino­cen­tes, se­jam quais fo­rem as pro­vas. As au­to­ri­da­des an­go­la­nas con­si­de­ram que, jun­ta­men­te com Por­tu­gal, as su­as re­la­ções de­vi­am con­cen­trar-se “nas re­la­ções mu­tu­a­men­te van­ta­jo­sas, cri­an­do si­ner­gi­as e pre­mis­sas pa­ra o apro­fun­da- men­to da co­o­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca, cul­tu­ral, po­lí­ti­ca, di­plo­má­ti­ca e so­ci­al, co­mo meio de sa­tis­fa­ção dos in­te­res­ses fun­da­men­tais dos seus po­vos”. O Go­ver­no português, es­te co­mo os ou­tros, es­tá-se nas tin­tas pa­ra os an­go­la­nos em ge­ral e em par­ti­cu­lar pa­ra com os 20 mi­lhões de po­bres. Por is­so ajo­e­lha-se e re­za. Há quem di­ga que faz mais do que is­so, mas… Pa­ra cor­ro­bo­rar que não gos­tou da acu­sa­ção de cor­rup­ção ac­ti­va e bran­que­a­men­to fei­ta por Por­tu­gal con­tra o ex-vi­ce-pre­si­den­te Manuel Vi­cen­te, o re­gi­me re­sol­veu mos­trar a ra­zão da sua for­ça (na au­sên­cia da for­ça da ra­zão) com a re­cen­te ad­ver­tên­cia do pre­si­den­te João Lou­ren­ço.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.